Posts Tagged ‘Jared

04
dez
09

Fantasia com algo mais

Fantasia com algo mais
Em “As Crônicas de Spiderwick”, o diretor Mark Waters consegue driblar as fórmulas de produções infanto-juvenis ao investir na densidade de um drama familiar
Bruno Segadilha, de Los Angeles
25/07/2008 – 23:19 – Atualizado em 25/05/2009 – 00:05

DOIS EM UM
Freddie Highmore vive os gêmeos Jared e Simon, que lutam contra Mulgarath (Nick Nolte, de costas)

A exemplo das séries Harry Potter e As Crônicas de Nárnia, chega ao Brasil mais um filme surgido da literatura infantil. A bola da vez é As Crônicas de Spiderwic, baseado na série homônima de livros de Tony DiTerlizzi e Holly Black. O longa traz o astro mirim Freddie Highmore (o Charlie de A Fantástica Fábrica de Chocolate) no papel dos gêmeos Jared e Simon, garotos que mudam para uma casa no meio do nada após a separação dos pais. Um deles descobre um livro de magia, recita versos proibidos e liberta perigosas criaturas invisíveis. Lideradas por Mulgarath (Nick Nolte), ser supremo do mal, as criaturas tentam invadir a casa em busca da tal obra.

Mais do mesmo? Sim. Seres fantásticos e florestas misteriosas são uma fórmula fácil do cinema infantil americano. No entanto, o diretor Mark Waters consegue driblar o estereótipo ao mergulhar nos conflitos infanto-juvenis e na tensão familiar. Para os garotos Jared e Simon, o verdadeiro terror não está nos duendes malvados, mas no desprezo do pai e na descrença da mãe em relação aos demônios. A irmã mais velha se esforça para aceitar as privações da nova rotina e dá apoio à mãe, a chefe de família deprimida depois da separação.

Essa leitura dramática funciona, em grande parte, graças à atuação de Highmore, que, apesar de seus 16 anos, ainda lembra o garotinho órfão de Em Busca da Terra do Nunca. E ele quase não entrou no filme. O diretor pretendia, a princípio, escalar gêmeos reais. “Seria uma dor de cabeça maior perder tempo atrás de gêmeos que simplesmente contar com o talento de Highmore”, diz Waters na rodada de entrevistas para divulgar o filme. “Sabia que estavam atrás de atores gêmeos, mas fiz o teste”, afirma Highmore. “Deu certo.”

Os fãs da série podem estranhar algumas mudanças em relação à trama original. Mas o diretor diz que os próprios autores deram carta branca para as alterações. “Eles falaram para eu mudar o que fosse preciso para fazer um bom filme”, diz Waters. Ele afirma que seu objetivo era mostrar uma história que unisse pais e filhos. Pelo menos em sua casa, não conseguiu. “Meus filhos viram o filme tantas vezes durante a edição que não queriam ir à estréia comigo!”

3 perguntas para Nick Nolte
O ator conta como foi viver o ancião do mal na fantasia infantil

Mulgarath é um personagem incomum em sua carreira. O que o levou a aceitar o papel?

Eu conhecia o trabalho das pessoas que estavam envolvidas no projeto. Confiava nelas. Também achava interessante estar em uma espécie de Harry Potter americano. Fiquei impressionado com o talento dos autores.

E foi divertido, afinal?

Muito, o Mulgarath tem 995 anos, tive de fazer aquela voz horrorosa, usar toda aquela maquiagem, senão seria apenas o Nick Nolte em um piquenique… Ou você acha que eu não precisava de maquiagem para fazer o ancião?

Você ainda tem o mesmo prazer de estar em um set de filmagem que tinha no começo da carreira?

Tenho. Mas não levo minha carreira como uma obsessão. Se pegar um personagem que não goste de fazer, saio fora. A pior coisa é fazer um papel só pelo dinheiro. Isso é a real desilusão.

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI60877-15220,00-FANTASIA+COM+ALGO+MAIS.html

04
dez
09

‘As Crônicas de Spiderwick’ combina drama familiar e magia

‘As Crônicas de Spiderwick’ combina drama familiar e magia

Seguindo os passos de ‘As Crônicas de Nárnia’ e a ‘A Bússola de Ouro’, filme estréia nesta sexta em SP

Alysson Oliveira, da Reuters – REUTERS

quinta-feira, 20 de março de 2008, 14:18 | Online

Divulgação

Cena de ‘As Crônicas de Spiderwick’

SÃO PAULO – A magia anda em destaque no cinema. Depois que séries como Harry Potter e O Senhor dos Anéis faturaram alto, uma avalanche de filmes do gênero vem sendo descarregada nas salas quase mensalmente. Agora, é a vez de As Crônicas de Spiderwick, que estréia em cópias dubladas e legendadas nesta sexta-feira, 21, seguindo os passos de As Crônicas de Nárnia e a A Bússola de Ouro.

Os irmãos Helen (Sarah Bolger, de Terra dos Sonhos) e os gêmeos Simon e Jared (interpretados por Freddie Highmore, de Em Busca da Terra do Nunca) não estão nada contentes de terem que abandonar Nova York e mudar-se para uma antiga casa de campo com a mãe (Mary-Louise Parker, de Dragão Vermelho), que está se divorciando.

Helen é a mais velha. Por isso, sente-se mais responsável por Simon, que é estudioso, e Jared, o rebelde. Este é quem mais sente a falta do pai, acreditando que ele virá ao seu encontro. Mas nem tudo sai como ele planejou. Enquanto espera, descobre um livro antigo, que tem na capa o aviso para não o abrir. A proibição é tudo o que ele queria para se divertir.

Jared começa a ler o livro e coisas estranhas acontecem. As anotações foram feitas por Spiderwick (David Strathairn, de Boa Noite e Boa Sorte), que pesquisou sobre o mundo mágico de fadas, duendes e outras criaturas há quase um século. O autor desapareceu sem deixar pistas e sua filha, Lucinda Spiderwick (Joan Plowright, de Os 101 Dálmatas), agora uma senhora de mais de 80 anos, está internada num hospício.

Uma série de acontecimentos estranhos, envolvendo goblins (uma espécie de duendes malvados) e ogros colocam Jared no centro da ação. Quem explica ao garoto o que está acontecendo é Tibério, uma criatura chamada de ‘brownie’ (um duende caseiro) que some e aparece quando quer e vira um miniogro quando está enfezado.

Criaturas do mal estão atrás do livro e são governadas por Mulgarath (Nick Nolte, de Paris, Te Amo). Para conseguir defender sua casa e a família, o menino precisará convencer os irmãos Simon e Helen de que as criaturas encantadas existem e são perigosas. Afinal, não é preciso muito esforço para isso, por causa das inúmeras travessuras dos seres mágicos.

Existe uma forma de parar o ataque dos goblins, mas as crianças não sabem como. Para descobri-la, eles vão atrás de Lucinda, que guarda um segredo e pode explicar porque os goblins querem tanto o livro.

Dirigido por Mark Waters (Meninas Malvadas), As Crônicas de Spiderwick baseia-se numa série de livros infanto-juvenis de Holly Black e Tony DiTerlizzi.

O filme combina drama familiar com fantasia – os seres mágicos acabam sendo uma forma de escapismo para as crianças sob a pressão da separação dos pais – mas não consegue manter o ritmo o tempo todo.

A combinação de uma fotografia naturalista com o mundo da magia é uma boa sacada do diretor. Mas nem isso sobrevive ao excesso de efeitos especiais e ação que dominam a meia hora final do filme.

http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,as-cronicas-de-spiderwick-combina-drama-familiar-e-magia,143496,0.htm

04
dez
09

As Crônicas de SpiderWick – A Ira de Mulgarath

A série que encantou crianças de todo o mundo, que ganhou uma adaptação para o cinema e esteve presente entre os livros mais vendidos de veículos com grande credibilidade no mundo, como The New York Times, chega ao fim neste volume.

Esta última aventuras da família Grace inicia-se com as crianças voltando para casa, após conseguirem escapar dos anões. Eles estavam exaustos e Jared a cada vez que fecha os olhos só via a cena dos goblins, centenas deles, sob a liderança de Mulgarath, atacando os anões.

Ao chegarem ao portão da residência em que moravam se assustaram ao ver que estava uma bagunça, tudo estava destruído. Notaram que Byron estava voando sob a casa tentando atacar um goblin que estava no telhado. Como se tivesse sido atingida por um jato de água fria, Mallory recupera as forças e parte com tudo para dentro de casa gritando pela mãe. Os gêmeos, ao perceber a encrenca em que eles se meteram e também a sua mãe, correram atrás da irmã.

Dentro de casa viram Tibério com uma aparência péssima, todo coberto de arranhões, dizendo que tudo havia sido culpa dele, pois a magia dele não fora forte o suficiente para deter os goblins e o ogro. O gnomo conta que os goblins amarraram a mãe das crianças e a levaram com eles. Mas ele não fazia idéia de onde eles poderiam estar.

As crianças se dão conta de que eles viram a mãe deles, mas não sabiam que era ela, quando viram Mulgarath se encontrando com o rei dos anões. Pois havia uma pessoa amarrada e encapuzada. Lembram-se que havia um goblin no telhado e eles precisavam pegá-lo antes que Byron o devorasse. Juntos, os Grace subiram as escadas do sótão e do alto ouviram os ruídos. Eles viram que Byron havia encurralado o goblin, que na verdade era Gritalhão. Ao ver as crianças, Gritalhão pede ajuda aos meninos, o que faz com que Jared caísse na risada ao ver que o animal tentava se defender do grifo com um estilingue.

Gritalhão diz que sabe onde fica o esconderijo de Mulgarath e promete levar eles lá. Conta que o ogro construiu um palácio de lixo que é protegido por seu exército de goblins e outras criaturas como os dragões. Aconselha aos meninos não agirem como bobos, pois não dava para entrar no lugar, pois era muito bem protegido.

O Guia de Arthur fazia referência aos dragões, mas o próprio autor nunca havia visto um, apenas ouvira relatos e as histórias eram assustadoras. Eram descritos como seres com dentes afiados, com baba venenosa e tinham tentáculos que pareciam chicotes.

Jared decide ir sozinho falar com os elfos, para pedir ajuda, pois ele precisava falar com Arthur. Ele era o único que podia ajudá-los. A elfa de olhos verdes encontra-se com ele e conta que sua mãe foi levada por Mulgarath, para provar que ele esteve o tempo todo falando a verdade no primeiro encontro e que não estava com o livro, Tibério aparece para a elfa e confirma o que o garoto havia dito.

A elfa promete ajudá-lo se o garoto der a sua palavra de que quando ele possuir o livro de novo entregará para os elfos para que eles possam destruí-lo. Ele concorda então Arthur aparece de dentro das árvores. Jared se apresenta como sobrinho dele e Arthur não acredita. Spiderwick acreditava que havia passado pouquíssimo tempo desde que ele não conseguira mais regressar para casa. Jared então diz a ele que passaram-se 70 anos e que hoje, a sua filha, Lucinda, era uma senhora idosa. Arthur acha aquilo tudo um absurdo e mais uma vez Tibério precisa interferir na discussão e aconselha Arthur a ouvir o garoto. Mas o tataratio das crianças não tinha muito o que dizer de útil, para que pudesse ajudá-los. Apenas alertou Jared que os ogros são criaturas muito poderosas que dominavam com maestria a arte de mudar de forma, inteligentes, astutos, muito cruéis e que nem mesmo os elfos sabiam como detê-lo.

Para surpresa do garoto, o seu irmão gêmeo e a sua irmã apareceram montados em Byron. Simon conta que tem um plano e eles partem para o castelo de Mulgareth para pôr o plano em prática.

Na porta do castelo surge Gritalhão empurrando Jared e Mallory amarrados e dizendo aos goblins que havia capturado as crianças. Eles lutam com os goblins e conseguem adentrar o castelo. Lá encontram Richard amarrado e pendurado por uma corda. As crianças correm ao seu encontro e perguntam o que o pai estava fazendo ali. Desamarram eles e o suposto Richard conta que chegou lá após conversar com a mãe deles e ela ter contado que estava preocupada com as crianças. Jared desconfia da história do pai e ao olhar para o fundo dos olhos dele notou que eles estavam amarelados e Richard foi mudando de corpo e de forma, transformando-se no ogro Mulgareth, que rapidamente pegou os seus irmãos e os fez de reféns.

Do outro lado do cômodo, Jared ouviu um gemido e viu sua mãe acordando. Ele pede que a mãe incentive ao irmãos a correrem. Eles lutam com o malévolo vilão e conseguem destruí-lo.

Quando voltaram para casa, arrumaram toda a bagunça e rapidamente Helen providenciou levar Lucinda de volta para casa e Jared notou que a tia estava bem diferente da última vez que a vira. A família Grace e Lucinda viram uma folha entrar pela janela e havia uma mensagem escrita nela. Dizia que eles deveriam se encontrar com quem enviou a folha e não deveriam esquecer o Guia.

No local combinado eles se encontraram com os elfos que Arthur apareceu também. Ao ver a filha, Arthur perdeu o ar e pede perdão por tudo que aconteceu. Diz que sempre a amou e sempre quis voltar para casa, mas agora ele não podia mais abandonar o mundo das fadas, pois senão viraria pó, afinal havia 70 anos dado como desaparecido. Com essa revelação, Lúcia e os sobrinhos voltam para casa e Jared pensou que tudo estava apenas começando de novo, afinal ele teria muitos desenhos ainda para fazer.

A versão que foi adaptada para o cinema é um pouco diferente do que é narrado no livro, principalmente o final. O encerramento da história no livro é mais triste e ao mesmo tempo esperançoso. O final do filme é mais mágico e feliz. Gosto de histórias para crianças porque nelas tudo pode acontecer e a magia impera, independente de algo ser logicamente possível ou impossível. Por isso, quem também pensa e se sente assim não deixará de gostar de “As Crônicas de Spiderwick”.

03
dez
09

As Crônicas de Spiderwick – A Árvore de Ferro

“A Árvore de Ferro” é o quarto livro da série “As Crônicas de Spiderwick”. As coisas andavam misteriosas, calmas e tranquilas, já que havia semanas que não acontecia nenhuma confusão com os seres fantásticos. E até mesmo Tibério andava quieto.

A família Grace estava no carro indo para o colégio em que eles estudavam pois Mallory teria a sua primeira competição de esgrima na nova escola. Este é um momento divertido e descontraído entre a família. Pois os gêmeos tiram sarro da irmã por ela estar usando sutiã. Até mesmo Helen, a mãe das crianças resolve colaborar para deixar a filha envergonhada e sem graça ao perguntar a ela quem era o garoto com quem Mallory estava conversando depois da aula. O que foi o suficiente para os irmãos encherem o saco da irmã dizendo que ela estava aos beijos com Chris, o líder do time de esgrima.

As competições estavam acontecendo e quando Mallory se preparava para a sua segunda luta, na arquibancada Jared nota que havia uma garota mexendo nas coisas da sua irmã. Ele fica curioso e furioso por alguém estar futucando nas coisas de Mallory, afinal ela podia estar tentando sabotá-la e todo mundo parecia não estar notando nada de estranho. Ele levantou e foi conferir, mas foi barrado pelo técnico. Jared alega que havia uma garota mexendo nas coisas de sua irmã, mas quando o treinador virou para conferir, não havia ninguém.

Confuso e envergonhado ele decide voltar para a arquibancada, mas mudou de ideia e resolveu ir ao banheiro. No momento em que se virou viu a figura de seu irmão mexendo nas coisas de Mallory, mas ele viu Simon sentado na arquibancada, o que significava que não podia ser ele a mexer nas coisas da irmã. Quando chegou ao corredor da escola deparou-se com um garoto igual a ele, para seu grande susto. Imediatamente o garoto perguntou quem era o falso Jared e o que ele queria, então quase que por reflexo pegou um canivete que tinha no bolso e segurou firme, pois sabia que os seres mágicos não gostavam o metal. Porém, para falta de sorte do menino, a vice-diretora passava pelo corredor bem naquele momento e entendeu de forma errada toda a situação. Correu em direção a Jared e lhe tomou o canivete que caiu no chão, enquanto o falso Jared saia correndo, soluçando de um jeito que parecia uma gargalhada.

Jared acabou sendo levado para a sala da diretora, juntamente com a sua mãe e o irmão gêmeo. Quando Helen saiu da sala parecia exausta e não quis conversar com o filho sobre o que tinha acabado de acontecer. Pede que ele e Simon chamem a irmã, pois ela só queria ir para casa. Os meninos a obedecem e saem para procurar Mallory, mas não a encontram em lugar nenhum. Perguntam para as pessoas que estavam presentes na competição de esgrima e ninguém a vira. Uma garota comentou que a viu no banheiro chorando. Os irmãos acharam aquilo bem estranho e procuram por ela onde a garota havia indicado, também não a encontrando. E concluíram que não deveria ter sido a Mallory verdadeira e foram procurar ela fora da escola. Mas acharam apenas a medalha de campeã da competição de esgrima da garota e uma pedra onde estava escrita a palavra: “troca”.

Decidem voltar para a escola para ver se a menina não havia aparecido e estava ao lado da mãe. Mas na verdade encontraram Helen sozinha, de costas para eles, falando ao celular com o pai deles. Helen dizia a Richard que Simon e Mallory protegem Jared e que ela sabia que eles estavam escondendo algo dela, pois sempre que ela aparecia em um cômodo da casa em que eles estavam, eles mudavam de assuntou ou se calavam. Então começa a chorar e diz que Jared talvez tivesse que passar um tempo com ele. O garoto, ao ouvir isso, sentiu um vazio.

Os Grace quando estavam indo para a escola, no caminho notaram uma mina antiga onde diziam que os anões trabalharam. Como não ficava muito longe da escola, eles decidem ir até a antiga mina para verificar se Mallory poderia estar lá. Levaram um livro de matemática avançada e enrolaram em um pano para fingir que era o Guia, já que acreditam que a irmã foi seqüestrada e precisaram utilizar o Guia como manobra de troca.

Ao chegarem na mina, começam a descer e encontram um enigma. Desvendam o mistério e caem em uma rede de metal. Em seguida notaram a presença de anões e eles anunciaram que os meninos eram prisioneiros. Jared anuncia que eles foram procurar a irmã deles e os anões informam que Korting, o rei dos anões, avisou a eles que os meninos iriam e ele estava muito ansioso para conhecê-los. Os gêmeos sabiam que os anões gostavam de trabalhar com anões e, com isso, o canivete que eles tinham como arma, não serviriam para que eles pudessem se defender.

Korting, ao verem os meninos, comenta que Mulgarath havia dito a ele que os meninos apareceriam. Mas os meninos só queriam saber onde estava Mallory. O rei dos anões ordena que os seus súditos levasse a menina até aos irmãos.

Mallory estava dentro de uma caixa que parecia um caixão. Os meninos ficam desesperados e queriam saber o que eles fizeram com a menina. Os anões explicam que enquanto ela viver dentro da caixa, seria sempre jovem, bela. E foram da caixa ela envelheceria, se deterioraria e acabaria morrendo, como todos os mortais. Korting anuncia que em breve Mulgarath dominaria o mundo e, os anões, como leais servos, estariam ao lado dele.

Os gêmeos propõe trocar Mallory pelo Guia de Campo de Arthur Spiderwick. Os anões aceitam, mas nem olham o livro e acabam enganando as crianças, dizendo que prometeram trocar a irmã deles pelo livro, não deixar eles em liberdade e aprisionam os três. Os gêmeos conseguem enganar um dos anões e fogem, acordam Mallory e ao serem perseguidos e encontrados pelos cachorros mecânicos, pensaram que estaria tudo acabado para eles. Mas Simon que sempre teve afinidade com os animais, brinca com os cachorros mecânicos jogando pedras para eles buscarem.

Quando saíram da mina, viram, de longe, uma pessoa sendo levada pelos goblins, mas não conseguiram ver quem era porque estava com um capuz. Junto com os goblins estava Mulgarath. O rei dos anões estava com outros da sua mesma espécie e entregou para o ogro o falso livro de Spiderwick. Mulgarath ao ver o livro falso anuncia ao anão que ele fora enganado, então os goblins atacaram os anões e os garotos foram embora ouvindo os gritos dos que estavam sendo atacados.

No caminho de casa, Mallory diz que eles precisavam contar para a mãe o que estava havendo, mesmo Jared dizendo que ela não iria acreditar. Assim termina o quarto e penúltimo livro da série. O que será que vai acontecer? Afinal Mulgarath anunciou para o rei dos anões que ele tinha o Guia.

02
dez
09

As Crônicas de Spiderwick – O Segredo de Lucinda

Neste volume, logo no início da história é anunciado ao leitor que algumas coisas iriam virar do avesso. Desde que os irmãos Grace chegaram em casa com o grifo Byron, Jared notou que Tibério começara a persegui-lo, aprontando das suas. Seu cílio fora cortado, os sapatos encontrados cheios de lama e sentiu cheiro de urina em seu travesseiro. Mallory não se incomodava com nada, a mãe deles acreditava que algum bicho de Simon deveria ter urinado. O único que demonstrava alguma preocupação com essas novas travessuras era Simon.

Jared queria pedir desculpas a Tibério, devolvendo-lhe a pedra da visão, mas o gnomo não quis. As coisas estavam bem estranhas para os garotos, principalmente para o gêmeo travesso. Quando ele estava vestindo as roupas, percebeu que estavam ao avesso, saiu do quarto sem amarrar os cadarços dos tênis e ao terminar de descer as escadas estava falando com Mallory e não percebeu que os seus cadarços misteriosamente foram amarrados e por pouco ele não caiu. Para completar, Mallory na cozinha com um copo de água na mão, chamou Jared para provar. Quando o garoto provou o líquido queimou em sua boca, ele engasgou e cuspiu metade no chão. Como as coisas estavam ficando realmente sinistras, Mallory sugere que eles deveriam entregar o livro para os goblins, já que eles queriam tanto. Jared não concorda, eles começam a discutir e Simon fica ao lado da irmã.

Jared argumenta que se eles entregarem o livro ao goblins ainda haveria a possibilidade de eles continuarem perseguindo a família, simplesmente pelo fato de as crianças saberem da existência dos seres fantásticos. Pensando em salvar o livro, Jared pensa rápido e para ganhar tempo sugere que eles deveriam procurar pela tia-avó Lúcia, Lucinda Spiderwick, para se aconselhar com ela e entender o que eles deveriam e precisariam fazer, afinal ela é filha de Arthur Spiderwick, o autor do Guia.

A mãe deles ficou feliz com a decisão deles de visitar a tia-avó, inclusive fizeram até biscoitos para levar para ela. Jared, como não conseguia mais ficar longe do livro, o coloca na mochila embrulhado em uma toalha. Então vão os quatro para o sanatório onde morava Lucinda. Eles notaram que o hospital era enorme, parecia uma mansão e não um sanatório. Na recepção eles foram recebidos por uma enfermeira que os conduziu ao longo de um corredor até o quarto de Lúcia.

Quando entraram no quarto da tia-avó, Jared notou que havia ali uma das mulheres mais velhas que ele já vira. Ela tinha cabelos longos, brancos, a pele era pálida, quase transparente, possuía costas corcundas e torta para um lado. Mas tinha, por outro lado, olhos muito brilhantes.

Helen, a mãe das crianças, cumprimentou a tia e apresentou os seus filhos e comenta que eles estão hospedados na casa dela. Ao ouvir sobre a referência à sua casa, ela franziu a testa e diz para eles que aquela casa não é um local seguro para eles morarem. Como a mãe deles saiu do quarto para conversar com a enfermeira, as crianças aproveitaram o tempo sozinhos e abriram o jogo com a tia. Dizem que eles também sabem da existência dos seres fantásticos e pedem que ela explique o que está havendo.

Lúcia fica muito feliz ao saber de Tibério e pergunta como ele está, afinal faz décadas que não o vê. Mas quando fala do pai fica triste, pois acredita que ele tenha abandonado ela e a mãe, já que ele saíra para fazer uma caminhada e nunca mais voltou. Ela conta aos meninos que a mãe dela dizia que já sabia que ele partiria havia muito tempo. Essa revelação deixa Jared muito surpreso e mexe muito com a criança. Ele se dá conta de que não havia parado ainda para pensar em como seria o tio Arthur. Ele acreditava que iria gostar dele, caso o tivesse conhecido, mas agora com as revelações de Lucinda, ele não sentia mais a mesma coisa, percebeu que não iria gostar nem um pouco do tio-bisavô.

Mallory fica curiosa para saber porque a tia estava internada naquele hospital, afinal de louca ela não tinha nada. Lucinda revela a sua história e o porque de estar internada lá. Conta que após o desaparecimento do seu pai, ela e a mãe mudaram-se de cidade para ir morar com um tio. Ela crescera junto com Melvina, a avó das crianças e revelou para a prima sobre Tibério e as ninfas, mas Melvina não acreditou nela e nem levou a sério as coisas que ela dizia.

Após a morte de sua mãe, quando tinha 16 anos, Lucinda decidiu voltar para casa e estava morando sozinha. Gastou o pouco dinheiro que tinha para tentar consertar a casa e Tibério ainda estava lá com ela. A medida que os dias iam passando ela percebia que havia outros seres que se esgueiravam e se escondiam no escuro, mas sempre observando-a. Até que um dia eles deixaram de se esconder e começaram a atacar, agredir e torturá-la. Eles repetiam o tempo todo que ela deveria devolver o livro, o Guia que o seu pai fizera, para eles. Mas ela não sabia de livro nenhum e achava que o pai deveria ter levado o Guia com eles. Imaginou que se era tão importante, ele não deixaria para trás.

Mallory não queria interromper os relatos da tia, mas pediu novamente que ela explicasse a razão de estar ali. Lucinda explica que um dia esses seres reapareceram prometendo que nunca mais a machucariam e lhe deram um pedacinho de fruta simbolizando a paz. Como ela não passava de uma garota, acreditou no que eles disseram, o que foi a sua perdição. A fruta que ela provou foi a comida mais gostosa, saborosa e maravilhosa que ela já provara na vida. Mas ela não sabia que, de certa forma, a fruta estava envenenada. Pois após provar a frutinha ela nunca mais conseguiu comer comida normal, tudo tinha gosto de areia e parecia cinza. Lucinda só não morreu de fome porque as ninfas que sempre cuidaram e brincaram com ela, desde que era uma garotinha, a alimentaram e continuaram dando mais pedacinhos da fruta para ela. Mas Lucinda foi emagrecendo, perdendo as forças e quando a prima Melvina a viu, notou que ela emagrecera e que tinha marcas de machucado pelo corpo. Ficou convencida então de que a prima não andava bem e acreditou que a própria Lúcia havia feito aquelas coisas contra si mesma, levou-a para o hospital para evitar que ela se matasse.

Lucinda alerta as crianças de como aquela casa é perigosa. Jared, tocado por tudo que a tia-avó havia passado, revela que eles tem o livro e, que inclusive, estava na sua mochila. A revelação faz a senhora perder o fôlego. Ela se assusta e diz que se eles tem o livro, mais do que nunca precisavam abandonar a casa.

Quando Jared abre a mochila para revelar o livro para a tia-avó, notou que o livro foi trocado, no seu lugar havia um livro de receitas. Ele perde as estribeiras e parte para cima de Mallory acusando-a de ter roubado o livro, ela diz que não o pegou, Simon se mete, separa os dois e, com a gritaria, Helen volta para o quarto. Ela estava morrendo de vergonha pelo comportamento dos filhos, pede desculpas a Lucinda, que precisou ser sedada e para a enfermeira.

Quando eles chegaram no carro, Helen diz para Jared que ele deu sorte de não ter ficado internado lá também diante de seu acesso de loucura e descontrole. Simon fala baixinho com o irmão se ele, por acaso, não parara para pensar que poderia ter sido arte de Tibério. Então Jared cai na real e percebe que o irmão poderia ter razão. Assim que chegam em casa, Jared vai se sentar na escada da casa e Mallory senta-se ao seu lado e diz mais uma vez que não fez nada. Ele diz que acredita nela e pede desculpas, acreditando que quem era o culpado na verdade era Tibério.

Assim que chegaram em casa, eles viram o recado de Tibério dizendo que talvez ele fizesse picadinho do livro. O que deixa as crianças aliviadas, pois afinal o livro estava mesmo com o gnomo. Eles foram direto para o andar superior e entrara na biblioteca de Arthur e começaram a procurar pelo livro em todas as estantes do local.

Mallory encontrou um mapa com descrições de onde se localizava cada ser mágico na floresta. Eles decidem então seguir o mapa para ver se encontravam pistas do que poderia ter acontecido com o tio-bisavô. Pedem a mãe para saírem e dar uma volta no bosque, a mãe autoriza mas na condição de estarem em casa antes do anoitecer.

Eles saem andando, consultam o mapa e não se dão conta de que estavam indo para o caminho errado. Eles ouviram uma risada vinda de uma criatura que estava empoleirada em uma árvore dizendo que a maioria das pessoas não chegava tão longe. A criatura tinha corpo de macaco, com pelo curto, malhado em tons de marrom e uma longa cauda que se enrolava no galho no qual estava sentado. Seu focinho parecia com o de um coelho, tinha orelhas compridas e também um bigode. Ele se apresentou como o Cão Negro da Noite. Jared se lembrou do desenho dele no Guia e disse que achava que ele era um phooka e que a principal característica desses seres era mudar de forma. Ele não falava nada com nada, tudo que dizia não tinha lógica e, por isso, os meninos não queriam continuar perdendo tempo com ele, já que nada do que dizia fazia sentido. Mas antes deles deixaram o phooka para trás e continuar seguindo adiante, eles ouvem a criatura dizer que os elfos tinham o que eles queriam e que eles queriam o que as crianças tinham.

Eles voltam a caminhar e encontram os elfos que lhe dizem que há muito tempo ninguém percorria aquele caminho e estavam curiosos por eles chegarem tão longe. Para isso ter acontecido, eles só podiam estar com o Guia. Os elfos pedem o livro, acham o ser humano muito cruel, destruíam as suas florestas, os rios, os animais, caçavam os grifos e eles queriam manter sigilo sobre a existência deles. Jared alega que eles não fizeram nada e que nenhum humano acredita mais em seres mágicos, ao menos aqueles que tinham são consciência, o que imediatamente o fez pensar em Lucinda. Mesmo assim eles não deram muito crédito. Falaram que Arthur Spiderwick prometera destruir o livro e na verdade ele queimou outro livro, mentindo para eles. As crianças contam que não estão com o livro e eles acham que é mentira. Que o ser humano mente. Com raiva, decidem aprisionar Jared e só o libertariam se os meninos trouxessem o livro. Disseram que Jared viveria ali sem envelhecer até os Grace cumprirem com a palavra.

Simon diz que eles deveriam prometer liberar Jared e Mallory, ficando prisioneiro. Quando os elfos cumprem a palavra e liberam as outras duas crianças. Jared pede que os elfos os soltem, pois haviam feito uma promessa e teriam que cumprir. Os elfos não entendem e Jared revela que na verdade ele não é Simon. Com mais uma mentira, eles enganaram os elfos e Jared é libertado, fugindo correndo o mais rápido que podia sem nem olhar para trás.

Eles desconfiam que Arthur havia sido sequestrado, preso e poderia, inclusive, estar vivo ainda, por causa do que os elfos disseram sobre ficar preso por anos e anos e nunca envelhecer. Ao chegar em casa, Mallory diz aos irmãos, que caso eles encontrem o guia, deveria deixá-lo guardado, pois mesmo sem saber o que eles pensavam, ela não aguentava mais ficar obedecendo a esses seres fantásticos.

01
dez
09

As Crônicas de Spiderwick – A Pedra da Visão

 

Segundo livro da série “As Crônicas de Spiderwick”, “A Pedra da Visão” começa já com um suspense e inquietação, apesar de as coisas estarem mais calmas, desde a descoberta do livro escrito por Athur Spiderwick. Simon está a procura de Tibbs sua gata que havia desaparecido. Jared não entende como o seu irmão pode ser tão diferente e porque ele parece querer montar um verdadeiro zoológico particular em sua casa.

Enquanto Simon saí a procura de sua gatinha, Jared vai até a biblioteca de Spiderwick e abre o Guia de Campo. O garoto apesar de ter encontrado o livro há pouco tempo, já demonstrava ter fixação por ele e se considerava o seu dono. Passava a maior parte do tempo com o livro e às vezes chegava ao ponto de dormir com ele debaixo do travesseiro.

Tibério aparece e diz a Jared que havia avisado a ele que mais cedo ou mais tarde ele teria que pagar o preço pela sua teimosia em mexer no livro. Jared não leva a sério o que Tibério havia dito e ri. Tibério retruca dizendo que ele não deveria brincar com certas coisas.

Ainda sem dar importância ao que dizia o pequeno ser, Jared vai até a janela e observa que a irmã estava treinando esgrima no quintal e que o irmão parecia estar ainda procurando a gata. Até que algo anormal acontece: Simon começa a olhar para a grama de uma forma estranha, começa a mexer os braços e as pernas de uma maneira esquisita, como se estivesse lutando com alguma coisa, mas com o que? Ele não via nada.

Ao notar o olhar curioso de Jared, Tibério decide observar o que está chamando tanto a atenção do menino. Viu que o quintal estava coberto de goblins e diz ao garoto que estava começando aquilo que ele não quis dar ouvido. Simon então foi arrastado pela floresta e sumiu das vistas de todos.

Tibério explica a Jared que os humanos para enxergar os seres do mundo mágico precisavam da Pedra da Visão ou que os seres mágicos decidissem por si mesmo que ficariam visíveis aos olhos comuns. Desesperado pensando no irmão, o garoto vai procurar a irmã e informa o que acabara de acontecer. Eles precisavam procurar a pedra no depósito e de forma rápida para poderem resgatar Simon.

Ao encontrarem a pedra, Jared testa e vê que realmente funciona. Pela janela do depósito ele vê que o quintal estava infestado daqueles seres estranhos, baixinhos, com cara de sapo, sem pelos, corpo verde e inchado e com dentes feitos de pedaços de vidros quebrados. Notou que eles também se movimentavam com uma ligeireza grande. Rapidamente eles alcançaram o depósito e começaram a arranhar a lateral de madeira do lugar. Mallory se assusta e eles decidem correr o máximo que podiam para tentar chegar a salvos na casa. Mallory foi bem rápida, mas Jared acabou sendo apanhado. Como uma excelente esgrimista ela segue as instruções do irmão e consegue atingi-los a machucá-los mesmo sem vê-los, salvando assim, o irmão mais novo.

Quando eles conseguiram se livrar dos goblins e chegarem à casa, os agressivos animais viram que o garoto estava com o livro. Em seguida saíram correndo como se estivessem fugindo. Após estarem em segurança, os irmãos decidem sair para procurar Simon. No meio do caminho encontram um troll mas conseguem fugir e salvarem-se em segurança.

Com muita cautela eles aproximaram-se do acampamento dos goblins, escondendo-se em troncos de árvores e viram que dez goblins estavam sentados ao redor de uma fogueira. Viram que perto de onde eles estavam havia um animal com cabeça de falcão e corpo de leão, do tamanho de um carro que estava machucado e sangrando. Jared reconhece o animal como sendo um grifo, descrito no livro de Spiderwick. Acima do acampamento dos goblins havia várias gaiolas e em uma delas encontrava-se Simon. Quando estava arquitetando uma forma de salvar o irmão, foi notado por Gritalhão, um ser com cara de sapo, olhos verdes de gato, de roupas e com dentes de bebê. Ele pede ajuda a Jared, para soltá-lo, mas o garoto não acha uma boa idéia, até o animal ameaçá-lo dizendo que iria gritar para os goblins que havia um invasor no acampamento. No sem jeito, Jared resolve ajudá-lo.

Jared solta o irmão gêmeo e Gritalhão cospe em um pano e passa nos olhos de Jared e Simon, com isso eles adquirem a visão, o poder de enxergar todas as criaturas mágicas sem a necessidade de usar a Pedra da Visão. Com isso, Jared dá a Mallory a pedra, pois ela precisaria já que eles teriam que fugir. Quando estavam fugindo, Jared nota que Gritalhão ficou para trás. E ele estava cercado por vários goblins. Jared não podia deixar para trás e daquela forma o ser que estava tentando ajudar ele. Então sem pensar muito ele chama atenção dos goblins e foge para o riacho na esperança de que o troll pudesse ajudá-los de alguma forma.

Jared notou que os goblins perseguiam eles cheio de ódio, mas foram surpreendidos pelo aparecimento do troll que acabou devorando todos os goblins. Tanto Simon quanto Jared sentiram-se enjoados com isso e foram para casa.

Simon estava muito preocupado com o grifo ferido. Decidem então irem até o depósito para ver se encontravam uma lona para colocar o animal em cima e levá-lo até a casa para que pudessem cuidar dele. Ao chegarem perto do acampamento, Simon vai até o grifo e com calma conversa com ele, explicando que não vão fazer mal a ele e sim cuidar dos ferimentos. Colocam a lona no chão, empurram o grifo para cima da lona e arrastam ele de volta para casa. Colocam o animal dentro do depósito, em cima de palhas e lhes dão água.

Finalmente ao chegarem em casa, encontraram a mãe chorando e falando ao telefone. Quando ela os nota, dá um grito e desliga o telefone. Com o dedo inquisidor aponta para Mallory e pergunta como ela pode ser tão irresponsável e pergunta onde eles estavam.

Jared dá uma desculpa muito esfarrapada e a mãe, irritada com eles coloca os três de castigo até o final do mês sem direito a brincar do lado de fora.

Eles então conversam sobre os acontecimentos do dia e a perseguição dos goblins. Chegam a conclusão que alguém ou alguma coisa estava observando a casa, esperando que o guia fosse encontrado e descoberto. O que os globins queriam na verdade não era as crianças e sim o guia. A pergunta era: porque eles queriam o guia e porque ele era tão importante para os goblins. Mas isso eles só descobrirão e nós, leitores, também, apenas lermos os outros volumes.

03
nov
09

A Hospedeira

a hospedeira

Após o sucesso com a série “Twilight”, a autora Stephenie Meyer, lançou o livro “A Hospedeira”. Um misto de ficção científica e romance (o seu ponto forte).

Quem já leu algum livro que compõem a série “Crepúsculo” já percebeu porque Meyer é um fenômeno na literatura mundial.

Muitas pessoas tem a tendência de comparar as obras literárias de um autor quando ele faz muito sucesso, mas, para mim, isso é totalmente incorreto e injusto. Ouvi pessoas dizerem coisas do tipo: “A Hospedeira é bom, mas Crepúsculo é muito melhor”. O tema da saga “Crepúsculo” não tem nada a ver com o que rodeia “A Hospedeira”. Ambos são excelentes, mas agradam públicos de gostos diversos. Há quem prefira a temática dos vampiros e lobisomens, mas há também aqueles que têm mais afinidade com o grande mistério da existência humana: vida extraterrestre.

Aqui a história se baseia em uma invasão de alienígenas ao planeta Terra, denominados “Almas” que necessitam de corpos hospedeiros para sobreviver.

Após terem vivido em diversos planetas em corpos de hospedeiros como flores, plantas, aranhas, ursos e morcegos, as “Almas” decidem vir para a Terra porque acreditavam que os seres humanos não mereciam viver em um planeta tão belo quanto o nosso. Meyer critica todas as atitudes e características do lado ruim que nossa espécie possui através do olhar de um ser que vem de fora. A destruição do planeta pela poluição, pelo uso indiscriminado dos recursos naturais, a exploração do homem pelo homem, a violência contra os da sua própria espécie e o pouco caso que as pessoas fazem pela dor e sofrimento do outro. É um tapa na cara a todo o momento.

As almas vieram para a Terra aos poucos e foram se misturando aos humanos, mantendo o mesmo tipo de vida que eles com tamanha perfeição que as pessoas não percebem o que está acontecendo e o que virá pela frente.

Seres extremamente pacíficos, gentis e possuem verdadeiro pavor à violência. Não precisam pagar pelo que comem ou vestem, mas por outro lado, todos exercem um trabalho para a sociedade, às vezes em sistema de rodízio, às vezes com uma profissão fixa. Eles consideram que a Terra se tornou um planeta melhor após a vinda deles.

Organizados, eles possuem nomes para funções específicas em sua sociedade. Os Buscadores são os seres responsáveis por localizar os seres humanos que ainda resistem à invasão. Os Confortadores conversam e dão conselhos as almas que estão com qualquer tipo de dificuldade, seja de adaptação ao novo hospedeiro ou enfrentando problemas com eles. Se pudesse corresponder as profissões dos humanos, seriam como os psicólogos e terapeutas. Os Curandeiros são os que ministram os cuidados físicos aqueles que estão doentes e controlam os usos de medicamentos. Como os médicos humanos. Os Curandeiros não utilizam os remédios humanos que foram todos descartados. Possuem remédios próprios, tais como Curar, Corta Dor, Fechar, etc (a parte em que Meyer fala e descreve os medicamentos e como eles funcionam e devem ser aplicados é interessantíssima e extremamente criativa). Os Curandeiros não apenas cuidam dos problemas de saúde, eles realmente reabilitam as pessoas totalmente, deixando-as com a saúde perfeita. Com a vinda das almas para a Terra as pessoas morriam de velhice, nunca mais de doenças ou acidentes, pois além dos medicamentos eficazes, eles eram extremamente cuidados e respeitavam todos os tipos de leis e normas, inclusive as de trânsito.

O livro começa com a inserção da alma Peregrina no corpo de Melanie Stryder, uma remanescente da resistência humana. O que quer dizer que Melanie seria uma hospedeira extremamente difícil de controlar e exigia que a alma que fosse inserida seja muito forte e com uma vasta experiência. Como Peregrina já havia estado em oito diferentes vidas e gozava de uma reputação excelente, considerada a alma mais excepcional e valente, ela foi a escolhida para tentar descobrir pela exploração das memórias de Melanie onde se escondiam os outros humanos integrantes da resistência.

Após ser inserida, Peregrina nota que aquela hospedeira é bem diferente dos hospedeiros de outros mundos em que ela havia vivido, já que ela controlava a maior parte dos sentimentos, pensamentos e emoções do corpo em que elas habitavam.

Peregrina acredita que Melanie não foi restabelecida corretamente e algo saiu errado no processo, justamente por causa dessa força que ela demonstrava ter. Peregrina não conseguia acessar todas as memórias de Melanie, que as controlava criando um muro, uma barreira intransponível.

Melanie a princípio odeia Peregrina e o seu povo e ambas faziam de tudo para desagradarem-se. A hospedeira tem um irmão mais novo, Jamie e um amor, Jared que ficaram para trás quando ela foi procurar por Sharon, sua prima que ela tinha certeza estar viva ainda. Ao entrar em um local proibido, Melanie é perseguida por Buscadores e ao ter consciência do que aconteceria com ela, se joga em um poço de elevador para se matar. Mas, apesar de muito machucada, ela não morre e os Curandeiros conseguem restabelecera. Melanie a todo momento pensa em Jamie e Jared, relembra momentos deles juntos e Peregrina acompanha tudo, todas as lembranças e emoções de Melanie. Apesar de pensar neles a todo momento, ela não deixava Peregrina saber onde estavam Jamie e Jared.

Melanie se comunicava com Peregrina através dos seus pensamentos e, angustiada, achando que a hospedeira estava cada vez mais forte, a alma busca apoio e ajuda em uma Confortadora. Bem a contragosto pois ela sempre acreditou que só quem se consultava com uma Confortadora eram os fracos. Procurar uma Confortadora era admitir para si própria que ela não era mais tão forte. A Confortadora fica muito preocupada com a situação de Peregrina e aconselha que ela procure um Curandeiro para que eles revejam a hospedeira, pois ela parece estar com defeito.

Peregrina pensa nas vantagens de abandonar o corpo de Melanie e ir para um hospedeiro mais calmo. Ela poderia ter um corpo só para ela, sem ter que dividir memórias e ouvir alguém se metendo o tempo inteiro na sua vida e nas suas decisões.

Concomitantemente aos conflitos vividos por Peregrina com a sua hospedeira, uma Buscadora designada para este caso, pega no pé da alma e cobra o tempo inteiro agilidade sobre as informações. Ela passa a infernizar a vida de Peregrina, persegue ela por onde ela vai, fica sentada no fundo da sala de aula que Peregrina dá aula, acompanha ela até sua casa… Isso irrita a alma mas irrita ainda mais Melanie. Peregrina achava não ser possível a hospedeira odiar mais um ser do que a ela, mas ao conhecer e conviver com a outra, Melanie mostra o quanto tem um verdadeiro horror e ódio a Buscadora.

Peregrina estava muito indecisa entre sair do corpo de Melanie e pular para outro hospedeiro ou continuar com ela. Melanie não gosta da idéia. E passa a odiar porque a Buscadora informa que já conversou com outras almas e elas disseram que a Buscadora tem carta branca para ser inserida no corpo de Melanie para ter as informações que eles tanto precisam se Peregrina não obtiver sucesso.

Peregrina então viaja para outra cidade para se consultar com um Curandeiro, mas a hospedeira sempre enjoa em aviões, restando a Peregrina ir de carro, o que irrita bastante a Buscadora, porque ela vai de avião e esperará pela outra alma em uma outra cidade, que seria a parada de Peregrina para descansar.

Mas a viagem solitária da alma e da humana, faz com que elas fiquem mais próximas e passem a se entender. Melanie revela para Peregrina parte de seus segredos, um esconderijo onde possivelmente Jared e Jamie estariam, se ainda estivessem vivos. Peregrina já tem consciência que ama aos dois e decide ajudar a humana. Melanie revela que tem um tio chamado Jeb que deu um mapa de um possível esconderijo e descobre onde fica: no meio do deserto. Elas passam em uma loja no meio caminho e pegam água e um pouco de comida.

Começam a busca pelo local. Mas acabam se perdendo no deserto e desidratada, Peregrina acaba se encostando em uma sobra de uma árvore e espera a morte. Mas no meio da noite a alma sente alguém mexer nela e lhe dão água. Melanie, através de Peregrina, grita o nome do tio e ele olha em seus olhos com uma lanterna e pede que ela não saia de onde está e some.

Quando Jeb volta está rodeado de outros humanos, o que deixa Melanie encantada por saber que existem outros humanos vivos e resistindo. Mas eles na verdade quando vêem os olhos dela percebem que ela não era mais humana. Pois toda vez que uma alma era implantada em um ser humano seus olhos ficavam com um círculo prateado, a marca de que ali não existia mais um ser humano. As pessoas que rodeavam Jeb e Peregrina estão se sentindo ameaçados pela presença da alienígena e querem matá-la, afinal ela era uma inimiga. Aos olhos de Peregrina, eles pareciam hostis e violentos.

Jeb consegue convencê-los a não matá-la e a leva, vendada para o esconderijo. Lá ela é mantida como prisioneira em um buraco nas rochas do vulcão em que eles viviam. O local antes era usado como depósito de produtos que eles usavam e se alimentavam.

Melanie quando reencontra Jared corre para lhe dar um abraço, mas ele revida com um tapa no rosto e a olha com desprezo e ódio. O que acaba machucando não apenas Melanie, mas Peregrina também.

Jared e Jeb se revezam como sentinelas de Peregrina e a princípio todos querem a sua morte. Ian e Kyle, irmãos truculentos, tentam matá-la, mas Jeb a defende.

Jamie aparece para ver Peregrina e conversa com ela. A alma conta a ele como era sua vida em outros planetas e aos poucos o garoto vai se encantando pela alienígena. Eles se tornam amigos e Peregrina revela que Melanie estava viva dentro dela e, com essa revelação conquista três grandes aliados, Jamie, Jeb e Ian, que após machucá-la passa a perceber como estava agindo errado e demonstra ao longo dos dias que o que sente por Peg era muito mais do uma amizade fiel.

Os mantimentos estavam acabando e Jared lidera uma incursão. Essa foi a oportunidade de Melanie ser transferida de loca, conhecer o esconderijo, conviver com as pessoas e se aproximar de Jamie. Ao descobrir que Peregrina é professora, Jeb decide que ela dará aulas informais para os habitantes do esconderijo. Ela conta para eles os planetas em que morou, as aventuras que viveu e tira dúvidas sobre o que eles queriam saber.

Ao retornarem da incursão, Jared e Kyle se irritam com as novidades e Jared decide que chegou a hora de matar Peregrina. Mas Jeb declara que Jamie também tem direitos sobre a decisão sobre o corpo de Melanie e Jamie não quer a morte de Peregrina de jeito nenhum.

Kyle, inconformado com a decisão de Jeb decide agir por conta própria e arma uma emboscada para Peg. Enquanto ela estava tomando banho ele aparece e tenta matá-la, jogando-a onde ficava a água fervente. Mas Peg não se entrega e luta com ele para conseguir continuar viva. O resultado é que Kyle cai, bate a cabeça e desmaia. O local em que ele cai a pedra está se soltando e ele está a beira da morte, pois a alma não tem força suficiente para conseguir arrastar Kyle do perigo. Ian aparece e salva Kyle, mas fica com muita raiva do irmão ao perceber o que ele tentou fazer, mesmo sob as negações de Peregrina.

Há um julgamento e Kyle é considerado inocente, porque a própria Peregrina defende ele. Mas Jeb deixa claro que a próxima vez em que alguém tentar matar ou agredir Peg, não haverá um julgamento e sim um enterro.

Após alguns dias Kyle agradece a Peg por ela ter salvo a sua vida, apesar de ele continuar achando que ela deveria ser morta. Peregrina fica muito confusa nesse período em que mora com os humanos e descobre neles qualidades e características que nunca imaginou.

Peg considera o ser humano a vida mais difícil que ela já teve, ao mesmo tempo em que eles são geneticamente violentos, são capazes de gestos de amor e compaixão que a tocam profundamente. Através do amor que ela sente por Jamie, ela entende o que quer dizer e o que representa a maternidade, o amor incondicional e o sentimento de dar a vida para salvar o outro. Jamie fica doente e Peg se sacrifica por ele. Sai em uma incursão com Jared para roubar remédios.

O doutor Doc fica maravilhado com a capacidade da atuação dos medicamentos das almas e gostaria muito de aprender as técnicas delas.

Peg descobre em Ian o que ela levou nove vidas para descobrir: o amor verdadeiro e um companheiro, mas a ironia é que foi justamente com um ser que nem é da sua mesma espécie.

Peg decide revelar a Doc o segredo que ela guardou por todo o tempo que passou na caverna: como retirar as almas dos corpos humanos e promete revelar a ele com uma condição: que ele a retire do corpo de Mel e a enterre ao lado dos seus amigos, Wes e Walter. Ela não quer ir para outro planeta, ela considera e escolheu a Terra como seu mundo e quer ser enterrada ao lado de duas pessoas que sempre foram amigas e a defenderam. Doc diz que não pode concordar com isso, mas Peg diz que eles dois já sabiam que ele não tinha escolha.

Melanie fica revoltada com a decisão de Peg, mas ela sabe que não tem solução. Peregrina é altruísta demais e sacrifica a sua vida para devolver a de Mel. A hospedeira e Jamie querem que ela aceite ir para outro corpo, mas Peg não quer fazer esse tipo de coisa de novo, não quer fazer com que um humano se torne um fantasma sem corpo.

A operação de retirada de Peg de dentro de Mel é feita, mas Doc não cumpre o prometido e Jamie e Mel escolhem um corpo de uma adolescente linda para ser o novo corpo de Peg. A alma revive e fica ao lado de Ian tentando se adaptar ao novo corpo que é mais frágil e menor do que o seu anterior.

Diante de tantas histórias sobre alienígenas, essa é a mais doce e com a visão mais romântica de como seria esse convívio entre espécies.

Meyer transmite uma mensagem de esperança e mostra com toque de mestre os conflitos e características dos seres humanos, o lado bom e o lado ruim. E o sentimento de esperança não seria assim, tão exclusivamente, da espécie humana.

Stephenie Meyer está entrando no rol dos escritores que tem as suas obras literárias adaptadas para o cinema, pois além de ter todos os direitos autorais comprados para a adaptação de todo os volumes da série “Crepúsculo”, o de “A Hospedeira” também já foi comprado. Agora é aguardar para ver e não vou negar que estou curiosa para saber como será o filme, porque o livro é simplesmente maravilhoso!

 

“É um livro de ficção científica que não parece ficção científica – é sobre um triângulo amoroso com apenas dois corpos. O que mais gostei nesse livro foi de explorar o amor de ângulos tão diferentes. O amor pela comunidade, pelo próprio ´eu´, pela família – o amor romântico e o amor platônico.” – Stephenie Meyer

 




Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,443,125 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
março 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 72 outros seguidores

Mais Avaliados