Posts Tagged ‘Nick Nolte

04
dez
09

Fantasia com algo mais

Fantasia com algo mais
Em “As Crônicas de Spiderwick”, o diretor Mark Waters consegue driblar as fórmulas de produções infanto-juvenis ao investir na densidade de um drama familiar
Bruno Segadilha, de Los Angeles
25/07/2008 – 23:19 – Atualizado em 25/05/2009 – 00:05

DOIS EM UM
Freddie Highmore vive os gêmeos Jared e Simon, que lutam contra Mulgarath (Nick Nolte, de costas)

A exemplo das séries Harry Potter e As Crônicas de Nárnia, chega ao Brasil mais um filme surgido da literatura infantil. A bola da vez é As Crônicas de Spiderwic, baseado na série homônima de livros de Tony DiTerlizzi e Holly Black. O longa traz o astro mirim Freddie Highmore (o Charlie de A Fantástica Fábrica de Chocolate) no papel dos gêmeos Jared e Simon, garotos que mudam para uma casa no meio do nada após a separação dos pais. Um deles descobre um livro de magia, recita versos proibidos e liberta perigosas criaturas invisíveis. Lideradas por Mulgarath (Nick Nolte), ser supremo do mal, as criaturas tentam invadir a casa em busca da tal obra.

Mais do mesmo? Sim. Seres fantásticos e florestas misteriosas são uma fórmula fácil do cinema infantil americano. No entanto, o diretor Mark Waters consegue driblar o estereótipo ao mergulhar nos conflitos infanto-juvenis e na tensão familiar. Para os garotos Jared e Simon, o verdadeiro terror não está nos duendes malvados, mas no desprezo do pai e na descrença da mãe em relação aos demônios. A irmã mais velha se esforça para aceitar as privações da nova rotina e dá apoio à mãe, a chefe de família deprimida depois da separação.

Essa leitura dramática funciona, em grande parte, graças à atuação de Highmore, que, apesar de seus 16 anos, ainda lembra o garotinho órfão de Em Busca da Terra do Nunca. E ele quase não entrou no filme. O diretor pretendia, a princípio, escalar gêmeos reais. “Seria uma dor de cabeça maior perder tempo atrás de gêmeos que simplesmente contar com o talento de Highmore”, diz Waters na rodada de entrevistas para divulgar o filme. “Sabia que estavam atrás de atores gêmeos, mas fiz o teste”, afirma Highmore. “Deu certo.”

Os fãs da série podem estranhar algumas mudanças em relação à trama original. Mas o diretor diz que os próprios autores deram carta branca para as alterações. “Eles falaram para eu mudar o que fosse preciso para fazer um bom filme”, diz Waters. Ele afirma que seu objetivo era mostrar uma história que unisse pais e filhos. Pelo menos em sua casa, não conseguiu. “Meus filhos viram o filme tantas vezes durante a edição que não queriam ir à estréia comigo!”

3 perguntas para Nick Nolte
O ator conta como foi viver o ancião do mal na fantasia infantil

Mulgarath é um personagem incomum em sua carreira. O que o levou a aceitar o papel?

Eu conhecia o trabalho das pessoas que estavam envolvidas no projeto. Confiava nelas. Também achava interessante estar em uma espécie de Harry Potter americano. Fiquei impressionado com o talento dos autores.

E foi divertido, afinal?

Muito, o Mulgarath tem 995 anos, tive de fazer aquela voz horrorosa, usar toda aquela maquiagem, senão seria apenas o Nick Nolte em um piquenique… Ou você acha que eu não precisava de maquiagem para fazer o ancião?

Você ainda tem o mesmo prazer de estar em um set de filmagem que tinha no começo da carreira?

Tenho. Mas não levo minha carreira como uma obsessão. Se pegar um personagem que não goste de fazer, saio fora. A pior coisa é fazer um papel só pelo dinheiro. Isso é a real desilusão.

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI60877-15220,00-FANTASIA+COM+ALGO+MAIS.html

04
dez
09

‘As Crônicas de Spiderwick’ combina drama familiar e magia

‘As Crônicas de Spiderwick’ combina drama familiar e magia

Seguindo os passos de ‘As Crônicas de Nárnia’ e a ‘A Bússola de Ouro’, filme estréia nesta sexta em SP

Alysson Oliveira, da Reuters – REUTERS

quinta-feira, 20 de março de 2008, 14:18 | Online

Divulgação

Cena de ‘As Crônicas de Spiderwick’

SÃO PAULO – A magia anda em destaque no cinema. Depois que séries como Harry Potter e O Senhor dos Anéis faturaram alto, uma avalanche de filmes do gênero vem sendo descarregada nas salas quase mensalmente. Agora, é a vez de As Crônicas de Spiderwick, que estréia em cópias dubladas e legendadas nesta sexta-feira, 21, seguindo os passos de As Crônicas de Nárnia e a A Bússola de Ouro.

Os irmãos Helen (Sarah Bolger, de Terra dos Sonhos) e os gêmeos Simon e Jared (interpretados por Freddie Highmore, de Em Busca da Terra do Nunca) não estão nada contentes de terem que abandonar Nova York e mudar-se para uma antiga casa de campo com a mãe (Mary-Louise Parker, de Dragão Vermelho), que está se divorciando.

Helen é a mais velha. Por isso, sente-se mais responsável por Simon, que é estudioso, e Jared, o rebelde. Este é quem mais sente a falta do pai, acreditando que ele virá ao seu encontro. Mas nem tudo sai como ele planejou. Enquanto espera, descobre um livro antigo, que tem na capa o aviso para não o abrir. A proibição é tudo o que ele queria para se divertir.

Jared começa a ler o livro e coisas estranhas acontecem. As anotações foram feitas por Spiderwick (David Strathairn, de Boa Noite e Boa Sorte), que pesquisou sobre o mundo mágico de fadas, duendes e outras criaturas há quase um século. O autor desapareceu sem deixar pistas e sua filha, Lucinda Spiderwick (Joan Plowright, de Os 101 Dálmatas), agora uma senhora de mais de 80 anos, está internada num hospício.

Uma série de acontecimentos estranhos, envolvendo goblins (uma espécie de duendes malvados) e ogros colocam Jared no centro da ação. Quem explica ao garoto o que está acontecendo é Tibério, uma criatura chamada de ‘brownie’ (um duende caseiro) que some e aparece quando quer e vira um miniogro quando está enfezado.

Criaturas do mal estão atrás do livro e são governadas por Mulgarath (Nick Nolte, de Paris, Te Amo). Para conseguir defender sua casa e a família, o menino precisará convencer os irmãos Simon e Helen de que as criaturas encantadas existem e são perigosas. Afinal, não é preciso muito esforço para isso, por causa das inúmeras travessuras dos seres mágicos.

Existe uma forma de parar o ataque dos goblins, mas as crianças não sabem como. Para descobri-la, eles vão atrás de Lucinda, que guarda um segredo e pode explicar porque os goblins querem tanto o livro.

Dirigido por Mark Waters (Meninas Malvadas), As Crônicas de Spiderwick baseia-se numa série de livros infanto-juvenis de Holly Black e Tony DiTerlizzi.

O filme combina drama familiar com fantasia – os seres mágicos acabam sendo uma forma de escapismo para as crianças sob a pressão da separação dos pais – mas não consegue manter o ritmo o tempo todo.

A combinação de uma fotografia naturalista com o mundo da magia é uma boa sacada do diretor. Mas nem isso sobrevive ao excesso de efeitos especiais e ação que dominam a meia hora final do filme.

http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,as-cronicas-de-spiderwick-combina-drama-familiar-e-magia,143496,0.htm




Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1.563.030 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
dezembro 2019
S T Q Q S S D
« abr    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados