Posts Tagged ‘L. J. Smith

16
set
10

Aura Negra – Segundo volume da série Academia de Vampiros

Richelle Mead tem um público alvo e fiel. Na moderna onda vampiresca, ela dá continuidade à série “Academia de Vampiros” com o segundo volume, “Aura Negra”. Assim como a coleção “House of Night”, de P.C. Cast e Kristin Cast, e “Vampire Diaries”, de L. J. Smith, os vampiros de Mead tem as suas peculiaridades e particularidades que os difere dos demais sugadores de sangue da literatura.

Mesmo não tendo alcançado o sucesso estrondoso de “Twilight” de Meyer, “Academia de Vampiros” vem conquistando o seu espaço no universo da literatura e no coração dos adolescentes. Após o terrível confronto vivido por Lissa contra os que são sangue do seu sangue e uma descoberta nada fácil de lidar, a jovem Moroi terá que enfrentar ao lado de Rose, sua melhor amiga, heroína da história e uma grande “dampira” (ai como eu odeio esse termo, é muito brega, mas vamos respeitar as escolhas de Mead) um grande desafio, pois a escola São Vladmir está em estado de alerta.

Uma série de assassinatos a vampiros da dinastia Moroi pelos Strigoi está tirando o sono de maduros e jovens vampiros. O que mais está os intrigando é o fato de haver claros sinais de que há humanos ajudando os poderosos e temidos Strigoi.

Rose sofre uma série de desilusões amorosas e acaba dando uma chance a quem de fato merece o seu amor, mas o destino é mais uma vez cruel com a garota. No entanto, ela é agraciada com a presença mais intensa de sua mãe na sua vida. E, na minha opinião, os momentos em que elas estão juntas, tentando resolver as pendências e diferenças, é um ponto forte da história. O romance eu descarto, afinal já passei da adolescência e os draminhas e medos relacionados ao coração estão muito bem resolvidos.

A história é carregada de suspense e ação. Muito bom para quem gosta deste estilo de leitura, mas quero deixar claro que não é uma história excepcional. Traz alguns elementos novos, mas outros presentes naquela mágica fórmula de “vamos colocar isso na história, pois vamos conseguir um público certo”. Não acho isso errado, mas não enche os olhos do público mais maduro que mesmo assim gosta do gênero infanto-juvenil. Mas, no final, a série me conquistou pelo fato de ter uma escrita gostosa e por ser uma coleção. Adoro livros em série. Vamos ver como serão os demais volumes, pois, como sempre, todos os títulos já foram lançados nos Estados Unidos, mas o Brasil ainda está vendendo apenas os dois primeiros. Se você tem tempo sobrando, ama ler, gosta do gênero infanto-juvenil, muita ação, lutas, vampiros, adolescentes e momentos de diversão, fica a dica!

13
jul
10

Diários do Vampiro – Reunião Sombria

Finalmente hoje a Livraria Saraiva decidiu liberar “Reunião Sombria”, o quarto volume da série “Diários do Vampiro”, da autora L. J. Smith.

Era para eu estar bem alegrinha, já que estava esperando por este livro há um bom tempo. Comprei em pré-venda desde o início de junho e parecia que jamais ia chegar o dia de lançamento do livro. Mas eu não sei quando vou poder lê-lo. Estudando muito, curso para começar e os dias com a rotina bastante puxada… Triste =/

Eu gosto muito de “Diários do Vampiro” e defendo a série com unhas e dentes, pois ela foi criada antes de “Crepúsculo” e se alguém copiou alguém, foi Stephenie Meyer e não L. J. Smith. Até mesmo o vampiro vegetariano de Meyer aparece primeiro aqui.

Não assisto a série “Vampire Diaries”, nunca nem tive curiosidade, gosto mesmo dos livros e apesar de em alguns momentos a história de Meyer me atrair mais, por causa dos lobisomens (confesso – adoro eles), eu gosto da trama de Smith. É toda bem amarradinha e esse quarto volume é um divisor de águas, afinal Elena decidiu se sacrificar e agora que partiu desta para melhor, quero ver como Smith vai conduzir a trama sobre o futuro da garota e dos irmãos Salvatore.

Espero ao longo dos dias conseguir um tempinho nem que seja para ler 10 páginas por dia. Vou levar uma vida para terminar.. Triste =/

Sinopse

A cada novo volume de Diários do vampiro, L.J. Smith confirma o talento que conquistou – e cativou – milhares de fãs ao redor do globo. E mostra uma faceta ainda mais sombria do triângulo amoroso mais denso e problemático entre imortais. Adaptado para as telinhas por Kevin Williamson, autor de Dawson’s Creek, e estrelado por Ian Somerhalder, Paul Wesley e Nina Dobrev, o romance entre os irmãos vampiros Stefan e Damon e a bela adolescente Elena ganha dramaticidade e muito terror na versão literária original. Em REUNIÃO SOMBRIA, quarto livro da série, Elena flutua em um misterioso limbo espiritual após se sacrificar para derrotar Katherine e salvar Stefan. Sua morte cobre Fell’s Church de tristeza e desalento, mas é preciso seguir em frente. Bonnie, a melhor amiga, decide guardar o diário de Elena e ali registra os lentos sinais de recuperação da cidade, acompanhada de perto por Meredith e Matt. Mas sonhos perturbadores com a amiga morta estão prestes a mudar tudo… Pelos sonhos, Elena se comunica com Bonnie e avisa de um novo perigo a rondar a cidade. E só uma pessoa pode ajudá-los: Stefan. Mas o vampiro está desolado com a morte de Elena e tentando cumprir a promessa de permanecer ao lado de Damon. Os dois vagam sem rumo, sob a cruz de sua sina: a sede de sangue. Será que ele irá atender ao chamado inesperado que o colocará novamente no caminho de Elena – e daqueles que ela ama?

16
abr
10

L. J. Smith

Lisa Jane Smith ficou conhecida no mundo literário pela abreviação do seu nome, L. J. Smith. Americana que hoje reside na Califórnia, a escritora publicou livros que estão classificados conforme o mercado editorial como destinado a jovens e adultos. Suas tramas envolvem um misto de gêneros, dentre eles o terror, ficção científica, romance e fantasia. A série de seus livros mais famosa no Brasil e no mundo é “Diários do Vampiro”, composta de dez volumes que inspirou a série de TV, The Vampire Diaries.

Fã declarada de C. S. Lewis e de J. R. R. Tolkien, declarou se inspirar nesses autores para a luta entre o bem e o mal, a luta entre a luz e a sombra, presente nos seus livros.

Alguns de seus livros:

– The Night of the Solstice
– Heart of Valor

Séries
Night World
Secret Vampire
Daughters of Darkness
Spellbinder/Enchantress
Dark Angel
The Chosen
Soulmate
Huntress
Black Dawn
Witchlight
Strange Fate (6 de Abril, 2010)
The Vampire Diaries

Trilogias

The Secret Circle
The Initiation
The Captive
The Power
The Forbidden Game
The Hunter
The Chase
The Kill
Dark Visions
The Strange Power
The Possessed
The Passion

14
abr
10

Diários do Vampiro – A Fúria

Dando continuidade a coleção Diários do Vampiro, o terceiro livro da série, “A Fúria” começa com Elena na clareira sem sentir frio, apesar de a tempestade ainda atingir a cidade de Fell’s Church. Ela conseguiu distinguir os irmãos Salvatore mas não entendia porque ela estava ali e como havia chegado ao bosque.

Elena observava os Salvatore brigando. Damon e Stefan estavam feridos, sangrando e emanavam ódio e fúria. Stefan estava por cima de Damon, arranhando o seu pescoço. Isso enfureceu Elena que deixara a raiva se apoderar dela e com um instinto protetor, partira em defesa de Damon. Começara a estrangular Stefan por trás, o que deixou o jovem vampiro surpreso, mas não deixou barato e revidou apalpando o pescoço de Elena, até que o seu polegar cravou em sua via respiratória.

Imediatamente, Elena mordeu a mão de Stefan, arrancando o seu sangue. No entanto, o garoto era muito mais forte que ela. Quando estava se preparando para atacá-la de verdade, um choque paralisou Stefan. Ele olhou para Elena como se a tivesse vendo pela primeira vez. Arregalou os olhos, se sentou e ajudou-a a se sentar também. Mas Elena partiu para cima dele de novo, tentando atacá-lo. Stefan fala com ela, mas ela não corresponde e continua tentando atacá-lo e olhando como se não o conhecesse.

Elena acreditava que havia nascido para Damon e ela tinha o instinto somente de protegê-lo e não permitir que ninguém o machucasse. Então atacou Stefan e mordeu o seu pescoço. Ela queria atingir uma veia ou artéria e mordeu novamente com uma raiva absurda, pois ela precisava que jorrasse sangue quente e suculento.

Stefan tremia e uma voz na cabeça de Elena mandava que ela soltasse o garoto. Era Damon. Elena ficou ressentida por ter que largar a sua presa, mas obedeceu. Damon diz a Stefan que pensou ter ouvido ele dizer que a garota estava morta. Elena diz saber que estavam no bosque, que sabia quem era o garoto que ela atacara – Stefan – irmão de Damon e que sabia quem era Damon, o homem que ela amava.

Stefan acusa Damon de ter transformado Elena no que ele queria: uma vampira como eles, não bastando apenas matá-la.

Damon pergunta a Elena o que mais se lembrava. A garota responde de forma bem confusa e cheia de lacunas o que acontecera na comemoração de festas do Dia dos Fundadores. Ela conta ainda que após uma discussão com sua tia Judith ela fugira no carro de Matt e foi para a ponte Wickery, porém alguma coisa fora atrás dela.

O carro de Matt ainda estava no rio e Elena fora encontrada sem pulsação e sem respiração. Stefan mais uma vez acusa Damon, dizendo que a garota não recebera dele sangue suficiente para ser transformada e pergunta como Damon fora capaz de transformá-la e questiona se já não bastava o que acontecera com Katherine. Damon diz que Elena está fraca e precisa de sangue.

Damon sai do bosque e Elena o segue, sendo seguida por Stefan. Ao saírem do bosque, a garota reconhece o lugar e viu que havia ali uma atividade frenética: luzes vermelhas e azuis piscando nos carros de policiais e pessoas ao redor. Ela achou ter reconhecido sua tia Judith, seu noivo Robert, sua irmã Margaret (apesar de não se lembrar do nome da própria irmã) e duas garotas (Bonnie e Meredith) que ela se lembrava.

Elena viu que Donnie contava a um policial que o corpo de Elena não estava mais na água, pois ela vira quando Stefan a retirara da água. Mas Elena queria acabar com o sofrimento das amigas e desejava explicar tudo as pessoas. Mas Damon a impediu e disse que ela agora era uma caçadora e deveria escolher uma de suas presas. Para ela nada ali parecia com comida, mas ficou tentada pela proposta de Damon de transformar os paramédicos em comida. Mas Stefan não deixou, apesar de saber que Elena precisava de sangue humano. No entanto, ele não queria mais ataques e encontraria alguém que estivesse disposto a lhe oferecer sangue.

Enquanto isso, Stefan se lembra como tentara resgatar Elena do rio, mas já era tarde demais e quando ele a tirou do rio, o que carregava era um corpo sem vida. O que o deixou arrasado. Mas ele ficara mais arrasado ainda por ver no que a garota se transformara. Era muito pior do que vê-la fria, inerte e morta. Damon a deixara viva talvez para se vingar de Stefan. Ele sofria tanto que chegou a pensar em retirar o seu anel que lhe protegia a vida e fosse de encontro ao sol. No entanto, ele sabia que enquanto Elena estivesse na Terra, ele não se mataria, pois jamais a deixaria, mesmo que agora ela o odiasse e até mesmo o caçasse. Ainda assim, ele faria qualquer coisa para mantê-la segura.

Enquanto Damon e Elena esperavam Stefan na porta da escola, Stefan fora a pensão se limpar e lavar o sangue do seu corpo, por causa dos humanos. Ao chegar na escola, Stefan procurara por Matt. Stefan se comunicou mentalmente com Damon lhe dando instruções para levar Elena para a sala de fotografia para que eles todos pudessem se encontrar lá.

Ao ver Stefan, Matt quer saber se há notícias de Elena. Stefan deixa claro que Elena morrera e Matt fica arrasado. Stefan quer saber se Matt faria alguma coisa por Elena, se fosse possível. Ele que faria qualquer coisa pela garota. Stefan então chamara o garoto para lhe mostrar uma coisa.

Stefan o leva para a sala de fotografia e sente a presença de Damon e Elena no escuro. Stefan diz para Matt que ele ter imaginado que ele era um vampiro. Matt diz que não é da conta dele, apesar de estar assustado. Stefan manda Matt olhar para trás e quando o garoto se vira, reprime um grito. Ele vira Elena, mas não a Elena que ele conhecia. Esta Elena estava branca de cor invernal e o cabelo louro parecia coberto de uma luz prateada. Porém, as verdadeiras diferenças estavam no rosto dela. As suas pálpebras estavam pesadas e os olhos azuis apesar de aparentarem sonolência, estavam estranhamente despertos. Ele achou que ela estava mais linda do que nunca, mas com uma beleza apavorante.

Elena olhava para Matt lambendo os lábios. Matt estava cercado por Stefan, Damon e Elena. Os três se fecharam sobre ele inumanamente lindos e também ameaçadores. Stefan sentia o cheiro de medo que Matt emanava, afinal ele era uma caça cercado por predadores.

Stefan diz ao outro garoto que eles não queriam machucá-lo, apenas precisavam da ajuda dele. Elena precisava da ajuda dele. Explica para ele que o que Elena precisa não lhe causava danos permanentes e não precisava que houvesse dor. Afinal ele dissera que faria qualquer coisa pela garota. Ele confirma e pergunta do que ela precisava.

Elena vai para cima de Matt, mas Damon lhe mostra onde ela deve atacá-lo para não matá-lo. Matt estava apavorado. Stefan vai para trás dele e lhe diz que ele pode desistir. Mas o garoto se nega a desistir e está disposto a ajudar Elena. A garota parte com tudo para cima de Matt. Stefan o segura pelas costas para lhe dar apoio e lhe dizia para não lutar, pois isso provocava dor.

Stefan deixou que Elena sugasse o quanto fosse seguro e depois interferiu mandando-a parar para não machucar o garoto. Damon diz que Elena agora precisava descansar e leva a garota para um lugar em que ela pudesse fazer isso em segurança.

Após a partida de Damon e Elena, Matt encarou Stefan com severidade. Ele diz ao jovem vampiro que agora sabia de toda verdade, mas que mesmo assim ainda não acreditava. Ele queria saber o que estava acontecendo e o que seria de Elena se ela ficaria desorientada e vampira para sempre. E gostaria de saber se não havia nada que eles pudessem fazer.

Stefan diz que agora como Elena está alimentada ela poderia raciocinar melhor. Quanto a condição dela agora ser uma vampira, a solução para isso se alterar era pegar uma estaca de madeira e cravá-la com um martelo no coração dela. Assim ela deixaria de ser uma vampira e passaria a ser uma morta. O que na verdade ela já estava. Como ela ingeriu uma grande quantidade de sangue dele e de Damon, ela acabou sendo transformada em vampira.

Stefan confessa para Matt que fora ele quem atacara Tyler e os marginais dos amigos dele. Matt condena Stefan, diz que Tyler merecia um murro, não quase ser morto durante um ataque por um vampiro sedento de sangue. Stefan diz que não sente arrependimento nem remorso. Da mesma forma que Matt não sente arrependimento quando come muita carne nem sentir pena da vaca.

Matt fica incrédulo diante daquele comentário, ficou desiludido e sentiu náusea. Se afastou de Stefan e foi embora sem dizer nada. Elena e Damon estavam no cemitério, mas a garota decide que iria até a sua casa. Acabara de se lembrar da sua casa, lembrou de detalhes do seu quarto e queria algo importante que estava debaixo das tábuas do piso do seu armário: o seu diário.

Ao chegar na sua casa ela subiu com agilidade no marmeleiro e foi até a janela do seu quarto, mas não tinha como ela entrar em casa sem ser vista. Viu sua tia Judith sentada com uma expressão triste e em seguida ela discutiu com o seu noivo Robert. Decidida, ela resolve terminar o seu noivado e também o namoro. Ele reagiu de forma sombria, resignado e contrariado, vai embora. Judith então fica confusa e ao decidir ir atrás dele, ao se virar solta um grito, pois vira Elena.

Damon agarrou Elena na árvore e perguntou porque ela não ficara no cemitério. Nem sequer esperou pela resposta e pegou-a pelo braço. Ela reluta dizendo que precisava entrar na casa e Damon diz que ela não pode entrar pois não fora convidada.

Elena diz que precisa do seu diário. Ela não sabia porque estava fazendo tanta questão, mas sabia apenas que precisava do seu diário, pois parecia ser algo importante. Damon então lhe entrega o seu antigo diário que estava nas mãos de Caroline. Mas Elena insiste que precisa do diário novo. No entanto, Damon não estava com paciência para negociar. E lhe disse que, por enquanto, este diário teria que servir.

Damon pegou a garota e foram em direção a casa do professor Alaric Saltzman. Ao abrir a porta, Alaric gesticulou para Elena e Damon entrarem. Damon a adverte que não é para ela o morder, é para ela passar a noite ali, como ele já fizera anteriormente, no sótão. Damon diz que Alaric nem saberia que ela esteve ali no dia seguinte.

Ao acordar no dia seguinte, Elena tentou entender o que ela estava fazendo naquele sótão. Acordou confusa e sem saber de que casa era aquele porão. Elena podia ouvir vozes no primeiro andar. Alguma coisa dizia a ela para ter cuidado e permanecer em silêncio. Elena ouve a conversa entre Alaric e o dr. Feinberg, o diretor da sua escola. Eles falavam sobre ela, sobre o desaparecimento do seu corpo e o diretor diz que eles deveriam vigiar as duas amigas dela: Bonnie McCullough e Meredith.

Confusa e sem entender do que se tratava aquele diálogo que ela ouvira, ela decide ler o sue diário. Elena agora estava em pânico. Após ler o diário, ela se lembrara de tudo: a ponte, a água corrente, o ar nos seus pulmões, toda a dor e quando tudo parou. Ela sabia que ninguém conseguiria se levantar e andar normalmente após ter se afogado. Então decide ir até a janela fechada que funcionava como um espelho para ver o seu reflexo. Elena cai de joelhos, encostando a sua testa na madeira nua de uma parede sem acreditar no que se transformara. Se dá conta de que precisava encontrar Stefan, ele poderia ajudá-la.

Quando saiu da casa, Elena vai em busca de Stefan. No caminho vira a igreja da cidade e, como espectadora, viu uma missa em sua homenagem. Muitas pessoas que ela conhecia e seus amigos falavam sobre ela. Na vez de sua amiga Meredith falar sobre ela, dera detalhes de encontros com Elena que não correspondiam aos fatos corretos, o que despertou a atenção dela. Meredith estava mandando um recado para a amiga. Ela estava esperando que Elena a ouvisse, o que pareceu a Elena que Meredith sabia. Elena ficou pensando no que Stefan pode ter contado a ela. Elena notara que nem Matt e nem Stefan estavam na igreja.

Quando Bonnie subiu no altar para falar sobre Elena, ela estava muito emocionada, o que fez Elena acreditar que Meredith não contara nada a outra amiga. Ao finalizar os seus dizeres, Bonnie tombou a cabeça para trás e olhou o teto. Seu rosto perdera a cor e a expressão. Elena sente um arrepio e pede, internamente, que Bonnie não deixasse acontecer ali naquele lugar.

Não adiantaram os pedidos internos de Elena. Bonnie entrou em transe e começou a falar coisas sem sentido, dizia que “Ninguém é o que parece”. O reverendo Bethea e outro homem correram para seguram e amparar a garota.

Elena fora ao encontro de Stefan e procurou no seu abraço, amparo diante de tudo que lhe estava acontecendo. Ela pergunta para ele se nada pode ser feito e ele lhe diz que não. Ela pede desculpas pela forma como agira com ele no bosque. Ela diz que se lembrava do que tinha feito, mas não se lembrava do porque.

Quando a população começou a sair da igreja, foi surpreendida por um grupo muito grande de cães. Pareciam dois exércitos se encarando. Havia cachorros de várias raças, das pequenas às grandes. As pessoas começaram a ficar inquietas e assustadas. Ninguém queria se aproximar dos animais. Até então os cães não estavam fazendo nada. Estavam apenas sentados ou de pé, mas toda essa imobilidade pareceu a Elena bastante estranha. Os animais agiram como se simplesmente esperassem.

Douglas Carson se adiantou na linha de frente da multidão chamando por Chelsea. Doug chamava a cadela da família e mostrou os dentes para o dono e todos os cachorros começaram a atacar seus donos e todas as pessoas da multidão que estavam na igreja. Os cães rasgavam roupas, rangiam os dentes, lançavam-se para cima das pessoas, enquanto as pessoas na multidão se espalhavam e gritavam. O local estava um verdadeiro pandemônio. Os animais pareciam enlouquecidos.

Elena diz aos demais (Damon e Stefan) que as pessoas precisavam de ajuda. Mas Elena não podia ajudar pois não podia ser vista. Stefan fora ajudar as pessoas, já Damon não acompanhara o irmão. Após Elena o convencer, ele se juntara ao irmão, em socorro aos humanos. Os bombeiros chegaram em seguida como reforço e os cães começaram a correr do bombardeio de água. Após o término do ataque, Stefan conta a Elena que Doug estava bem machucado e que nunca vira isso antes, sendo a coisa mais estranha que ele já vira.

Elena desconfia da quantidade de fatos e eventos estranhos que estavam ocorrendo e pede a Damon que lhe fale a verdade a respeito de uma pergunta que ela gostaria de lhe falar. Ela diz que sabia que não fora Damon que a perseguira na ponte Wickery, pois ela podia sentir o que era, e era algo diferente. E pergunta se fora ele quem afundara Stefan no poço antigo dos Francher há um mês.

Damon não entendia do que ela estava falando, mas Stefan diz para Elena que ela não deveria acreditar no irmão. Damon retrucou dizendo que não teria motivos para mentir. Elena diz que acredita nele. E se vira para Stefan para perguntar se ele não sente que há algo em Fell’s Church que talvez nem seja humano. Sugere que essa coisa tenha perseguido ela e que talvez estivesse por trás do que acontecera com os cães. Uma força terrível, maligna atuando na cidade.

Stefan e Damon mais uma vez disputam o amor de Elena e ambos acusam o outro de coisas que fizeram anteriormente para ver se conseguiam o amor da garota. Ela diz que precisa que todos fiquem juntos, diante de algo tão maligno que está presente na cidade. Pergunta aos garotos se eles querem realmente ser inimigos para sempre. Os dois enfim concordam com a garota. Os três estariam conectados, em harmonia e, assim, se tornavam fortes.

Elena chama atenção para o que Bonnie dissera na igreja: sobre ninguém ser o que parecia e sugere aos garotos que eles deveriam investigar algumas pessoas na cidade. Entre elas, Alaric Saltzman.

Elena vai embora, para a casa de Meredith. Ela percebe que não era difícil chegar à casa da amiga sem ser detectada. Ela sobe ao telhado da casa e vira Meredith sentada na beira da cama com os cotovelos nos joelhos, olhando para o vazio.

Elena bateu as unhas na janela e Meredith deu um salto. Elena pede a amiga que a deixe entrar, que a convide para entrar. Assim Meredith o fez. Elena pergunta à garota como ela soube. Ela diz que como o corpo de Elena não fora encontrada, era estranho. Juntou os ataques que ocorreram na cidade, desconfiada de Stefan e acabou desconfiando de tudo.

A campainha da casa tocou e Elena quis saber quem Meredith convidara. Ela diz que pedira a Bonnie para ir ao seu encontro e comenta que Bonnie não sabia, que precisava contar a garota com jeito. Elena pede a Meredith que apague a luz do quarto. Meredith pede que Bonnie não grite e chama o nome de Elena. Bonnie fica eufórica dizendo que sabia que Elena não estava morta. Meredith pede que ela não faça tanto barulho.

No entanto, Bonnie não se dera conta de fato do que ocorrera. Ela achava que Elena estava vem e sobrevivi ao afogamento. Quando Bonnie se dá conta, fica histérica, começou a chorar e diz que vai embora, pois estava com muito medo. Mas fica e tenta se entender com Elena.

Elena acaba contando as amigas toda a verdade a respeito de Stefan e Damon e o que eles eram na verdade. Conta sobre Katherine e Klaus e Meredith relata para Elena que sua tia Judith tem estado muito mal e que achava ter tido uma alucinação de que vida a sobrinha. Conta também que todo mundo na escola estava perturbado e que alguma coisa de errado acontecera com Matt, pois o garoto parecia um zumbi e não falava com ninguém.

Elena comenta que achou estranho o comportamento de Robert na igreja e no dia que presenciara sua tia Judith romper o noivado com ele. Bem como desconfiava também de Alaric. Ela diz que ele é um espião. Além deles, as meninas desconfiam também da Sra. Flowers, por ela ser estranha.

Elena estava com fome e quase atacou as suas amigas. Stefan entra em ação e vai com ela para o bosque. Caçam e se alimentam de um veado-de-cauda-branca. Elena decide continuar escrevendo no seu diário e conta sobre a sua transformação. Enquanto isso, Stefan tenta conversar com Matt, mas ele não queria conversa. Matt diz a Stefan que Elena estava morta, rechaçou Stefan e foi embora.

Elena decide ir para sua casa mais uma vez. Viu sua tia Judith na cozinha fechando o lava-louças e ficou observando as coisas que a tia estava fazendo. Ela queria entrar na casa, nem que fosse para ficar só um pouquinho. Elena decide subir no marmeleiro na frente do seu quarto, mas não pôde olhar para dentro do seu quarto, porque as cortinas estavam fechadas. Então foi observar o quarto de Margaret. A sua irmãzinha dormia com as cobertas até o queixo com a boca aberta. Elena reprimiu suas lágrimas. Percebeu que sua irmã tinha uma gatinha branca, Snowball. A gatinha subiu na cama de Margaret e exibiu suas garras e começou a andar delicadamente para se aconchegar no peito da garota.

Alguma coisa formigou nas raízes do cabelo de Elena. Sentiu medo, que sua irmã corria perigo. Elena percebeu que a gatinha estava agindo como os cães no dia da igreja. Os cães, desde aquele acontecimento, estavam em quarentena, mas ninguém na cidade pensara nos gatos.

Elena começou a pensar no que um gato seria capaz de fazer com aquelas garras. O pêlo no dorso de Snowball se eriçava e seus olhos estavam fixos no rosto de Margaret. Elena se desesperou e começou a bater na janela chamando o nome da irmã. Após alguns gritos de Elena e pedidos de que a garota acordasse, Margaret acordara. Elena pede que a menina levante da cama e abrisse a janela. A garotinha de apenas 4 anos, obediente acordou, levantou, abriu a janela e convidou Elena para entrar. Assim que Elena entrou, a gata disparou para fora do quarto.

Margaert ficou muito feliz por ver que a sua irmã voltara. Disse a Elena que sentiu muita saudade dela e Elena não teve muito tempo de conversar com a irmã, pois a tia Judith aparecera no quarto. Elena pede q irmã que não conte que ela estava ali, pediu que fosse um segredo.

Assim, Elena se escondera embaixo da cama. E no momento que a tia saíra do quarto, Elena pede a irmã que diga a tia que Snowball a assustou e não quer mais ficar com ela. Explica que a gata vai machucá-la e, por isso, não deveria mais ficar com ela. Diz ainda que por um bom tempo, o melhor é que não se coloque qualquer tipo de animal na casa.  Após sair da casa, Elena se encontrara com Stefan e depois escrevera novamente no seu diário.

Bonnie leva Elena até Alaric que acaba revelando quem ele era na verdade. Conta que hipnotizou Caroline Forbes há dois dias e lembrou o que acontecera no barracão e identificou Stefan Salvatore como o agressor. O pai de Caroline e o pai de Tyler armam uma cilada para Stefan e Elena e os demais partem em defesa do garoto.

Stefan fora agredito e estava ferido, afinal fazia um bom tempo que ele não se alimentava e estava fraco. Um homem estava prestes a atirar e matar Stefan. Mas um lobo aparecera e arrancara a arma da mão de um dos agressores, o Sr. Smallwood. Alaric chegara ao local e manda que todos parem de tentar machucar Stefan. Caroline acaba sendo induzida por Alaric a dizer que não tinha certeza de Stefan ser o agressor e a situação se resolve.

Juntos, eles todos explicam uns aos outros informações, fatos e dados que precisavam ser ditos e esclarecidos. Stefan e Elena conversam sobre Matt. Stefan conta a garota que ela precisou se alimentar de Matt, senão morreria. Elana se sente muito mal, culpada e preocupada com o estado do garoto que um dia ela gostou e fora seu namorado.

Elena então vai a procura de Matt. Ao chegar na casa dele, chama o seu nome e ele diz para ela que ela estava morta. Ela o convence que não morrera. Eles conversam, se entendem e conta para ele sobre os últimos acontecimentos e o ser maligno que estava presente na cidade.

Elena foi com os Salvatore e os amigos ao cemitério. Na igreja em ruínas, ela teve uma sensação de déjà vu. Nas esculturas de mármore de Thomas e Honoria Fell, Elena diz que elas se abriram. Quando Stefan e Damon abriram as tumbas se surpreenderam e quiseram ver o que era aquilo. Não era uma tumba e sim uma porta. Os três desceram, os demais os seguiram. Era uma lugar estranho. As paredes eram revestidas de pedra e havia um portão de ferro batido, havia uma cripta.

Bonnie começou a agir como se estivesse entrando em transe. Bonnie começou a agir como se estivesse entrando em transe. Bonnie começou a falar com uma voz que não era dela. Uma voz de mulher que explicava o que era aquele lugar. Mas Bonnie estava normal. Uma outra pessoa falava, o espírito de Honoria Fell. Ela explica que Outro Poder fora para Fell’s Church, cheio de ódio e destruição. Profanara o lugar dela de repouso e espalhara seus ossos, fazendo daquele lugar o seu lar. O Outro Poder saiu para espalhar o mal na cidade dela, que fora a sua fundadora. Ela conta que após isso despertara e tentara alertar Elena desde o início. Tentara avisar a garota que o Outro Poder estava esperando por ela, observando seus passos, às vezes sob a forma de uma coruja branca. Conta a Stefan que ele também tem sido observado e que o Outro Poder odiou Stefan antes de ter odiado Elena.

Elena sabia que teria de enfrentar o outro poder. Um barulho na escuridão despertou a todos. Bonnie gritou que todos deveriam sair. Mas antes que eles saíssem, ouviram um rosnado, que não era de um cão, era muito mais grave, mais pesado, mais ressoante. Era a sede de um caçador, deixando Elena paralisada. Era um tigre.

O animal atacara Damon, o que deixou Elena desesperada. Uma verdadeira luta foi travada e Stefan aproveitou para mandar Alaric e os amigos de Elena fugirem do local. Stefan também fora atingido pela fúria do animal. Elena conseguiu ver quem na verdade era o tigre, Katherine, para surpresa de todos.

Katerine revela que não se matara, apenas fingira ter morrido para que os dois irmãos enfim pudessem se unir, mas eles não cumpriram o que prometeram a ela, se odiando e brigando cada vez mais. Ela revela que foi passar um tempo com Klaus e aprendera muito com ele. Katherine se transformara num monstro e estava sedenta de sangue. Com vontade de matar tanto Elena quanto os Salvatore. Revela que fora ela quem fizera todas as atividades estranhas envolvendo os animais, que estava por trás do comportamento desequilibrado de Vickie e quando viu que Stefan dera para Elena o anel que era dela se descontrolou de vez. Elena não podia deixar que Katherine vivesse para matar o homem que ela amava, para matar Damon e outras pessoas que ela também amava. Então decide tirar o anel que a protegia do sol e arrastara com ela, Katherine.

Enquanto isso, os animais de Fell’s Church tentavam atacar os humanos. Na casa de Elena, sua tia Judith, Robert e Margaret estavam em desespero, pois os animais estavam prestes a entrar na casa para matá-los.

Elena sentiu a dor em brasa, como se seu corpo tivesse sido mergulhado em veneno. Stefan gritava o nome da garota, desesperado, mas não havia mais jeito. Elena morrera bem como Katherine. Quando Katherine morrer, os ataques dos animais pararam.

O livro termina com Bonnie escrevendo no diário o que acontecera com cada um dos envolvidos.

Será que finalmente Damon e Stefan vão parar de se odiar e vão agir e se comportar como irmãos? Será realmente o fim para Elena? Só iremos saber no quarto livro da série. Enquanto isso, aguardamos com uma certa ansiedade.

12
abr
10

Diários do Vampiro – O Confronto

O segundo volume da série “Diários do Vampiro”, “O Despertar”, de L. J. Smith, começa com a busca desesperada de Elena por Stefan. Ao chegar ao cemitério ela grita por Damon. Quando o jovem aparece, a garota o afronta, dizendo que sabe que fora Damon quem matara o Sr. Tanner, diz que sabe quem ele é e o que ele é. Elena o ameaça, caso ele faça algo contra Stefan, e ele responde com pouco caso, o que ela poderia realmente fazer contar um vampiro das trevas e extremamente poderoso?

Ele propõe transformá-la e torná-la sua parceira, dizendo que ela será muito feliz. Mas ela rejeita e diz que já encontrou o que queria: Stefan. Ele revela que matara o irmão na noite anterior.

Elena atravessa a ponte Wickery e segue reto. Ela reconstituíra mentalmente onde poderia estar Stefan. O carro dele fora encontrado pela polícia na Old Road próximo ao bosque. Decidiu ir para o bosque. Ela não acreditava em Damon. Se Stefan estivesse morto, ela saberia, não sabia explicar, mas ela sentiria que ele havia morrido.

Elena estava cansada e se abaixara ao lado da estrada, pensando como fora ingênua ao sair em busca de Stefan. Fechou os olhos e encostou a cabeça nos joelhos dobrados. Bonnie surgira para ajudá-la, pois estava procurando-a. bem como Meredith. O corpo de Elena estava coberto de neve. Ao ser levada para casa, quando chegou, sua tia mais uma vez estava nervosa com o seu sumiço. Elena percebeu que todos de alguma forma acusavam Stefan e pensavam que ele havia fugido. Elena fica contra todos, defendendo Stefan. E acaba descontando toda a sua raiva e frustração em Matt que vai embora de sua casa bastante magoado.

Elena implora a Bonnie que use os seus poderes para tentar ajudar a localizar Stefan. Bonnie consegue penetrar a mente de Stefan e reproduz o seu estado, os seus pensamentos e descreve o local em que ele se encontra, ainda vivo, mas bem debilitado e machucado. Como no local em que Stefan estava havia algo, elas acabaram achando que ele deveria estar debaixo da ponte Wickery.

Elas resolvem ir para o local, mesmo sabendo que poderia ser muito perigoso. Quando chegaram, desceram a ponte e viram que estavam no local errado, Stefan não estava ali. E viram uma pessoa se aproximando. Com isso, as meninas se desesperaram. Mas todo o susto passou quando viram que se tratava de Matt, que confessa que estava seguindo as meninas, pois estava preocupado com os últimos acontecimentos.

Os quatro agora discutem juntos onde poderia ser o local indicado e descrito nos pensamentos de Stefan explicitados por Bonnie. Chegaram a conclusão de que poderia ser um poço, pois cabia na descrição do local. Mas um problema se apresentava: havia vários poços na cidade. Então eles começaram a trabalhar sob probabilidades e exclusões. Escolhendo começar pelos locais mais próximos de onde o carro fora encontrado abandonado. Matt se lembrou de que naquela rodovia a fazenda mais próxima estava abandonada, a fazenda Francher e lá havia um poço. Eles decidem começar as buscas por lá.

Matt notara que o mato e a terra próximos aos poço fora mexida recentemente. Eles arrastaram a pedra que cobria o poço e Elena ouve ruídos vindos de Stefan com uma corda amarrada à cintura. Os garotos conseguem puxar, resgatar e salvar Stefan. Ele estava bem mal, o seu corpo estava flácido, suas mãos estavam cortadas e sangravam, a pele dele estava cerosa, tinha olheiras escuras, sua pele estava fria e seu pescoço estava todo arranhado e ferido. Matt sugere que o levassem a uma clínica para ser tratado, mas Stefan protesta veementemente e rejeita a sugestão.

Elena justifica que ele tinha medo de médicos e sugere que eles o levassem para o seu quarto na pensão. Ao chegarem ao quarto de Stefan, na pensão, Bonnie reforça que Stefan precisa de um médico. Matt se assusta com o estado do quarto do jovem vampiro e pergunta o que aconteceu. Mas ninguém sabia o que responder para ele, pois ninguém na verdade sabia.

Elena sugere que Bonnie chame Mary, afinal ela era enfermeira e podia ajudar e pede que todos fossem chamar o garoto enquanto ela ficara cuidando de Stefan. Para ele se recuperar ele precisaria beber sangue humano e oferece o seu pescoço a ele. Ele reluta no começo, mas sabe que ela tem razão e acaba aceitando e começa a mostrar rapidamente sinais de melhora.

Quando os garotos retornaram perceberam que ele estava melhor. Mary chegara com um termômetro e rapidamente Elena se oferece para medir a temperatura de Stefan, senão todos iam perceber que o garoto não era normal e não teria a temperatura de alguém que estivesse vivo. Mas propositalmente derruba o termômetro que ao cair se quebra.

Quando eles estavam indo embora, Stefan pede a Elena que não durma sozinha, que vá para a casa de uma das amigas e ela concorda. Elena começa a escrever um novo diário e estava bem curiosa para saber quem seria o novo professor de história européia que iria substituir o falecido Sr. Tanner. Quando chegou a sala notou que o novo professor parecia quase um aluno. Tinha cabelo cor de areia, meio comprido e corpo de atleta. Chamava-se Alaric K. Saltzman. Ele se apresenta e pede para que os alunos que foram testemunhas da morte do Sr. Tanner falassem o que viram e como se sentiram, alegando que isso era importante e bom para se colocar para fora.

Bonnie decide falar e acaba se descontrolando ao entrar em detalhes, o que deixa Elena muito angustiada com o comportamento da amiga. O misterioso professor se tocou que havia passado dos limites e pediu que Bonnie parasse de falar. Para amenizar o clima convidou todos os alunos para uma festa na casa dele.

Elena percebe que as pessoas na escola, que antes faziam questão de rodeá-la, cumprimentá-la e estar com ela, agora faziam de conta que ela não existia e passaram a tratá-la com frieza, quando não a ignoravam. Resolve perguntar a Caroline o que estava pegando. A garota responde que já havia alertado a Elena que as coisas seriam diferentes este ano para ela na escola e que a época de trono dela havia chegado ao fim. E diz que sair com um assassino poderia representar um obstáculo para a vida social de Elena. Esta imediatamente defendeu Stefan e disse que ele é inocente e que a polícia inclusive havia o interrogado e ele fora liberado. Afrontou Caroline dizendo que a encontraria na festa da casa dos Ramsey e que iria com Stefan.

Na festa Elena encontrara as amigas e comenta que achou o comportamento do novo professor, Alaric, muito estranho. Bonnie prontamente o defende, pois já estava encantada pelo professor. Elena se afastara do grupo e se assustara ao dar de cara com Damon na festa acompanhado por Sue Carson. Sue os apresenta e diz que Damon é um aluno universitário. Quando Damon pede para ver o pescoço de Elena, Stefan aparece e o clima esquenta. Elena preocupada com Stefan não se controla e decide tira-lo da festa para que não haja qualquer tipo de confusão e ele acabe se complicando.

Quando pegou a sua bolsa ao ir embora da festa, Elena viu um pedaço de papel violeta, Elena pegou e desdobrou e viu ali três frases que ao ler fez o seu mundo balançar. Era parte do seu diário. No dia seguinte ela conta as amigas o que aconteceu e elas concordam que só poderia ter sido alguém que estava na festa que roubara o diário dela na casa de Bonnie. E para roubar na casa de Bonnie, só poderia ser alguém que conhecesse a casa.

Elena sem poder explicar direito o porque era o segredo de Stefan, revela que não pode contar tudo, mas conta que sabe quem é o assassino, sendo que também não deve contar para a polícia. Pois trata-se de Damon e Bonnie fica assustada, pois o beijara.

Na hora do almoço as meninas notaram que Vickie retornara a escola e estava tendo um comportamento bem estranho. Pois a menina começara a tirar a roupa. Elena então vai ao seu auxílio. A menina parecia ter saído de um estado de transe e começou a hostilizar Elena, com as mesmas acusações que fizera anteriormente no quarto dela quando as meninas a visitaram no primeiro livro.

Stefan estava com o seu carro ainda apreendido pela polícia e pede a Matt o dele emprestado. Matt pergunta para o que é e Stefan explica que precisa conseguir no sul umas flores para Elena que nesta época não floresce no norte. Matt decide ir com Stefan.

Ela fora dormir na casa de Bonnie e ficara no quarto que era de uma das irmãs de Bonnie que agora estava na universidade. Elena se preocupou com a janela, mas estava fechada e trancada e não havia nada do lado de fora para que alguém pudesse subir e adentrar no quarto. Disfarçadamente ela verificou todas as janelas dos quartos da casa, nada podia entrar na casa.

Elena após uma dificuldade inicial para conseguir dormir, pegara no sono. Teve um sono agitado e tivera um pesadelo com Damon. Então sentiu uma dor no pescoço, como se estivesse sendo atacada e realmente ela estava sendo atacada pelo feroz e enorme corvo. Ele gritou alto acordando todos da casa. O Sr. McCullough, o pai de Bonnie, disse que o corvo já havia saído e Bonnie queria saber como ele entrara. Quem respondera fora o pai de Bonnie, dizendo que Elena não deveria ter deixado a janela aberta com as trancas levantadas.

Mas Elena sabia que ela não deixara a janela aberta, decidindo assim ir para casa, pois não podia ficar ali e pede que a amiga fosse com ela, pois sabia que Bonnie também estava correndo perigo ficando lá. Como os pais de Bonnie acreditaram que as garotas estavam histéricas, decidem leva-las para a casa dos Gilbert. Quando chegaram à casa de Elena, elas ouviram o motor do carro de Matt. Elena ficou ficou eufórica ao ver Stefan. Ao ir ao seu encontro, Stefan lhe entregara ramos de verbenas que ajudaria a garota a não ter pesadelos e a protegeria de Damon.

Elena estava desconfiada de Caroline e de Tyler, por causa do seu diário e percebera que a ex-grande amiga nunca mais aparecera na hora do almoço e lembrara que Stefan dissera a ela que Caroline o abordara quando estava no estúdio de fotografia. Escapuliu das amigas e fora ao loca. Lá, sem ter sido vista, presenciara um diálogo entre Caroline e Tyler. Ela revelara que estava com o diário e os dois planejavam uma coisa diabólica. Queriam ler o diário da garota durante as comemorações do Dia dos Fundadores da cidade. Seria um plano perfeito para Caroline constranger e expor Elena e bem como Stefan. Pois ao ler os trechos do diário de Elena, em que ela dissera que Stefan tinha um segredo, a revelação de que ele guardara a fita que ela perdera no cemitério no dia em que o sem-teto fora atacado, Stefan assim seria acusado dos assassinatos e Tyler se sentiria vingado pela surra que levara do vampiro.

Elena bola um plano para entrar escondido na casa de Caroline com os amigos procurar o diário dela. As amigas procuram o diário no quarto de Caroline mas não encontram. Acham apenas um diário de capa verde que pertence a própria Caroline. Não havia mais tempo. O carro da família da ex-amiga estava chegando. Meredith e Bonnie conseguem fugir, mas Elena não. O que lhe restara fora sair pelas janelas que dava em uma sacada. O lugar era alto demais para que ele pulasse.  Ela quase caíra mas fora salva por alguém: Damon. Ele diz que o seu sobrenome Salvatore significa Salvador. Eles conversam e Damon diz que pode conseguir o que Elena quer, mas propõe que ela seja sua em troca. Elena não aceita e ele a coloca no chão em segurança, indo embora em seguida, transformando-se em corvo.

No dia de Ação de Graças, Elena encontrara Matt no supermercado e o convidara para almoçar com ela, sua tia Judith, seu noivo Roberto e sua irmã mais nova, Margaret. Matt aceita. Para a surpresa total de Elena, ao chegar em casa ela encontra Robert acompanhado por Damon.

Durante a refeição, Elena é ríspida com Damon, o que irrita sua tia e Robert, pois demonstraram cair de amores pelo garoto. Eles inclusive criticam Stefan, que nem estava presente no almoço.

Durante as comemorações de Fundação da cidade, Elena estava uma pilha de nervos e implorara para Stefan ir embora. Mas ele estava tranqüilo. Caroline estava radiante, acreditando que a sua vingança estava tida como certa. Porém para surpresa de Elena, o diário que Caroline tinha em mãos não era o dela e sim o da própria Caroline. Enfim Damon trocara os diários e Elena ficara muito feliz. Fora conversar com ele para entender o porque ele fizera aquilo.

Ao chegar em sua casa, Elena tivera uma discussão terrível com a tia e com Robert. Pois eles não aceitavam o relacionamento dela com Stefan e Elena diz que está noiva do garoto e que pretende se casar com ele. Irritada, ela sai de casa no carro de Matt. E é perseguida por Damon. Stefan sente que ela está em perigo. Vão em seu auxílio e vê o carro de Matt boiando no rio e uma boneca que ele pensou se tratar de Elena. Desesperado, ele se joga na água, mas quando vê a boneca fica desolado e ao mesmo tempo aliviado.

O poder de Stefan estava quase ao fim de tão enfraquecido. Ele então decide beber o sangue de Tyler e seus amigos valentões que queriam bater nele. A regra de Stefan era não matar, mas ele a quebrou. Atacou a todos, sobrando apenas uma pessoa que estava encolhida no canto: Caroline. E ele a poupou.

Com toda raiva acumulada, Stefan partiu com tudo para cima de Damon. O atacara violentamente. Ali perto Elena sentira que alguém precisava de sua ajuda. Reuniu todas as suas forças e saiu andando para ajudar a quem tanto precisava dela.

O que acontecerá a Elena só saberemos no próximo livro da série “Diários do Vampiro”, “A Fúria”. Em breve o resumo estará aqui no blog.

08
jan
10

Série The House Of Night – Marcada

O primeiro livro da série “The House Of Night”, “Marcada”, escrito pela dupla P. C. Cast e Kristin Cast, mãe e filha, é best-seller do New York Times, com mais de três milhões de livros vendidos em todo o mundo.

A história se passa em uma época em que toda a sociedade tem conhecimento da existência de vampiros. Não se pode dizer que tornar-se vampiro seja considero natural ou que haja convivência pacífica entre os humanos e esses seres. Mas, apesar de serem considerados como aberrações, os vampiros são tolerados pela espécie humana. Mas bem ao tipo de ‘ele lá e eu cá’.

Quando analisamos uma história, um livro, não deixamos de notar a existência de elementos presentes em outras obras literárias do mesmo gênero. Ao ler “Marcada” não deixei de notar ou lembrar pontos em comum com diversas outras histórias, como Crepúsculo, Harry Potter, Percy Jackson, Diários de um Vampiro e por aí vai. Mas o que torna um livro marcante talvez seja a existência dos elementos individuais e únicos criados pelo autor e a forma como nos envolvemos com a história. E P. C. Cast e Kristin Cast além de uma boa escrita, envolvente e divertida, com diálogos e situações engraçadas, criaram uma história bem interessante.

Os vampiros, seres que povoam o imaginário da humanidade há centenas de anos, descritos constantemente como seres sedutores, que podem morrer se expostos ao sol, queimados com alho e água benta e podendo ser mortos com estacas de madeira enfiados ao peito, ganharam uma perspectiva diferente na modernidade. Vimos isso recentemente nos sucessos da série “Crepúsculo” da escritora Stephenie Meyer e da série “Diários de um Vampiro” de L. J. Smith. Os vampiros no universo das autoras P. C. Cast e Kristin Cast ganharam também uma nova versão quanto às suas características. Vamos conhecendo o universo criado por elas ao longo da série, pois a história vai se desenrolando conforme os acontecimentos voltados basicamente para uma turma de amigos como ponto central. No entanto, fica claro desde o começo que encontraremos muita magia e bruxaria envolvida ao vampirismo.

Somos apresentados a uma das personagens principais da história: Zoey Montgomery. Uma adolescente de 16 anos que tem como melhor amiga uma garota chamada Kayla e elas estudam juntas na escola. Namora um garoto desde a terceira série chamado Heath. Mas ela não está muito feliz ao lado dele, pois o garoto só pensa em futebol e em beber cerveja.

Em um dia normal após o término da aula, enquanto conversava com Kayla, Zoey nota a presença de um estranho com uma lua crescente azul-safira na sua testa, o que no universo vampiresco chama-se de Marca e caracteriza o ser como um vampiro. O estranho era um rastreador.

Kayla reclama que Zoey não estava prestando atenção ao que ela estava falando, mas Zoey realmente não estava prestando atenção ao que a amiga dizia, pois estava realmente preocupada com o vampiro presente na sua frente. De forma perigosa e sedutora ele falou com ela, anunciando que ela fora escolhida pela noite e que o destino dela era a Morada da Noite.  Apontou o dedo para ela e a testa dela explodiu de dor, ao mesmo tempo em que Kayla soltara um grito.

Ao recobrar a consciência, Zoey notara que Kayla estava olhando para ela horrorizada e ela conta para a amiga que o rastreador a havia marcado, já que ela apresentava o desenho de uma lua crescente na testa. Zoey sente a Marca na testa como se tivesse sido picada por uma abelha, além de muita dor, a ponto de ficar enjoada. Já Kayla estava inconsolável, chorando muito e rejeitando Zoey a cada vez que a garota se aproximava dela para tentar confortá-la. Atitude esta que acaba magoando a recém marcada. Ela se sente confusa e abandonada.

Diante da nova realidade que terá que viver, Zoey começa a questionar se vampiros jogam xadez, se eram nerds, chefes de torcida estilo Barbie, se algum vampiro tinha banda, se eles eram emos esquisitos e questiona a si própria se ela viraria gótica ou emo. Ou seja, ela não faz a menor idéia do que é ser vampira e como eles são. Mas ela não tinha escolha: ou se tornava uma vampira e, sendo assim, um monstro perante a sociedade, ou o seu corpo rejeitaria a transformação e morreria.

A garota só tinha uma certeza: teria que se mudar para a Morada da Noite. Uma espécie de internato no centro de Tulsa. Era conhecido como Escola de Aperfeiçoamento de Vampiros. Lá, ela passaria durante quatro anos por transformações estranhas e mudanças físicas indescritíveis, bem como uma drástica mudança de vida.

Zoey é filha de pais separados (não bem separados, pois o pai dela abandonara a família quando ela era ainda bem pequena) e sua mãe se casara novamente. Tem uma irmã que ela considera uma Barbie e um irmão mais novo que ela considera um ogro e os pais são super conservadores. O sonho da garota é entrar para a Universidade de Oklahoma, no curso de medicina veterinária.

O sentido de família para Zoey ela encontrava nos amigos, já que a sua não era o ideal para ela. Como toda adolescente (da ficção ou da vida real), o que ela mais queria era ser normal, se encaixar, mas após ser marcada ela não consegue mais se imaginar tendo uma vida normal, pelo menos não mais como ela havia imaginado para ela.

Com receio de que todos a olhassem como se ela fosse uma anormal, devido a Marca na testa, Zoey decide permanecer na escola por mais algum tempo, haja vista que o pátio da escola ainda estava cheio. Ao se olhar no espelho do local, ela tem a sensação de que olhava para uma estranha, como se ela não fosse mais ela mesma. Ao perceber que o pátio estava vazio, Zoey decide ir embora, mas quando ela percebe que não estava sozinha, como pensava, já era tarde demais. Quando chegou ao seu fusquinha tranquilamente, eis que surge ao seu lado a picape de Dustin, um dos amigos de Heath. Estavam no carro Heath, Dustin e Drew.

Zoey tentara esconder a Marca com o cabelo, mas foi inútil. Heath a notara e o seu espanto fora enorme, com isso, não aguentou segurar a língua e comentou alto que ela se tornara uma vampira. Mais uma vez Zoey fora rechaçada, desta vez pelos amigos de Heath e novamente ela ficara magoada. No desespero para se afastarem da garota, Dustin arrastara o carro e como Heath estava na caçamba da picape acabou caindo no chão. Zoey preocupada com o estado do namorado foi verificar como ele estava. Os amigos de Heath retornam para resgatá-lo e mandam Zoey ficar longe dele. Resignada, ela vai para casa na esperança de que a sua mãe lhe dê o apoio que ela tanto precisava. Mas não foi isso o que ela encontrou.

Linda, a mãe de Zoey ao ver a Marca na testa da filha entra em desespero e pergunta o que ela aprontara dessa vez, como se fosse culpa da filha ter sido escolhida para se tornar vampira. Não se mostrara compreensiva e ao invés de apoiá-la, procurou refúgio no novo marido, John Heffer, o “padrastotório” como Zoey o chama.

A garota nunca gostou do padrasto. O considerava um fingido que acabou transformando Linda em uma mulher que não se importa nem liga para os filhos. Ao invés de ajudarem a salvar a saúde e a vida da garota, eles acham que a melhor coisa a fazer é chamar um psiquiatra e ativar a corrente telefônica de preces. Como se a fé em Deus e orações fossem fazer com que a Marca sumisse do rosto da garota e a transformação interrompida.

Inconformada por sua família se recusar a lhe levar até a Morada da Noite, ela decide sair de casa escondido, após colocar na mochila pequenas mudas de roupas. Entrou escondido no seu fusquinha e foi para o único local onde gostaria de ir para conversar com a única pessoa que seria capaz de entendê-la: a casa da avó Sylvia Redbird. Zoey estava se sentindo cada vez mais doente e precisava da avó com uma certa rapidez. Em casa Redbird não estava, então a garota começa a procurá-la pelos campos de lavanda que sua avó cultivava. Mas ao invés de encontrar a avó, Zoey começa a ouvir umas vozes e sente que os fantasmas Cherokee estão ao seu redor e eles começam a chamá-la para juntar-se a eles. Desesperada, a garota sai correndo e sobe uma trilha, mas acaba tropeçando, cai e desmaia. Desmaiada, Zoey observa o seu espírito flutuar e vê seu corpo estendido ao chão com sangue na cabeça, com isso, acredita que tenha morrido. No entanto, ouve alguém chamando-a e quando olhou para trás viu uma mulher muito bela sentada de pernas cruzadas em frente a um muro.

A mulher começou a conversar com ela e Zoey quer saber se morreu. A mulher responde que não e explica a garota que ela estava longe de estar morta, apenas seu espírito havia se libertado temporariamente do corpo para perambular pelo reino de Nunne’hi (o povo espírito).

A misteriosa mulher diz que Zoey é uma mistura única das Antigas Sendas e do Novo Mundo – mescla do sangue tribal ancestral e da batida do coração dos intrusos. A garota quer saber quem é a mulher e ela lhe responde que é conhecida por muitos nomes, dentre eles: Mulher Mutável, Gaea, A’akuluujjusi, Kuan Yin, Aranha-Avó e até mesmo Amanhecer. A cada nome que ela pronunciava o seu rosto ia se modificando. Mas, em uma ressalva, diz que Zoey pode chamá-la de Nyx, a Deusa Vampira. Nyx explica a Zoey que a marcou como dela. Zoey será sua primeira u-we-tsi-a-ge-ya  v-hna-i  sv-no-yi – Filha da Noite. Diz que ela é especial e que dentro dela há a combinação de sangue mágico das antigas Sábias e Idosas e a visão e compreensão do mundo moderno. Após a conversa com a Deusa, Nyx beijara a testa da garota e ela desmaiara novamente.

Quando Zoey desperta, vê a sua avó sentada em um banquinho ao lado da sua cama. Redbird então conta que a encontrou desmaiada e inconsciente. Avisa que ligou para a mãe da garota avisando que tinha levado ela para a Morada da Noite e desligara o celular em seguida, para fingir que o celular saíra de área. A garota sabia que sua mãe deveria estar furiosa com as duas.

Zoey questiona porque ela fora marcada e a avó diz que não estava surpresa, pois o sangue Redbird sempre carregou uma magia muito forte, era apenas uma questão de tempo uma delas também ser escolhida.

A Marca de Zoey a partir daquele momento havia se transformado em uma lua cheia, perfeitamente preenchida com o peculiar azul-safira da tatuagem vampírica. A avó dela mostra a ela uma caixinha com um espelho para que ela visse como estava a Marca em sua testa. Ao ver a lua totalmente preenchida ela pergunta o que isso significa.

Alguém com uma voz impressionante responde a garota dizendo que esperava que Zoey tivesse a resposta para a pergunta que ela mesma fizera. Zoey fica encantada ao ver a mulher, achando-a linda e jamais vira alguém mais próximo ao sentido da palavra perfeição. Ela tinha olhos enormes e amendoados de um verde musgo profundo. Seus cabelos eram de um vermelho forte e caíam em pequenas ondas pelos ombros. E seu corpo era perfeito, não era magrela e era forte. Os seus dentes eram alinhados e brancos, sem presas. Ela queria saber se Zoey tinha como explicar porque uma vampira novata que não passara pela Transformação tinha a Marca da maturidade na testa. Completa dizendo que ter a Marca completa sem ter passado pela Transformação, era um excelente presságio. A partir daquele momento a garota percebe que estava na Morada da Noite, mas ela ainda demonstrava estar confusa e preocupada. A avó de Zoey a apresenta a Grande Sacerdotisa da Morada da Noite, Neferet. E diz que ela cuidou da menina enquanto ela estava necessitando de cuidados ao estar desmaiada.

Apesar do sobrenome de Zoey ser Montgomery, Neferet diz a ela que como a vida dela estava recomeçando ela poderia escolher o nome que quisesse. Zoey então optar por passar a se chamar Redbird.

Neferet é o que todos os vampiros são: mais que humanos – mais fortes, mais espertos e mais talentosos. Além de evitarem a luz do sol, sendo mais poderosos à noite, necessitam beber sangue para sobreviver (o que para Zoey, até então era algo nojento) e reverenciavam uma deusa conhecida como a personificação da noite.

Neferet conta para Zoey que os vampiros, até mesmo os novatos têm um poder incomum de recuperação, por isso ela estava sarando tão rápido. Então pergunta se ela não gostaria de conhecer a sua colega de quarto. No fundo ela não queria, pois estava nervosa e completamente angustiada. Mas como a Grande Sacerdotisa era muito simpática e a tratava tão bem, ela decide facilitar as coisas e chegou até mesmo a pensar que a maneira como Neferet demonstrava estar até mesmo feliz por Zoey estar lá, transformar-se em vampira não deveria ser assim tão ruim.

A admiração de Zoey por Neferet se consolidou quando ela encostou na avó da menina, Sylvia Redbird, e lhe jurou solenemente que a garota estaria em segurança na Morada da Noite, pois todos os novatos têm um mentor adulto e ela, para provar a sua promessa, se tornaria a mentora de Zoey. A garota ficou tão maravilhada que refletiu que se um dia conseguisse se transformar em vampira, se ela teria a força de Neferet ou se isso era algo que apenas a Grande Sacerdotisa tinha.

Neferet explica a rotina da Morada da Noite para Zoey e informa que as aulas começam às oito da noite e terminam às três da manhã, os professores estão disponíveis até às três e meia da manhã para ajudas extras aos alunos. Informou também que a academia de ginástica ficava aberta até o amanhecer, mas a hora exata ela saberá assim que completar a Transformação. Além disso, o Templo de Nyx ficava aberto o tempo todo, mas os rituais formais aconteciam duas vezes por semana, logo depois da escola.

Enquanto elas conversavam no corredor, Zoey se assustara com um gato bem grande de pelo alaranjado subira de um salto no colo de Neferet, era Skylar, o gato terrivelmente briguento da Grande Sacerdotisa. Com exceção de Neferet, Skylar não costumava gostar de ninguém e sempre mordia as pessoas, mas surpreendentemente ele demonstrara ter gostado de Zoey.

Na história de P. C. Cast e Kristin Cast, os gatos sempre estiveram intimamente ligados aos vampiros, por isso havia tantos na Morada da Noite. Eles escolhiam os seres humanos e eram os seus donos, não o contrário.

Toda Grande Sacerdotisa recebe da Deus uma afinidade – ou poderes especiais, como alguns denominavam. As afinidades podem ser dons cognitivos raros, como ler mentes ou ter visões e conseguir prever o futuro. Ou a afinidade pode ser por algo no plano físico, como uma conexão especial com um dos quatro elementos, ou com animais. Neferet recebera dois dons da Deusa: a afinidade grande com os gatos e o poder da cura.

Algumas das características dos vampiros das autoras são sempre saber que horas são e eles não explodem em contato com o sol, apenas lhes é desconfortável estar à luz do dia, mas não lhes é fatal. Isso Neferet pontua para Zoey, mas a conversa entre elas teve que ser interrompida, pois a Grande Sacerdotisa recebera uma ligação informando que uma novata havia quebrado a perna e ela precisaria ir ao encontro da estudante.

Sozinha, Zoey caminha lentamente pelo corredor e sentiu um pouco de medo. Então ouviu uma risada suave de garota, mas por alguma razão que ela não conhecia, fez os cabelos da sua nuca se arrepiarem e isso a fez parar de caminhar. Deu uma olhada para o fundo do corredor e teve a impressão de ver algum movimento nas sombras. Zoey ouve alguém chamando seu nome, mas acabou ficando na dúvida se ouvira alguém chamando-a mesmo ou se estava imaginando coisas. No entanto, a voz parecia familiar. E continuou andando pelo corredor. Ao dobra uma curva viu algo que a fez parar automaticamente e ela se aproximou da parede. Em um canto não muito longe dela havia duas pessoas. A princípio ela não entendeu o que viu, mas após processar ela entendeu a cena que passava por seus olhos. Ela sentia que devia sair dali, ir embora naquele momento, recuar em silêncio e tentar não pensar no que vira. Mas ela estava fascinada, parada, olhando.

Um adolescente, talvez um ano mais velho que ela, estava encostado à pedra do canto. Estava com a cabeça jogada para trás e ofegante. Dava para notar que ele era bonito. A risadinha feminina fez ela olhar para baixo e havia uma garota ajoelhada em frente a ele. Zoey só conseguia ver o cabelo louro da garota. A mente dela mandara que ela fosse embora e quando estava prestes a fazer isso, ouviu alguém gritar: “Pare!”. Zoey, por um momento achou que fosse com ela, mas na verdade, o garoto estava mandando a outra garota parar. A menina que estava ajoelhada falava com o garoto como se estivesse em desespero, então cravou as unhas na coxa do garoto e quando Zoey viu sangue sua boca salivou e a garota lambeu o traço de sangue que escorria no corpo do menino. Zoey presencia o garoto dando o fora na menina, mas ela não desiste. Então neste momento, Zoey percebe claramente que não deveria estar ali vendo aquilo, aquele momento.

Quando ela estava indo embora o garoto levantou os olhos. Ele tinha visto Zoey. E ela, por outro lado, não conseguia tirar os olhos do menino. Quando ela deu as costas e estava indo embora, ele gritou: “Não!”. Neste momento ela sabia que ele estava falando com ela e a outra garota também percebera que havia mais alguém ali e soltou um berro. O corpo de Zoey congelara e, com isso, ela saíra disparada correndo pelo corredor.

Zoey sabia o que era sexo oral, sabia também que muitos meninos consideravam legal fazer isso, mas na opinião dela eles estavam enganados, pois não é legal ser usada assim. Ela sabia o que era, mas nunca havia presenciado o ato e, com isso, acabara ficando histérica, mais pelo jeito que ela reagiu ao ver o sangue do que pelo ato em si. Pois ela também sentira vontade de beber o sangue, mas, para ela, não era normal.

Zoey tinha medo de conhecer a sua colega de quarto e ficara encantada ao ver no pátio adolescentes usando uniformes que pareciam legais e únicos, mesmo sendo semelhantes. Assim como ficou deslumbrada com a escola, para ela, o local parecia mais um castelo do que uma escola. Zoey notara também que todos tinham tatuagens de vampiro mais densas eram incrivelmente bonitos. Os vampiros eram atraentes. Os atores e atrizes mais bem-sucedidos do mundo eram vampiros. Também eram dançarinos e músicos, escritores e cantores. Os vampiros dominavam as artes, uma das razões pelas quais tinham tanto dinheiro. Zoey percebera que todos os estudantes tinham cabelos compridos, tanto os homens como as mulheres. Bem como os adultos, os professores e ela achou isso bem esquisito.

Ao caminhar pela escola com Neferet até o dormitório Zoey se sentia uma anomalia desde que fora Marcada, pois tanto os humanos que a viram no momento que fora Marcada a olhavam com repulsa quanto os próprios vampiros, adultos ou jovens, olhavam com a mesma curiosidade para a Marca dela. Ela tinha uma idéia de que o local era escuro e sinistro, mas se surpreendeu que não era nada disso. Era legal, decorado em tom azul suave e amarelo antigo, com sofás confortáveis e montes de gordas almofadas espalhadas por todo o recinto. O lugar, para ela, parecia um castelo de princesa.

As garotas do dormitório quando Zoey entrara, não deixaram de notar a Marca na testa dela. Uma dessas garotas se levantara e a cumprimentara, se apresentando como Aphrodite. Zoey a acha muito bonita, mas a compara a atriz Sarah Jessica Parker, que por sinal, ela não gosta e a acha irritante e falsamente animada. Ela se oferece para mostrar o quarto a recém chegada, o que fez com que Neferet hesitasse por alguns segundo e Zoey achou isso bem estranho, mas a Grande Sacerdotisa decide deixar Aphrodite conduzir Zoey e agradece ao ato simpático da garota e lhe comunica que é mentora de Zoey. Esta percebe algo estranho no olhar da garota e achou ter sido raiva, mas preferiu acreditar que era imaginação dela. Aphrodite dá uma risada e Zoey ao ouvir o sorriso da garota reconhece o som daquela cena que ela presenciara mais cedo no corredor e sente aquilo como um soco no estômago.

Elas seguem em um silêncio incômodo e Zoey tenta quebrar o silêncio elogiando o lugar. Aphrodite em uma demonstração claramente nascisista diz que o local é maravilhoso por causa dela, que o lugar era demais porque ela era demais. Zoey achou a princípio que ela estava de onda, mas pelos frios olhos azuis da menina, ela percebeu que não era brincadeira. O resto do caminho elas seguiram em silêncio, até que pararam em frente a uma porta dor púrpura e Aphrodite disse a Zoey que gostaria de deixar as regras bem claras: quem manda e dá as cartas na Morada da Noite é ela. As coisas são do jeito dela e se Zoey quisesse se dar bem ali seria melhor não se esquecer disso. Para completar finaliza ameaçando a garota: se Zoey não agisse conforme as regras impostas por ela, a vida dela iria virar um inferno. Isso tudo fora uma demonstração clara de inveja porque todos na escola só falavam sobre a Marca de Zoey e se perguntavam se ela era especial e tinha poderes fabulosos. Zoey, por outro lado, deixou claro para Aphrodite que tinha acabado de chegar ao local e não queria criar confusão, mas ela não podia fazer nada se as pessoas estavam falando da marca dela.

Quando a nova colega de quarto de Zoey, Stieve Rae Johnson, a viu deu-lhe um largo sorriso. Era loura como Aphrodite, mas quando viu que Zoey estava acompanhada de Aphrodite o seu sorriso imediatamente se desfez. Rapidamente Zoey percebe que pelo sotaque e pelo estilo de vaqueira da garota ela era uma Okie (termo pejorativo para pessoas naturais de Oklahoma). Ela conta para a recém chegada que passou a primeira noite dela no local chorando e ficara muito feliz quando soube que ganharia uma colega de quarto, já que estava no local há três meses sem companhia no quarto.

Zoey reflete se antes de ser marcada ela já havia visto um jovem humano andando com um vampiro, se já havia visto algum vampiro no cinema e a resposta fora não para as duas perguntas. Então quer saber de Stieve Rae se eles tinham que ficar quatro anos trancados na escola. Ela responde que não, mas que havia regras para seguir quando eles saíssem da escola e que uma vez lá fora eles não podiam usar nenhuma peça do uniforme escolar.

Os terceiros-formandos, quartos-formandos, quintos-formandos e sextos-formandos tinham um símbolo. Tanto Zoey quanto Stieve Rae eram alunas da turma dos terceiros-formandos e tinham como símbolo o labirinto de prata da deusa Nyx, que representa o novo começo dos iniciados na caminhada pela Senda da Noite e o aprendizado dos caminhos da Deusa e das possibilidades da nova vida.

Os quartos-formandos usam as asas de Eros, que é filho da semente de Nyx e o Deus do Amor. Eles deveriam sempre lembrar da capacidade de Nyx de amar, e as asas, o contínuo movimento adiante.

Os quintos-formandos tem como símbolo a carruagem dourada de Nyx deixando um rastro de estrelas. A carruagem mostra que continuaram na jornada de Nyx e as estrelas representam a magia dos dois anos que já se passaram.

Os sextos-formandos usam o emblema das Moiras, como Átropos segurando a tesoura para simbolizar o fim dos estudos.

Stieve Rae comenta que Zoey é muito sortuda por ter Neferet como mentora, pois ela raramente aceita novatos, além de ser a Grande Sacerdotisa e a professora mais legal de lá. Zoey está curiosa para saber porque a nova amiga não perguntou nada a respeito da sua Marca. Ela responde que por ela ter crescido em uma cidadezinha, aprendeu desde cedo que  para se manter os amigos, é melhor não se meter na vida deles. E como ela gostaria que Zoey se tornasse sua amiga e sabendo que elas dividiriam o quarto por quatro anos ela sabia que com o tempo Zoey falaria em algum momento sobre a sua marca.

Elas saem do quarto em direção ao salão de jantar que era quentinho e agradável e quando entraram já havia alguns estudantes que prontamente lançaram olhares curiosos para as duas meninas e, obviamente, para a Marca na testa de Zoey. Esta estava apreensiva se teria que degustar sangue, mas a sua colega de quarto a tranqüiliza dizendo que ela não precisa se preocupar, pois a comida era muito boa e ela não seria obrigada a beber sangue ou comer carne crua.

De volta à mesa com suas refeições, Stieve Rae apresentou a recém chegada para as pessoas que estavam sentadas à mesa. Erin Bates: uma loura linda, engraçada, esperta e que tinha mais sapatos do que qualquer pessoa que alguém possa imaginar. Shaunee Cole: tinha cor de cappuccino e parecia uma princesa africana. É colega de quarto de Erin e as duas andavam grudadas e eram chamadas de gêmeas, apesar de estar claro que elas não eram parentes e não terem qualquer relação de sangue, elas eram de uma semelhança muito doida. É como se tivessem sido separadas no nascimento ou coisa assim. Até na forma de se vestir elas eram parecidas e tinham o mesmo número no pé para os calçados. O gato Belzebu pertence às duas, ele as escolhera ao mesmo tempo. Damien Maslin: o único cara do grupo delas. Gay e lindo, com a pele linda sem espinhas. Mesmo sendo gay não era o tipo bichinha, apenas um garoto bonitinho com um sorriso simpático. Ele gosta de falar difícil e sente vontade de vomitar quando olha para Aphrodite e suas soberbas aduladoras, as chamadas Filhas das Trevas, um clube de garotas. Ele também tinha um gato: Cameron.

O grupo vê as Filhas das Trevas como um grupo de idiotas metidas que gostam de exercer poder sobre todo mundo. Elas querem que todos as sigam e concordem com suas idéias malucas sobre o significado de se tornar vampiro, o que incluía o ódio pelos seres humanos. Enquanto eles conversavam na mesa de refeições, Zoey escuta alguém cumprimentá-la. Pela voz, ela não tinha como se confundir e sabia que se tratava de Aphrodite. Ela convida Zoey para fazer parte das Filhas das Trevas no ritual particular delas da Lua Cheia que aconteceria na noite seguinte. Ela salienta que não é comum alguém que está lá há tão pouco tempo ser convidada para tomar parte de um ritual, mas a Marca de Zoey mostrara claramente que ela é bem diferente das novatas comuns. Comenta que inclusive já havia falado com Nefert e ela também achara que seria bom para Zoey se juntar a elas. Comunica que depois dará a ela maiores detalhes quando ela não estivesse ocupada com lixo (se referindo aos novos amigos de Zoey).

Eles aconselham Zoey a tomar cuidado com As Filhas das Trevas, especialmente Aphrodite, pois elas podem parecer legais de vez em quando e isso só as torna mais perigosas. Zoey não quer ir, mas como Neferet dera permissão, isso significava que ela esperava que Zoey fosse, além do que ela não deveria dizer não à sua mentora.

Stieve Rae conta para Zoey um pouco sobre as características dos membros do grupo ao qual ela fazia parte. Diz que Shaunee e Erin são muito legais, ótimas, brigam muito mas são totalmente leais e jamais deixariam ninguém falar mal de qualquer amigo delas. Em relação a Damien ela diz que ele é um doce e muito esperto. No entanto, ela às vezes sente-se mal por ele, pois ele tinha um colega de quarto, Thor, mas assim que ele descobriu que Damien era gay ele reclamou com Neferet e disse que não ia dividir quarto com uma bicha. Porém Neferet disse para Thor que ele estava totalmente por fora e deu a Damien a possibilidade de escolher mudar de quarto ou continuar com Thor no quarto que eles dividiam, mas Damien optou por mudar de quarto e hoje está sozinho. Comenta que na Morada da Noite existe umas garotas que são lésbicas e totalmente assumidas e que apesar de duas delas serem legais e andarem com todo mundo, a maioria delas se isola umas com as outras. Diz que elas são muito voltadas para o aspecto religioso da devoção à Deusa e passam a maior parte do tempo no Templo de Nyx. No entanto critica algumas delas são umas festeiras retardadas que acham legal ficar se pegando umas com as outras, mas só se tiver uns garotos bonitinhos olhando. Em relação aos garotos gays, ela comenta que existiam alguns, mas eram muito esquisitos e afeminados. Por isso ela lamenta por Damien, pois acha que ele fica muito sozinho, haja vista que os pais dele não escrevem para ele e não mantém qualquer tipo de contato, pois não sabem o que fazer com um filho gay.

Zoey descobre através da sua colega de quarto que os vamps são muito ligados em comida saudável, pelo menos a preocupação maior se dá com os novatos, pois ela já vira vamps gordos por aí. Quando adulto, eles comem muita carne vermelha e mal-passada, assim como fazem com que os novatos façam exercícios todo dia, com o objetivo de que os corpos deles fiquem o mais forte possível, porque enfraquecer, engordar ou adoecer são os primeiros sinais de que o corpo está rejeitando a Transformação e a pessoa morre. Zoey descobre também que após os vampiros passarem pela Transformação, o cabelo deles cresce absurdamente rápido e as unhas também.

Após um dia bastante agitado e com tantos acontecimentos para um primeiro dia na nova vida, Zoey conseguira dormir e sonhou com gatos. Uma gatinha de pelo malhado e alaranjado, de patinhas minúsculas e uma pança com uma bolsa meio marsupial. Ela estava gritando com Zoey com uma voz de velha e questionando porque Zoey havia demorado tanto a chegar.

Zoey teria aulas de Sociologia Vampírica, Teatro, Literatura, Esgrima, Espanhol e Introdução à Equitação. Nas aulas de esgrima, os alunos terceiros-formandos às vezes tinham aulas com alguns alunos quintos-formandos, o que geraria contato com garotos muito bonitos. Diante da nova grade de matérias que teria de cursar na sua nova escola e nova vida, ela se deu conta de que teria que pensar na profissão que gostaria de seguir, e ainda achava que queria mesmo ser veterinária.

As novas colegas de quarto, Zoey e Stieve Rae, acordaram famintas e foram tomar café . Lá Aphrodite se encontra com Zoey e a avisa que o Ritual de Lua Cheia das Filhas das Trevas começaria às quatro da manhã, logo após o ritual da escola. Comunica também que, com isso, ela perderia o jantar, mas que ela não precisaria se preocupar, pois elas serviriam comida durante o evento. Combina com Zoey delas se encontrarem em frente ao Templo de Nyx, para que elas pudessem ir juntas. Mas Zoey explica que pode ir com Stieve Rae, já que ela sabia o caminho. Então elas se separam e vão para as suas aulas.

A primeira aula de Zoey fora de Sociologia com a sua mentora e professora Neferet. Damien estava na mesma turma dela e explicou para ela que os armários dos alunos ficavam no fundo da sala e não havia trancas como nos colégios normais pois ninguém se atreveria a roubar algo de ninguém, pois os vamps saberiam. E comenta que não gosta nem de pensar o que aconteceria com quem fosse idiota o bastante para fazer isso.

O jeito de cumprimento feito na Morada da Noite, uma reverência com o punho sobre o coração e o aperto de mão, segurando os antebraços veio da tradição das antigas guerreiras vampiras conhecidas como amazonas. A sociedade vampiresca é matriarcal, o que significa que elas optaram por serem suas próprias guerreiras e protetoras (as amazonas) e, com isso, passava uma ideia errada aos humanos, de que elas detestavam os homens. Mas isso não é verdade, já que elas respeitam e gostam dos Filhos da Noite e consideram eles os protetores e consorte delas.

Em seguida a aula de Zoey seria de Teatro com a professora Nolan. A garota teve a impressão de que ela não emanava poder como Neferet, mas emanava energia e tinha um corpo atlético. Elizabeth, uma garota que pareceu a Zoey ser bastante inteligente e simpática durante a aula de Sociologia também estava na turma dela de Teatro. O choque de uma grande surpresa misturado com uma incrível atração aconteceu a Zoey durante a nova aula. A professora Nolan estava trabalhando interpretação de monólogo, e para fazer uma demonstração convidou o aluno de um grau mais avançado para demonstrar. Zoey viu um rapaz que ela achou simplesmente lindo, o mais bonito que ela já vira na vida. Mas seu coração deu um pulo ao reconhecê-lo como o rapaz do corredor. Era Erik Night, um dos quintos-formandos. Alto de olhos azuis e cabelos ondulados castanhos. Além de ter uma brilhante atuação nas interpretações de monólogos no teatro. Zoey nota que ele olhava diretamente para ela durante a sua atuação e quando ele estava indo embora olhou para ela novamente e sorriu. Mas Erik não estava sendo observado apenas por Zoey, Elizabeth, quando ele sai da sala, comenta com Zoey como ele era gostoso. É neste momento que ela se apresenta para a recém-chegada como Elizabeth Sem Sobrenome, pois ela não havia ainda escolhido um sobrenome para usar desde a sua chegada à Morada. Elizabeth chama a atenção de Zoey dizendo que Erik estava olhando para Zoey, que desconversa e diz que ele estava olhando para todo mundo. Mas no fundo ela sabia que ele estava de fato com os olhos fixos nela, só não imaginava a razão. Desconfiava que ele sabia que era ela que estava no corredor olhando para ele e Aphrodite e gostaria de saber que tipo de interesse ele estava demonstrando por ela.

A aula seguinte era de Literatura e para sua surpresa ficou feliz em descobrir que teria como colegas de turma Damien e Stieve Rae que a encheu de perguntas querendo saber como havia sido a aula de teatro, se ela tinha gostado e como era a aula com a professora Nolan. Zoey diz que estava distraída na aula e os dois ficaram bem curiosos querendo saber o motivo da distração de Zoey que respondera com duas palavras: Erik Night. O que provocou reações engraçadas tanto em Damien que fingiu desmaiar, enquanto Stieve Rae ficara boquiaberta. Mas antes que Zoey pudesse explicar melhor a sirene tocou e a professora Penthesilea entrara na sala. A professora tinha cabelos louros avermelhados muito longos e o corpo curvilíneo que devia deixar todos os caras babando. Ela notara que todas as professoras utilizavam uma imagem da Deusa no bolso superior da blusa que usavam. A professora Penthesilea contou para a turma que nasceu em Abril de 1902, o que deixou não apenas Zoey, mas toda a turma, de boquiaberta, já que ela não aparentava nem ter 30 anos.

Zoey ficara encantada com a aula de Literatura e estava feliz na nova escola. Sua turma de literatura era composta por 15 alunos e todos também pareciam estar gostando, exceto um garoto que estava sentado perto do fundo da sala que não estava prestando atenção, estava com a cabeça sobre os braços, dormindo profundamente. Zoey ficou imaginando o que a professora faria com o garoto, mas ela não aprecia ter notado. No entanto, quando a aula acabou, ela chamou Elliott e lhe deu uma boa dose de verdade. Diz que ele não está apenas se saindo mal em literatura, mas também na vida e que os vampiros homens são fortes, honrados e únicos. Foram guerreiros e protetores por incontáveis gerações e pergunta a ele como ele esperava se transformar em um guerreiro se ele não tinha disciplina nem para ficar acordado durante a aula. E como resposta, ele dá de ombro.

Na Morada da Noite, ao lado dos novos amigos, Zoey se sentia como se estivesse em casa, como se fizesse parte daquilo. Ao término da aula de literatura, era a vez da aula de esgrima. O que para ela foi uma surpresa muito legal. As aulas eram em uma sala enorme que parecia um estúdio de dança com direito a espelhos do piso ao teto. O professor se chamava Lankford, muitos o chamavam de Dragon Lankford ou simplesmente Dragon. Ele é o primeiro vampiro homem adulto que Zoey via de perto. Um vampiro baixinho de cabelos longos e alourados e com um sorriso simpático no seu rosto bonitinho. Todo o seu poder ficara em evidência quando ele segurava um florete, movendo-se com rapidez e graça.

Durante o almoço, Zoey conversou com os amigos sobre Erik Night e todos disseram que ela não deveria deixar de falar com o garoto quando surgisse a oportunidade e que Aphrodite iria ficar louca de ódio se visse os dois conversando, pois eles andaram saindo juntos, até ele dar o fora nela. Todos achavam Erik o garoto mais lindo de toda Morada da Noite e acreditavam que o interesse dele em Zoey não deveria ser apenas por causa da sua Marca, afinal ela era bem bonitinha.

Após o almoço, zoey teve aula de equitação. A professora é Lenobia, dona de olhos azuis acinzentados e cabelos tão louros que chegava quase a ser branco. O seu corpo era pequenininho e ensinou a primeira lição a turma: limpar as baias dos cavalos e éguas, retirando o estrume em carrinhos de mão. Zoey não achava um trabalho ruim, pois a sua avó já tivera um cavalo, Pernalonga, e a garota costumava cuidar dele. Inclusive tinha aprendido com a avó que se pode cavalgar em um cavalo quando se limpa a sujeira dele. Ela pensava isso enquanto ia exercendo os seus trabalhos, sem se dar conta de que Lenobia a observava. Após perceber, recebe elogios da professora que lhe oferece como bônus o direito de escovar a égua Persephone, a dona da baia que Zoey limpara. Ela adorou a sensação calma e tranqüila de cuidar de um cavalo novamente, a ponto de quase perder a hora no Ritual da Lua Cheia.

Mais uma vez ela notara o garoto irritante, Elliott, na sua turma e como ele tinha o poder de tirar qualquer pessoa do sério, incluído, logicamente, os professores.

Zoey vai com Stieve Rae para o Templo de Nyx, para o Ritual e estava visivelmente nervosa e tensa por não saber o que esperar do evento. Stieve Rae tente acalmá-la e tranqüilizá-la dizendo que ela iria gostar. E a garota tinha razão. Ela gostara tanto das emoções que sentira durante o Ritual que não saberia nem como explicar tudo o que pensou e sentiu para ninguém, nem mesmo para ela mesma.

Após a conclusão do Ritual, os amigos de Zoey dirigiram-se ao refeitório, já que estavam famintos. Mas ela não podia ir com eles, já que teria de ir ao ritual de Aphrodite e estava apreensiva sobre o que seria oferecido para ela comer, nem queria pensar em ter de comer carne crua, chegava a ficar enjoada só de pensar nisso.

Quando chegou ao Templo de Nyx, quem a recebera fora Erik, o que a deixou bem surpresa e nervosa. Em seguida, apareceu Aphrodite que dispensou Erik que ao sair deu um sorrisinho para Zoey. Ela não resistiu e ficou olhando para ele enquanto ele se afastava. Aphrodite manda Zoey se apressar para trocar de roupa, pois ela não poderia participar do ritual como estava vestida e lhe deu um vestido preto que ela trocou no banheiro.

As duas fiéis escudeiras de Aphrodite, Enyo (mais conhecida como Belicosa, pois este é o significado do nome), uma loura alta e Deino (mais conhecida como Terrível), uma mestiça bela, se apresentaram para Zoey e foram muito simpáticas, o que deixara a garota com uma pulga atrás da orelha.

O Ritual estava começando e incensos foram acesos. Zoey esperava que fossem emitir um cheiro doce, mas quando ela inalou a fumaça, surpreendeu-se com o toque amargo e reconhecia o cheiro de algum lugar, só não sabia de onde, mas em pouco tempo o reconheceu. Era maconha. Zoey não queria acreditar que eles estavam queimando maconha no lugar. No entanto, a sua atenção para os cheiros foi distraída para uma música perturbadora que havia começado a tocar. Viu que Aphrodite começou a dançar em direção ao círculo. Como todo mundo estava, naturalmente, olhando para a garota, ela começou a olhar para Erik, mas, surpresa, percebeu que ele também olhava para ela.

Durante o Ritual, uma taça de vinho circulou entre os presentes para que bebericassem. Zoey deu um bom gole e sentiu que era vinho, mas não tinha o gosto do vinho do ritual anterior. Este também era doce, mas havia um gosto diferente de qualquer coisa que já tivesse provado antes e a bebida provocara uma explosão de sabor em sua boca que foi descendo pela garganta, quente e agridoce, enchendo-a com um desejo vertiginoso de beber mais e mais e mais. Perto do fim do ritual, Zoey ainda sentia o gosto do vinho na boca, o que era muito estranho, pois ela não apreciava o gosto de vinha, mas esse era realmente muito gostoso. E ela não entendia porque gostara tanto.

Quando as luzes começaram a ser ligadas, Zoey olhou para o outro lado do círculo e um movimento na mesa chamou a atenção dela. Havia uma pessoa que passara o ritual inteiro caída e imóvel estava enfim se mexendo. O capuz do manto preto caiu para trás e Zoey ficou chocada ao notar o cabelo vermelho alaranjado, espesso e sardenta demais. Era o irritante do Elliott e ela achou muito estranho ele estar ali, afinal o que os Filhos e Filhas das Trevas poderiam querer com ele? Ela notou que ele tinha ataduras brancas ao redor dos pulsos.

Interessada em saber qual era a Elliott ali, Zoey fora em direção a Enyo e Deino e pergunta o que ele estava fazendo ali e elas respondem que ele era apenas a “geladeira” do ritual. Ou seja, era o lanche e isso significava um terrível desprezo que elas sentiam por ele e por qualquer outro que servisse de geladeira para os rituais. O estômago dela estava prestes a virar do avesso ao descobrir que no vinho fora misturado um pouco do sangue de Elliott e o pior, ela demonstrou claramente que havia gostado. Se sentia uma aberração e quando saiu do Templo de Nyx quase desmaiara de tanto vomitar.

Após se restabelecer ela encostou-se em uma árvore e concentrou-se para não voltar a ficar enjoada. Não conseguia acreditar no que tinha feito. De repente ouvira um miado, mas não era um miado de um gato normal, era uma reclamação zangada. Levantou os olhos e viu uma gata pequena alaranjada que olhava para ela e parecia decepcionada. Zoey começa a chamar a gatinha e ela vai devagar em direção a garota. Sem entender muito bem porque, mas Zoey achava a gatinha familiar e quando ela tocou na gata elas ficaram se olhando por um bom tempo e descobriu que ela lhe era familiar porque era a gata que estava no seu sonho, sendo, portanto, a gata dela. A garota pegou a gatinha no colo e ficou acariciando a sua cabeça e lhe deu o nome de Nala.

Ela estava conversando com Nala quando sentiu um cheiro seco e velho, não era um cheiro bom, mas também não era tão ruim que lhe desse vontade de vomitar. Foi aí que ela se virou e viu uma garota parada. A princípio, Zoey achou que fosse uma das detestáveis Filhas das Trevas que a havia seguido. Mas a menina que estava sentada ao muro parece ter lido os pensamentos de Zoey e olhara para ela. Zoey ficara arrepiada pois notara que se tratava de Elizabeth, a garota que não tinha sobrenome e que morrera há pouco tempo, após seu corpo rejeitar a Transformação. Elizabeth ao ver Zoey, deu um grito esquisito e desapareceu com uma grande velocidade. A garota ouve alguém chamá-la e, com o susto, quase caiu do muro e Nala tomara um susto, pulando com agilidade do seu colo para o chão.

Zoey então resolve responder ao chamado, perguntando quem é. Reconheceu a voz de Kayla e também Heath. Ele avisa a garota que eles foram lá para buscá-la. Após passar uns poucos momentos ao lado de Kayla e Heath, Zoey percebe como aquela que ela sempre chamara de melhor amiga, demonstrava claramente estar interessada no seu ex-namorado. Pelo hálito deles, Zoey percebera que eles haviam tanto bebido quanto fumado maconha.

Zoey olha para Kayla com outros olhos, de uma outra forma e enxerga atitudes e comportamentos que jamais notara. Compara Kayla com Stevie Rae que ela conhecera a tão pouco tempo e conclui que a sua colega de quarto jamais daria em cima do namorado dela e também não fugiria dela e a trataria como um monstro quando mais precisava dela. Ela manda que os dois fossem embora e não voltar mais. Kayla acha isso ótimo, mas Heath diz que não iria embora enquanto não levasse Zoey embora com eles.

Ele vai em direção a Zoey e a beija, mas ela o rejeita e na segunda vez em que ele tentara beijá-la, ela percebe as veias dele pulsando no pescoço e em um frenesi acaba arranhando o garoto. Ao sangrar no pulso e nos lábios, Zoey ficara enlouquecida ao sentir o cheiro do sangue dele e estava sentindo uma vontade incontrolável de provar do seu sangue. Lambeu os lábios dele para sentir o gosto do sangue e ela sentiu como se uma explosão de calor e prazer tomasse conta do seu corpo, como nunca sentira na vida. Heath então levanta o pulso e o oferece a ela que quando lambeu fez o garoto gemer. A língua dela provocou algo na ferida dele, pois aumentou ainda mais o fluxo de sangue que saia do pulso dele.

Kayla quando viu a cena, gritou e perguntou o que Zoey estava fazendo com Heath e mandou que Zoey se afastasse dele. A garota mandou novamente que eles fossem embora. Kayla vai embora, mas o garoto se recusa a ir e, como um mantra, diz a Zoey que ainda a amava. Ela, irritada, grita com ele que acaba concordando, diz que vai embora mas que não iria ficar longe. Quando ele vai embora, Zoey começa a chorar e é confortada por Nala.

Erik Night que presenciara toda a cena, aparece e oferece a Zoey lenços de papel. Pergunta se pode sentar-se ao lado dela e pergunta como ela estava. Então o momento das revelações acontece. Zoey confessa que estava no corredor e presenciara o que aconteceu entre ele e Aphrodite. Ele retruca dizendo que já sabia e que lamenta ela ter presenciado a cena, pois ele não estava mais ficando com Aphrodite e não queria que ela pensasse e fizesse uma idéia errada dele.

Erik demonstrou estar com raiva por ter constatado que Zoey não sabia que Aphrodite misturara sangue ao vinho e ele lhe disse que pedira a garota que lhe contasse. Zoey conversa com ele sobre o fato dela ter gostado do gosto de sangue e ele diz que essa sede de sangue não deveria estar acontecendo com ela agora, pelo menos não antes do sexto-ano e com a Transformação praticamente completa. Às vezes isso acontece com um aluno precoce no quinto ano, mas não é muito comum. O que se constata facilmente que ela é diferente, haja vista que ela tem uma Marca e comportamento diferente, mas Zoey não queria ser diferente. Ele a aconselha que converse com a sua mentora, Neferet. Ele revela as suas experiências durante o primeiro Ritual das Filhas da Treva, quando ele era um terceiro-formando e ao tentar provar o vinho com sangue, vomitou tudo na mesma hora, achou a coisa mais nojenta do mundo. Mas isso só fez Zoey se sentir ainda pior. Para ela, foi a coisa mais deliciosa que ela já havia provado, até mesmo só perdendo para o sangue fresco que ela provou depois do ritual. Percebendo a expressão da garota, ele diz para ela não ficar constrangida, pois isso é normal, mas Zoey não pensava assim, para ela isso não era normal.

Zoey pergunta o Erik estava fazendo ali e ele confessa que a seguiu, pois imaginara que ela talvez estivesse precisando de um amigo após descobrir que havia sangue no vinho que ela tomar sem saber. Ela então diz que eles estavam quites, já que no primeiro dia ela presenciara uma cena entre ela e Aphrodite, assim como ele havia presenciado a cena dela com Heath. Por falar no ex-namorado de Zoey, Erik comenta que achou o comportamento dele estranho, parecendo que estava em transe e Zoey diz que sentiu algo estranho por Heath depois que ouviu o sangue dele pulsando nas veias do pescoço. Erick revela a Zoey que apenas vampiros adultos conseguiam ouvir isso e a acompanha até o dormitório, pois o dia já estava começando a amanhecer.

Erik revela no caminho que é proibido aos novatos beber sangue humano, porém dos novatos era permitido, com consentimento, além do fato de os novatos se curarem facilmente e rapidamente, desta forma, não havia chance de ninguém se ferir de verdade. Explica ainda para Zoey que se um vampiro adulto se alimentar de sangue de um humano vivo, um laço muito forte se forma e que esse laço, muitas vezes, não é da parte do vamp, mas sim dos humanos, deixando-os facilmente apaixonados. E isso é perigoso para os humanos.

Na porta do dormitório feminino, Erik chamou Zoey e lhe disse que não era para ela devolver a Aphrodite o vestido que ela lhe dera, pois ela formalmente dera a Zoey uma posição entre as Filhas das Trevas e a tradição mandava que a Grande Sacerdotisa em treinamento dê um presente ao novo membro em sua primeira noite. E, assim, mesmo que ela não queira entrar para o grupo, tinha direito ao vestido. Então pegou o pulso dela, traçou com o dedo a veia próxima à superfície, se curvou, mordeu de leve e depois beijou suavemente. Todo o corpo da garota tremeu e oferece o seu sangue para sempre que ela quiser resolver o problema da sua sede.

Ao chegar ao quarto Stieve Rae quis saber tudo. Zoey contou aquilo que achava conveniente e enquanto conversavam, elas comentaram sobre as seguidoras de Aphrodite que se consideravam intocáveis, porque Aphrodite seria a próxima Grande Sacerdotisa. Mas Zoey não acreditava que Nyx deixaria isso acontecer. E Stieve Rae diz que Aphrodite tinha visões que eram muito precisas, como tragédias que aconteceriam no futuro. Porém só revelava o que era do interesse dela e guardava boa parte das visões para ela. Assim como Neferet está sendo mentora de Zoey, ela também fora de Aphrodite, mas a Grande Sacerdotisa nunca soube de fato como era a garota, pois ela se comportava muito bem e de forma diferente quando estava em frente à professora.

Zoey pensa como as coisas seriam diferentes se uma novata mais poderosa tomasse o lugar de Aphrodite como líder das Filhas das Trevas. Mas na mesma hora ela freou esse pensamento, pois ela não tinha sede de poder, só queria encontrar um lugar para ela nesta nova vida. E perguntou subitamente para Stieve Rae se ela sentia alguma coisa quando o círculo estava sendo projetado, se sentia calor quando o círculo do fogo era feito, ou uma brisa quando o chamado do vento era feito, o cheiro da chuva quando a água era invocada ou sentia-se pisando na grama quando a terra era convocada. Stieve Rae fica assombrada e diz que nunca sentiu nada disso, pois apenas uma Grande Sacerdotisa poderia sentir tudo isso e que não faz a menor idéia do que isso signifique, pois faz centenas de anos que não aparece uma sacerdotisa com afinidade pelos quatro elementos.

Zoey então revela a amiga que sentiu os cinco, todos os elementos mais o espírito. A sua companheira de quarto fica encantada, pois acredita que nunca houve uma Grande Sacerdotisa que sentisse os cinco elementos e como a Marca dela era diferente, algo estranho estava acontecendo. Ela revela também porque tinha tanto medo de Aphrodite. Ela já havia quase sido usada como “geladeira” em um dos rituais da garota.

Diante de tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo, Zoey decide que precisava falar com Neferet, mas não comentaria sobre os cinco elementos, nem sobre o fantasma de Elizabeth, apenas sobre a sua sede de sangue. Ao contar que havia tomado vinho misturado com sangue sem saber, Neferet ficara irritada com Aphrodite e que iria falar com a garota sobre isso. No entanto Zoey não queria criar caso e cuidaria sozinha dos seus problemas, afinal havia decidido entrar para as Filhas das Trevas e não queria começar com confusão. Conta que sentira-se feliz e alegre ao provar o sangue o que faz a Grande Sacerdotisa ter uma reação estranha: levantou a sobrancelha e, apontando para a Marca na testa de Zoey, dissera que ela era única.

Neferet decide mudar Zoey de turma na matéria Sociologia para uma turma mais avançada, mas a garota não aceita e a mentora dela propõe então que passaria atividades extras para ela cumprir, como ler textos e livros mais avançados sobre a matéria. Explica em seguida que o que acontecera durante a visita de Kayla e Heath, com ela e o garoto, fora que Zoey, sem querer e sem saber, o “Carimbou”. Isso costuma acontecer quando um vampiro bebe diretamente o sangue de um humano, especialmente se existe um laço estabelecido entre eles antes da sangria. É por isso que é proibido para os novatos beber sangue de humanos. E existiam vampiros que consideram isso moralmente errado e gostariam de transformar essa atitude em ilegal. Ela explica ainda que quando alguém era carimbado, até ouvir a voz do vampiro que o carimbara o afetará e funcionará como forma de atraí-lo. Então pede a Zoey que se Heath voltar a procurá-la é para Zoey avisar a ela e diz que ela deve evitá-lo, inclusive nem deveria falar com ele. Finalizando a conversa ela pede que Zoey escreva o nome e o endereço de Kayla e Heath para que ela tentasse captar algum vestígio de um possível carimbo.

Zoey liga para a avó e enquanto conversam se toca como estava sentindo saudade dela e lhe deixa a par de seu gosto por sangue e acredita que a avó deixará de amá-la por causa disso. Mas a reação de Sylvia Redbird fora totalmente diferente. Ela encarou isso com muita naturalidade. Compartilha com a avó também a sua suspeita de ter sentido os cinco elementos e, mais uma vez, Redbird diz a neta que ela é especial e carrega com ela a tradição de sangue mágico dos seus ancestrais. Após falar com a avó, Zoey sentiu como se tivesse tirado um peso terrível do coração, mas mesmo assim ela estava com medo, na verdade apavorada com o futuro e não estava muito animada com a possibilidade de precisar derrubar Aphrodite.

Durante a refeição Erik convida Zoey para ver os melhores DVDs que ele tinha, mas ela recusou o convite, alegando já ter compromisso, o que deixara os amigos de boca aberta. O seu programa tão importante para recusar um convite do garoto mais lindo da Morada da Noite era nada mais nada menos do que derrubar Aphrodite. Eles perguntam como e Zoey explica que pensou em fazer uma antiga oração de purificação baseada em um ritual Cherokee e pedir a Nyx para ajudá-la a desenvolver um plano. Stieve Rae não consegue segurar a língua e pede, na frente de todos, a Zoey para contar para eles as suspeitas dela. Sem ter saída, a garota conta que acha que conseguiu sentir os cinco elementos quando o círculo fora projetado no Ritual da Lua Cheia. Todos fizeram silêncio e ficaram apenas olhando com expressão de choque e Stieve Rae com uma expressão orgulhosa. Zoey pede segredo e sigilo total sobre isso.

Damien chama atenção para o fato de que acredita que não haja registro de nenhuma Grande Sacerdotisa que tivesse afinidade com os cinco elementos, o que quer dizer que Zoey pode ser a Grande Sacerdotisa com maior possança na história dos vampiros. Ele, inclusive, acredita que Zoey possa ter poder suficiente até para derrubar Aphrodite. E, assim, todos os amigos de Zoey propõe ajudá-la na oração. Ela não queria envolver os amigos dela nessa história, mas sabia que eles poderiam ajudá-la e muito. Desta forma, começam a planejar o pequeno ritual de purificação.

Após a refeição eles voltam para as aulas e desta vez, na grade de Zoey era a vez da aula de Espanhol, ministrada pela professora Garmy. A garota achou a aula muito divertida e riu muito, mas a aula de equitação que aconteceu em seguida, não passara tão rápido quanto a anterior. E fora durante esta aula que Aphrodite aparecera do nada, de forma silenciosa, perguntando a Zoey o que ela estava aprontando, pois sabia que ela estava planejando algo para aquela noite. Aphrodite diz a Zoey que não importa a bobagem que ela tenha ouvido, pois Erik ainda era dela e sempre seria. Zoey arregalou os olhos e sentiu uma onda de alívio lhe banhar, ao ponto dela ter soltado um sorriso, já que Aphrodite estava falando de uma coisa e Zoey pensando que ela estava falando de outro. Elas acabam discutindo e Aphrodite tentou agredir Zoey cortando-lhe o rosto, mas Zoey segura suas mãos com força e lhe diz que nunca mais ela tente bater nela novamente. Completa dizendo que não sente medo dela e jogou seu pulso para longe. Para sua surpresa, viu Aphrodite recuar vários passos.

Aphrodite, para se vingar, diz a Zoey que não é para ela se dar ao trabalho de aparecer nas atividades das Filhas das Trevas, pois estava desconvidando-a. No entanto, Zoey não deixa barato, com uma calma impressionante, ela pergunta se Aphrodite quer explicar à sua mentora, Neferet, porque fora ela quem tivera a ideia de convidá-la para fazer parte das Filhas das Trevas e agora estava expulsando-a porque estava com ciúmes pelo seu ex-namorado gostar dela. Aphrodite ficou pálida e retrucou perguntando a outra garota se ela queria saber como é fazer parte de algo sem que ninguém no grupo a quisesse por perto.

Zoey sentiu um nó no estômago ao ouvir isso, mas se esforçou para não deixá-la perceber que havia tocado em seu ponto fraco. Para deixar claro de todas as formas que, de agora em diante, as coisas seriam bem difíceis para Zoey, Aphrodite diz que as Filhas das Trevas são delas e lá Zoey não passava de uma forasteira, aquela que ninguém queria. Diante do embate, a Zoey não restava outra escolha, teria mesmo que derrotá-la.

Durante o jantar, Erik passara por Zoey e lhe dera um mero “oi”, o que a deixara bem sem graça. Stieve Rae aconselha a amiga a ser boazinha com o garoto, afinal fora ela quem dera o fora nele e, de certa forma, ferira o ego dele.

Os cinco amigos começaram a preparar o ritual de purificação. Zoey decide que dará uma vela para cada um para que eles juntos formem o pentagrama, representando cada elemento. Zoey representaria o espírito, ficando com a vela roxa e posicionada ao centro do pentagrama. Pegou a vela azul e deu a Erin que representaria a água. A vermelha foi dada a Shaunee, representando o fogo. A representação da terra com a vela verde foi dada a Stevie Rae e, por fim, a vela amarela, do ar, ficaria com Damien.

Em seguida Zoey acendeu o bastão de defumação e deixou o fogo queimar as ervas secas e soprou a fumaça pelo corpo dos amigos, por fim, Stieve Rae defumou Zoey. Eles pediram ajuda aos espíritos e a Nyx, orientação, após estarem purificados. Zoey não quer o mal de Aphrodite, quer apenas o que é certo, justiça e não vingança. Vingança seria o que Aphrodite faria no lugar deles, mas eles não eram como ela.

Eles se concentram na prece e acreditavam que o que deveriam fazer era acreditar que os elementos iriam levar a prece deles a Nyx e que a Deusa responderia a eles ajudando-os a saber o que fazer. Zoey recita a prece e ao final acrescenta que não entendia o porque de Nyx tê-la marcado e porque lhe dera o dom da afinidade com os elementos. Pede que a ajude a discernir a coisa certa a ser feita e que lhe dê coragem para fazê-la.

Ao término, Damien comenta que esta fora a projeção de círculo mais prodigiosa que ele jamais viu e todos concordam com ele, o que deixa Zoey muito feliz. Com isso, ela tem a confirmação de que tem mesmo algum tipo de afinidade com os cinco elementos e tenta entender o porque disso. O grupo então vai embora e Zoey pede para ficar sozinha para refletir, indo para a árvore onde encontrara Nala e lá aparece Erik, que novamente a convida para ir andando até o dormitório, lhe servindo de companhia. Eles conversam sobre Heath e ele comenta que deve ser difícil romper com alguém só porque fora marcada. Zoey retruca dizendo que não rompera com o ex apenas por isso, antes disso eles praticamente já haviam terminado. Ela, por outro lado, lhe conta a conversa que tivera com Aphrodite e o que a garota lhe dissera sobre ele ser sempre dela. Erik diz que a garota tem sérios problemas em falar a verdade e pede que Zoey não acredite no que ela dissera. Com isso, Zoey convida Erik para eles verem aqueles filmes que ele havia convidado-a anteriormente e que ela recusara. Ele aceita e ao se despedirem ele a beijou. Zoey constatou que adorava o jeito com que o corpo dela se encaixava ao de Erik e quando interromperam o beijo estavam arfando e se encarando. Por fim, ele pede que Zoey prometa a ele que não irá deixar Aphrodite se intrometer entre eles e ela promete, mesmo com medo.

No dia seguinte, durante a aula de inglês, Elliott começou a tossir sem parar, irritando todos, mas ele estava tossindo sangue, o que preocupou a professora Penthesilea que mandou um aluno da turma chamar Neferet. A professora pegou uma toalha e foi em direção ao garoto que estava chorando lágrimas de sangue. Ele estava sangrando pelos olhos, nariz e orelhas. E estava desesperado dizendo que não queria morrer, mas a professora tentava acalmá-lo em vão.

Neferet chegou a sala acompanhada por dois vampiros altos e de aparência poderosa, além de Dragon. Deram um medicamento a Elliott e o levaram em uma maca. Neferet anunciou para a turma que ele não sobreviveria, pois seu corpo rejeitara a Transformação e diz que um de cada 10 alunos não completará a Transformação. Explica que alguns morrem pouco tempo depois de chegar à Morada da Noite, como foi o caso de Elliott, mas outros morrerão quando estiverem no sexto-ano, ficando subitamente doentes. Neferet diz que na condição de Grande Sacerdotisa não mentiria para eles e que deveriam encarar a morte como parte natural da vida, mesmo na vida de um vampiro.

Zoey pega o celular e vê que tem 15 mensagens e cinco ligações perdidas, todas de Heath. Ela teria que ir ao Samhain com as Filhas das Trevas, mas antes iria na sala de Neferet, para lhe contar sobre as mensagens e ligações de Heath, mas no caminho viu em um canto Aphrodite sentada ao chão com a cabeça jogada para trás e os olhos dela estavam revirados, vendo-se somente a parte branca. Zoey ficou apavorada, mas se deu conta de que a garota estava tendo uma de suas visões e foi para o canto para se esconder e não compartilhar o que vira com mais ninguém, mesmo sabendo que isso poderia evitar mortes e destruições.

Zoey ajudou a garota a se levantar e levou-a à sala de Neferet, lá a Grande Sacerdotisa cuidaria dela. Após sair da sala da sua mentora, Zoey encontra-se com suas amigas que dizem estar muito preocupadas com ela em relação a Heath e gostariam de acompanhá-la ao Samhain. Mas Zoey não aceita e acaba indo em direção ao carvalho onde encontrara Nala e lá acaba vendo o espírito de Elliott que demonstra ter ódio dela e parte para cima da garota tentando atacá-la, mas a gata parte em sua defesa e ele vai embora.

Zoey foi para o ritual com o mesmo vestido preto da outra noite. Apesar de discutir com Aphrodite, ela permanece no ritual. Aphrodite dá início ao ritual comentando de forma egoísta e mesquinha sobre a morte de Elizabeth e Elliott e então diz que não era momento de morte e tristeza, já que eles celebrariam o Samhain – o fim da estação da colheita – sendo hora para lembrarem dos ancestrais deles. Eles não vão celebrar o Samhain na escola e sim em um local previamente escolhido por Aphrodite: o Museu Philbrook.

Zoey sai acompanhada por Erik e ao chegarem ao museu, Aphrodite deu início ao ritual de invocação dos espíritos ancestrais e nem Zoey conseguira deixar de prestar atenção nela dessa vez. A Grande Sacerdotisa em treinamento começou a queimar erva-doce e Zoey se dá conta de que ela fez algo de modo errado, afinal só deveria usar erva-doce americana após ter utilizado a sálvia que era utilizada para limpar e purificar a área. Como foi feito, poderia atrair qualquer energia, inclusive algo nada bom. Mas era tarde demais. Aphrodite invoca os espíritos e Zoey não sente o mesmo cheiro nojento de porão velho que sentiu quando viu Elizabeth e Elliott.

No meio da invocação Heath aparece e causa uma confusão. Ela e Erik mandaram ele ir embora e Aphrodite, por outro lado, insiste para que ele fique. Assim, o pior acontece. As amigas de Aphrodite enfraquecem o círculo e os espíritos acabam escapando e atacam Heath que começa a ser cortado e sangrar. Erik tenta ajudar Heath e é também atacado. Stieve Rae tira o capuz e revela que ela era a “geladeira” naquele ritual, mas ela não estava sozinha, todos os amigos de Zoey apareceram e ela assumira a liderança do ritual formando um novo pentagrama. Cada amigo assumiu o seu elemento do pentagrama e Zoey conseguiu fazer com que os espíritos fossem embora.

Após a conclusão da expulsão dos espíritos, Damien olha para Zoey e dá um grito ao olhar para a Marca dela. Aphrodite levantou abruptamente da cadeira, olhou fixo para a Marca de Zoey e perguntou estarrecida e cheia de rancor porque Zoey e não ela. Até então a garota não tinha entendido nada e nem porque toda essa comoção com a sua Marcar. Pegou então um espelho de Erin e viu que sua Marca havia sido completada e era linda. Havia uma delicada tatuagem curvilínea em forma de renda e em tom de safira emoldurando seus olhos. Não era uma tatuagem grande como a dos adultos, mas nunca se havia visto isso em um novato. Entretanto, isso não era tudo, o seu corpo também havia sido tatuado, no ombro, no pescoço e nas costas.

Aphrodite tenta discutir com Zoey sobre a liderança das Filhas das Trevas e Aphrodite diz que só quem pode determinar quem comandará as Filhas das Trevas é a Grande Sacerdotisa. Para a surpresa de todos Neferet aparece e diz que era muito conveniente que ela estivesse ali naquele momento. Se dirigiu primeiro a Erik e a Heath, ajudando-os no processo de cura e em seguida diz a Aphrodite que durante anos conhecia o seu egoísmo, mas preferia fazer vistas grossas, esperando que a idade e o toque da Deusa lhe fizessem amadurecer e destituiu oficialmente a garota da posição de líder das Filhas e Filhos das Trevas. Tirou do pescoço da garota o colar prata e granada que pendia entre seus seios e que lhe conferia a posição.

Neferet vai para perto de Zoey e lhe diz que sabia que a garota era especial desde o dia em que Nyx havia lhe dito que ela seria Marcada. Levantou o queixo da garota para olhar para sua Marca e afastou os cabelos dela para poder ver as tatuagens. O que deixou todos presentes de olhos arregalados e, assim, passou para Zoey o colar que antes pertencia a Aphrodite.

Zoey se abraça com os amigos e aproveita para agradecer a ajuda de todos eles. Erik pergunta se também poderia participar do abraço coletivo e dá um beijo arrebatador na nova líder das Filhas das Trevas.

Quando Zoey vai procurar por Nala acaba dando de frente com Aphrodite que lhe diz que ela poderia ter vencido naquela noite, mas que ainda não havia acabado. De forma misteriosa informa a menina que sabia o que realmente acontecera ali naquele momento, que Zoey estava apenas sendo usada, que todos estavam sendo apenas marionete. Declara ainda que o que estava por vir estava apenas começando e que ia ficar ainda pior.

Stevie Rae, agora melhor amiga de Zoey diz que aconteça o que acontecer, elas sempre estarão juntas. Cercadas por seus amigos, Zoey volta com eles para casa.

Assim, com Zoey cercada de amigos e apoio, com um ficante lindo, um ex-namorado carimbado, sendo líder das Filhas das Trevas e tendo como mentora a Grande Sacerdotisa, termina o primeiro livro da série The House of Night. Mas será que só coisas boas continuarão acontecendo para a jovem garota? Não devemos esquecer que mesmo aqueles escolhidos por serem fortes e especiais, também carregam sempre uma grande responsabilidade que muitas vezes eles não conseguem agüentar sozinhos…

Um outro ponto que me deixou com uma pulga atrás da orelha quando li esse primeiro volume é a marcação de alguns personagens. Dois deles eu destaco: Neferet e Aphrodite. A Deusa Nyx dissera a Zoey que nem tudo que era da luz era bom e nem tudo que era treva era ruim. Isso é um ponto chave na história, mas os leitores não dão muita importância a essa passagem. No entanto isso que a Deusa diz a Zoey é fundamental para o desenrolar dos acontecimentos, principalmente no que se refere a Grande Sacerdotisa e Aphrodite. Se lembrarmos de Harry Potter, podemos comparar Aphrodite ao professor Severo Snape. Achamos o tempo inteiro que ele era ruim, que não prestava, que isso e aquilo e ele nos surpreende. Será que Aphrodite é mesmo tão ruim quanto parece? E Neferet tão boa quanto demonstra ser? Foram pontos que me deixaram curiosas e com uma certa expectativa, pois os demais personagens todos demonstram ter tanto qualidades quanto defeitos… Mas é bom deixar os leitores com suas dúvidas e fazerem suas próprias análises.




Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,462,136 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
junho 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados