Posts Tagged ‘Harry Potter

21
nov
10

Tentada, sexto livro da série House of Night

 

“Tentada”, sexto volume da série “House of Night” das autoras mãe, P.C. Cast, e filha, Kristin Cast, chegou ao Brasil em agosto e, como era de se esperar, deu continuidade ao sucesso em críticas e aprovação dos jovens leitores. E este mês já está previsto o lançamento do sétimo volume, “Queimada”.

O que sempre me chamou atenção em relação a essa série, além da combinação que deu muito certo entre vampirismo e bruxaria, é a rapidez com que as traduções estão sendo feitas. Por que geralmente os livros estrangeiros demoram muito tempo para serem lançados no mercado nacional, mesmo quando já foram todos lançados lá fora. E no caso de “House of Night”, chega-se a ter dois ou três lançamentos no mesmo ano. O que deixa os leitores satisfeitos quando estão envolvidos na história e ávidos para saber o que acontecerá em seguida nas aventuras das personagens que habitam o seu imaginário.

A personagem central da história, Zoey, está cada vez mais envolvida com o anjo caído e vilão, Kalona. E passará a ter que enfrentá-lo inclusive em seus sonhos, já que o bonitão tem poderes suficientes para invadí-los. Mas, como sempre, ela tem seus amigos leais para ajudá-la sempre que a situação aperta.

E por falar em situação que aperta, Stevie Rae é quem mais se envolve em confusões e quase perde a vida mais uma vez, por conta de um dos nojentos Haven Morkers, criaturas esquisitas e nefastas que foram geradas pelo fruto dos estupros cometidos por Kalona contra as mulheres do povo da avó de Zoey.

“Tentada” está na média em comparação aos demais volumes. Para quem já vem sendo envolvido pela trama, ele consegue prender a atenção do leitor, no entanto, o considerei com uma narrativa muito lenta, cheia de momentos que se repetem (como no caso dos sonhos de Zoey com Kalona) de forma desnecessária, além de uma perda, que para mim, será irreparável ao longo da história. Até entendo o por que, mas como gosto da personagem, achei que as autoras poderiam ter prolongado a existência dela um pouco mais.

Não tem como não comparar a série com Harry Potter. Inclusive eu não gosto de fazer comparações, pois por mais que os autores, hoje em dia, sigam uma receita que dá certo, eu ainda prefiro focar nas peculiaridades e evitar as comparações. No entanto, a medida que os livros vão sendo lançados, a história vai ficando mais pesada e violenta, mostrando um certo amadurecimento das personagens e do próprio enredo, como aconteceu em HP. A medida que os livros iam sendo escritos, J. K Rowling trabalhava o psicológico das personagens, não apenas por elas estarem ficando mais velhas, mas também pelo próprio rumo que os fatos iam tomando. E, assim como em HP, não duvido nada que o nono e último livro de “House of Night” seja bem mais voltado para um público mais maduro. O que é problemático, nesta história, já que os livros são lançados no Brasil com muito maior rapidez do que os de HP foram. O que proporcionou que as crianças e adolescentes que acompanhavam a série pudessem crescer e amadurecer junto as persongens, e isso não acontece com esta série, afinal com dois a três lançamentos por ano, os leitores continuam praticamente os mesmos.

Para quem começou a acompanhar a série e gosta, não há jeito, vai continuar lendo, até por que a coleção é interessante, apesar de não ter um que de excepcional ou que traga algo absolutamente novo. No entanto, é garantia de uma leitura leve, gostosa, com diálogos engraçados e tiradas, muitas vezes, hilárias, além de personagens interessantes.

Na balança todos os livros da serie conseguem ser bem recomendados e garantem momentos de diversão para os leitores.

30
ago
10

Percy Jackson e os Olimpianos – O Último Olimpiano

O quinto livro da série “Percy Jackson e os Olimpianos”, “O Último Olimpiano” do autor americano, Rick Riordan, encerra a série de aventuras vividas por heróis (semideuses), humanos, deuses do Olimpo, sátiros e outros seres da mitologia grega.

Como eu adoro qualquer tipo de mitologia, quando vi o lançamento do primeiro livro da coleção, corri para comprar e me encantei pela história. No entanto, a todo momento, eu tinha que sacudir a cabeça, afinal parecia estar lendo “Harry Potter” a la grega. Eu não gosto de comparações, acredito que hoje em dia uma boa história sempre inspira outras. Para mim, “Harry Potter” está no topo da literatura infanto-juvenil. Acredito que levará muitos e muitos anos para que algum dia surja na literatura algo tão bom, criativo, encantador, mágico e inspirador quanto HP. E Riordan por ser um professor de inglês que lecionou durante quase duas décadas para jovens, bem sabe do que eles gostam e como criar histórias incríveis. Prova disso são as duas séries (“Percy Jackson” e “The 39 Clues”) que ele lançou e são fenômenos de venda em todo o mundo. Além da nova série quentinha que chegou ao mercado estadunidense sobre a mitologia egípcia.

Porém, por mais interessante que seja as aventuras vividas pelo semideus Percy, as comparações com HP são inevitáveis. O garoto protagonista, filho de Poseidon, é apaixonante. Diferente de Harry, ele não é órfão, mas desconhece o pai e existe em seu destino uma cruel profecia em que ele precisaria enfrentar a fúria de um Titã poderoso que poderia destruir não apenas o Monte Olimpo e o mundo mitológico grego, mas também toda a humanidade (coincidência?). Percy tem dois fies companheiros, Annabeth – uma inteligentíssima, corajosa e orgulhosa meio sangue, filha da deusa Atena e Grover – um sátiro engraçado, atrapalhado e imaturo (coincidência de novo?). Jackson precisa enfrentar desafios que muitos heróis gregos tiveram que enfrentar anteriormente e, ele sozinho, dá conta do recado.

No último livro da coleção eu praticamente me senti relendo “Harry Potter e as Relíquias da Morte”. Lógico que a história central, a temática, os monstros e as batalhas não são iguais, mas as particularidades são extremamente próximas. Para quem acompanha a série, vai perceber que “O Último Olimpiano” é eletrizante, praticamente é uma luta e ação atrás da outra. Quem costuma tomar fôlego e ler rápido, termina este livro em dois dias, no máximo, porque a curiosidade para saber como vai terminar o livro impera. Para quem gosta de histórias infanto-juvenis, independente de ser parecida com outra, também vai se divertir com Percy e sua turma.

Em alguns momentos os acontecimentos são previsíveis. Como em “O Príncipe Mestiço” de HP quando tomamos conhecimento do passado e história da família de Lord Voldemort, acabamos sabendo um pouco mais da história do vilão, Luke, e até tentamos simpatizar com ele, diante de sua história triste, o que acaba motivando toda a sua revolta. Em outros momentos dá canseira de tantas guerras e batalhas. O final não poderia ser diferente e ao término do livro, Riordan convence o leitor de que na balança, Percy acaba sendo aprovado e recomendado.

29
jun
10

‘Harry Potter e as Relíquias da Morte’ tem trailer liberado

Vi hoje pela manhã no site da Editora Abril a notícia de que ontem a Warner Brothers liberou o trailer oficial da primeira parte do último filme de Harry Potter e fui atrás do trailer para ver como ficou. Muito legal!

Uma série de livros que marcou gerações de crianças (e também adolescentes, porque não?) que sonharam com os bruxinhos Harry, Hermione, Ron, Gina e toda sua turma. Crianças que desejaram estudar em Hogwarts, ter Dumbledore como mentor e amigo, que quiseram dar um bom sopapo em Draco e tiveram pesadelos com Voldemort.

Em novembro estreia a primeira parte do sétimo filme baseado no também sétimo e último livro, “Harry Potter e as Relíquias da Morte”, da autora britânica J. K. Rowling.

Assim como no livro, no longa vamos encontrar a batalha final entre o bem e o mal, representados pelo lado de Harry Potter e seus aliados e Lord Voldemort e seus seguidores. Não sei dizer em que parte do livro a primeira metade do filme termina, mas a data prevista para a segunda metade estrear é 15 de julho de 2011. Pondo um ponto final na saga do bruxinho mais amado e conhecido em todo mundo. Será? Claro que não! Enquanto os jovens lerem os livros de Rowling, Harry e sua turma sempre estarão vivos. Afinal a literatura, a ficção e a imaginação é atemporal e imortal.

Não gosto de ler nas críticas especializadas em livros em sites, revistas e jornais quando o crítico comenta: “este livro está cotado para ser o novo Harry Potter”. Nenhum livro está cotado para ser o novo Harry Potter. HP é simplesmente HP e quem quer que seja o novo herói é outro herói. Isso para mim, essa comparação é só mais uma forma que o crítico encontra para dizer que a meninada vai gostar, que tem ação, aventura, um herói, um vilão, amigos leais, uma tentativa de despertar a curiosidade na criançada e, principalmente, por HP ser um fenômeno na literatura. Mas não necessariamente esse tipo de comportamento, esse tipo de crítica pode  funcionar.

Vamos a um exemplo claro. Novamente vou citar minha querida amiga blogueira Sandra: http://apenasumavez.wordpress.com ela me parece gostar de Harry Potter e detestou Percy Jackson. Onde quer que eu tenha lido algo sobre os livros de Rick Riordan, o autor do saga do herói filho do deus grego Poseidon, se fazia clara alusão que esses livros eram considerados os substitutos de HP, que Percy veio para ficar e ocupar o posto que antes era de Harry no coração de pequenos e grandinhos. Agora perguntem a Sandra se ela concorda com isso. Eu gosto e simpatizo com Percy, mas não o vejo como substituto de ninguém. Eu o vejo como mais uma opção de diversão para a criançada, apenas isso.

Portanto, não concordo com essas afirmações. Simplesmente não gosto disso e me reservo ao direito de não gostar e de dizer, pronto, falei.

Agora vamos ao trailer

14
jun
10

10 livros em 10 dias – 2º dia

Vi a proposta de um desafio muito interessante há alguns dias atrás no blog da Íris – www.literalmentefalando.blogspost.com e como achei bem divertido, resolvi adotar também. Em dez 10 comentarei sobre 10 livros que:

  • Mais gostei – 01° dia
  • Mais odiei – 02° dia
  • Mais barato que comprei – 03° dia
  • Mais caro que comprei – 04° dia
  • Mais prendeu minha atenção – 05° dia
  • Menos prendeu minha atenção – 06° dia
  • Mais recomendo – 07° dia
  • Menos recomendo – 08° dia
  • Mais interessante/diferente – 09° dia
  • Mais velho que você tem ou leu – 10° dia

Dia 2: Livro que mais odiei

  • Escolha: “Septimus Heap – Magya”, Angie Sage

Essa escolha para mim foi bastante fácil. Eu dificilmente odeio algum livro. Posso até não gostar muito, não recomendar, não curtir o gênero ou o estilo de narrativa, mas muito raro eu odiar. No entanto, o primeiro livro da série “Septimus Heap”, “Magya”, eu odiei. Detestei tudo, a história, a narrativa, as personagens. Enfim, nada me agradou. Fechei o livro sem o menor escrúpulo ou culpa.

“Magya” é uma história totalmente desinteressante, uma cópia descarada e muito ruim do mundo de Harry Potter.

Para completar eu ter certeza de que não darei nunca mais a esse livro, a essa coleção, uma nova chance. Não estou nem um pingo disposta a ser mais simpática e lê-lo mais uma vez. Traumatizei e estou resistente de todas as formas.

A maior raiva que tive foi de ter comprado o livro, crente do sucesso que era bom e foi relativamente caro. Fico pensando que poderia ter utilizado o dinheiro para comprar tantos livros bons da enorme lista que tenho como objetivo ainda adquirir um dia. Por isso quando cheguei nas 40 primeiras páginas do livro eu o fechei e disse: “ai que óooodio”.

Infelizmente não consigo relatar nada de positivo do livro, portanto, para quem puder evitar se deparar com ele, evite. Ninguém merece esse livro!

Essa escolha para mim foi bastante fácil. Eu dificilmente odeio algum livro. Posso até não gostar muito, não recomendar, não curtir o gênero ou o estilo de narrativa, mas muito raro eu odiar. No entanto, o primeiro livro da série “Septimus Heap”, “Magya”, eu odiei. Detestei tudo, a história, a narrativa, as personagens. Enfim, nada me agradou. Fechei o livro sem o menor escrúpulo ou culpa.

“Magya” é uma história totalmente desinteressante, uma cópia descarada e terrível do mundo de Harry Potter.

O pior é eu ter certeza de que não darei nunca mais a esse livro, a essa coleção, uma nova chance. Traumatizei e estou resistente de todas as formas. A maior raiva que tive foi de ter comprado o livro, crente do sucesso que era bom e foi relativamente caro. Fico pensando que poderia ter utilizado o dinheiro para comprar tantos livros bons da enorme lista que tenho como objetivo ainda adquirir um dia. Por isso quando cheguei nas 30 primeiras páginas do livro eu o fechei e disse: “ai que óooodio”. Infelizmente não consigo relatar nada de positivo do livro, portanto, para quem puder evitar se deparar com ele, evite. Ninguém merece esse livro!

12
jun
10

Feliz refém dos vampiros

Não é por nada não, mas quando vi noticias sobre o lançamento do livro “A Breve Segunda Vida de Bree Tanner” (pelo amor de Deus, quem é Bree Tanner?) de Stephenie Meyer, fiquei muito desconfiada. Twilight já é um sucesso, best seller, ganhou versão para a telona, virou HQ, deu muita grana para a autora e os atores que representam as personagens, para que mais essa história? Um livro curto, uma história paralela… fico pensando que é apenas para ganhar mais dinheiro. Como sempre acontece em uma coleção de sucesso, como “Harry Potter”, por exemplo. A quantidade de outras obras que surgiram para se aproveitar da história do bruxinho foi incrível, até mesmo livros explicando como funciona o quadribol e os animais mágicos estranhos que fazem parte do universo mágico de Harry.

Não gosto desse tipo de coisa, mas enfim, é o mundo capitalista em que vivemos e os fãs que são fãs, com certeza, vão comprar esse tipo de obra, porque tudo que tiver referência a Twilight vai atrair o leitor modelo.

Quando vi o livro fiquei na dúvida se comprava ou não. Apesar de não gostar desses livros que querem apenas vender, eu sou curiosa, então peco ai. Ainda não comprei o livro, mas vamos ver se resolvo comprar e volto para dar a minha opinião sobre a história.

Feliz refém dos vampiros

Autora da série best-seller Crepúsculo, Stephenie Meyer volta ao mesmo universo para contar uma parte da história da perspectiva de um ser do mal. Ou, mais precisamente, de um ser mal orientado

Jerônimo Teixeira

VEIA ROMÂNTICA
Stephenie Meyer, a estilista:
“Seus dentes brilhavam sob
a luz de um poste”

Stephenie Meyer não gosta de vampiros. Nunca foi fã de Bram Stoker, o autor de Drácula, e não vê filmes de terror (até porque estes não se coadunam com os ditames de sua fé mórmon). No entanto, a escritora americana é a criadora da saga Crepúsculo, cujos quatro títulos já venderam mais de 80 milhões de exemplares no mundo e deram início a uma nova voga de filmes e livros de vampiros. A ideia de escrever uma série sobre sugadores de sangue adolescentes que exercem a escolha moral de não matar humanos teria surgido em um sonho. “Não escolhi os vampiros. Eles me escolheram”, declarou Stephenie em uma entrevista a VEJA, há dois anos. É um problema quando essas criaturas escolhem alguém: não largam mais. Stephenie tentou a mão em um romance de ficção científica, A Hospedeira, sem a mesma repercussão. No Brasil, vendeu cerca de 140 000 exemplares, número para lá de expressivo – mas que nem de longe se equipara às cifras de Crepúsculo, com 4,5 milhões de volumes comercializados no país. Agora, às vésperas do lançamento do filme Eclipse, baseado no terceiro livro da série, Stephenie volta ao mesmo universo com A Breve Segunda Vida de Bree Tanner (tradução de Débora Isidoro; Intrínseca; 192 páginas; 24,90 reais).

Lançado no Brasil nesta semana – juntamente com a edição americana –, o novo romance é, muito oportunamente, um desdobramento de Eclipse, o episódio que está chegando aos cinemas. Nesse livro, a vampira Bree Tanner era uma personagem secundária na luta épica dos Cullen – o clã de vampiros do bem – contra a malévola Victoria. A tetralogia Crepúsculo é toda narrada em primeira pessoa por Bella, a romântica humana que se apaixona pelo charmoso dentuço Edward Cullen. Bree Tanner, na aparência, constituiria um lance mais ousado: a mesma história (ou uma pequena parte dela) narrada do ponto de vista de uma criatura do mal, uma vampira que não tem escrúpulos em matar pessoas para se alimentar. Mas Bree, no final, não é tão perversa. A coitadinha é só uma vítima das más companhias.

O apelo da série original junto ao público adolescente está no seu romantismo gótico, com a moça determinada mas inocente (virgem, inclusive) que se apaixona irremediavelmente por um rapaz sensível e meio mórbido – mas dotado de força sobre-humana. A fórmula é repetida em Bree Tanner, com um quase namoro entre a protagonista e outro vampiro, Diego. As cenas de ação são meio canhestras mesmo para os padrões fantasiosos desse tipo de literatura, a expressão de emoções é simplória (volta e meia aparece um personagem que “franze a testa”) e o texto traz frases desengonçadas (“seus dentes brilharam sob a luz de um poste”). Isso deve importar pouco para um público adolescente que deseja doses iguais de açúcar e sangue. Stephenie Meyer encontrou um rico veio (ou será uma veia?) romântico. É uma feliz prisioneira dos vampiros

Fonte:  http://migre.me/NYcP

01
jun
10

Dia Mundial da Criança

Hoje, primeiro de junho, é o Dia Mundial da Criança e em homenagem a esses pequenos seres que enchem as nossas vidas de alegrias, encantos, diversão e esperança, selecionei algumas crianças adoráveis, especiais, pentelhas, maravilhosas, mágicas e encantadoras do universo literário.

1 – O Pequeno Príncipe (Antoine de Saint-Exupéry)

Ele é doce, inocente, puro e já emocionou muitas e muitas gerações de pequenos e grandes seres humanos. Assim como ele, devemos ser “responsáveis por aquilo que cativamos”.

2 – Zezé (Meu pé de Laranja Lima – José Mauro de Vasconcelos)

Qual leitor não riu das trapalhadas e travessuras do pequenino Zezé de José Mauro de Vasconcelos? Qual leitor não chorou e se emocionou com as dores e sofrimentos precoces do pequeno dono do pé de laranja-lima mais conhecido do Brasil? Zezé é aquele menino que a gente tem vontade de pegar no colo, acalentar e encher de beijos.

3 – Tistu (O Menino do Dedo Verde – Maurice Druon)

O doce menino que no final se torna aquilo que todos desconfiávamos desde o começo do livro: um anjo. Seu mágico dedo verde fez brotar não apenas plantas e flores para alegrar toda uma cidade, cultivou bons sentimentos em todos aqueles que conheceram a sua história simples e bonita.

4 – Lyra (A Bússola de Ouro – Philip Pullman)

Ela é mentirosa, sabichona, brinca com os moleques da rua, sobe em telhados, engana um urso de armadura, não gosta de tomar banho, mas mesmo assim faz todo leitor se apaixonar por ela e seu fofo Daemon, Pantalaimon.

5 – Artemis Fowl (Eoin Colfer)

O menino prodígio do crime é um anti-herói maquiavélico, seqüestrador de fadas e ladrão de ouro. No entanto, é divertido, inteligente e vive cheio de aventuras. Mexe com o imaginário infantil e prova que com amor e paciência, até os piores podem um dia se tornar bons.

6 – Harry Potter (J. K. Rowling)

Ele é o bruxinho mais amado nos cinco continentes. Quem nunca quis entrar nos livros de J. K. Rowling para ajudá-lo a superar todos os desafios a que fora submetido? Qual criança nunca sonhou estudar em Hogwarts, ter uma varinha e enfrentar os bruxos do mal ao lado do garoto que perdeu os pais pelo imenso amor que eles tinham por ele?

7 – Lucy (As Crônicas de Nárnia – C. S. Lewis)

Ela é um docinho, meiga, boa menina, comportada, corajosa e não mente de jeito nenhum. Uma criança assim, além de conquistar uma legião de adoradores, só podia ser mesmo destinada a ser uma princesa.

8 – Percy Jackson (Rick Riordan)

Para quem tem como pai Poseidon, o deus dos mares, ele não precisa de grandes apresentações. Um herói que carrega o peso de uma profecia, tem amigos leais, uma mãe apaixonada e vive se metendo em confusões. Ele e Contracorrente, sua espada mágica, vem conquistando muitos de fãs ao redor do mundo.

9 – Sunny Baudelaire (Desventuras em Sperie – Lemony Snicket)

Ela tem dois anos, mas dentes muito poderosos. Não fala muito bem, mas se expressa como ninguém com os seus irmãos Violet e Klaus. Uma das órfãs mais queridas da literatura. Fofa, engraçada, determinada e uma grande mestre cuca, para que mais?

10 – Emília (O Sítio do Pica Pau Amarelo – Monteiro Lobato)

Uma boneca de pano que ganha vida e com ela muitas qualidades e defeitos humanos. Ela é atrevida, desaforada, mandona, mas a boneca dos sonhos de toda menina. Até eu queria ter tido uma Emília para chamar de amiga.

É claro que outras personagens crianças mereciam e deveriam estar nesta lista, tais como Alice (“Alice no País das Maravilhas”), Charlie (“A Fantástica Fábrica de Chocolate”), Dorothy (“O Mágico de Oz”), Will (“A Faca Sutil”), Maggie (“Coração de Tinta”), Colin (“Colin Cosmo e os Supernaturalistas”), Nim (“As Aventuras de Nim”), Bruno (“O Menino do Pijama Listrado”) e tantos outros. As histórias são muitas, as personagens inesquecíveis, os autores maravilhosos. Mas convenhamos, esses dez são mesmo nota 10!

12
maio
10

Disputa salarial adia anúncio do filme “Crepúsculo 5”

Matéria extraída do site http://migreme.net/8ff

 

Da Reuters

O estúdio responsável pela franquia de filmes “Crepúsculo” está trabalhando arduamente para fechar os acordos com atores necessários para dividir o quarto livro da série de vampiros da autora Stephenie Meyer em dois filmes.

Mas um obstáculo improvável está adiando o anúncio e pode até levar a mudanças no elenco do filme final da série.

A Summit Entertainment está perto de fechar contratos com os protagonistas Kristen Stewart, Robert Pattinson e Taylor Lautner, que receberão aumentos polpudos para retornar para um quinto filme da saga.

O diretor Bill Condon já foi contratado para fazer dois filmes “Amanhecer”, a serem rodados consecutivamente no outono no hemisfério norte e lançados respectivamente em novembro de 2011 e no verão de 2012 no hemisfério norte.

Mas a Summit está tendo mais dificuldade em fechar com alguns dos atores coadjuvantes da série. Os contratos com Peter Facinelli (que representa Carlisle Cullen) e Billy Burke (o pai de Bella, Charlie Swan) já foram acertados, mas fontes dizem que os atores que fazem os jovens Cullen (especialmente Kellan Lutz e Ashley Greene) querem receber mais do que o estúdio está disposto a oferecer.

“É possível que um deles tenha que ser demitido para deixar as coisas claras”, disse uma fonte próxima das negociações.

Hoje, depois dos dois primeiros filmes da série, mesmo os atores coadjuvantes viraram astros valorizados; faz sentido que queiram receber mais pelo último filme. Mas, segundo as fontes, as ofertas da Summit – que teriam sido pelo menos 10 vezes maiores do que os valores que os atores receberam com o primeiro filme – foram considerados “insultantes”, em vista dos lucros enormes gerados pela franquia.

O estúdio tem razões para estar preocupado com custos, desta vez. Como é habitual com as franquias de sucesso, os filmes da série “Crepúsculo” estão ficando mais caros a cada novo capítulo.

Os atores principais vão se dar especialmente bem se “Amanhecer” for dividido em duas partes. Os três foram contratados originalmente para fazer três filmes (isso na época em que “Crepúsculo” não passava de adaptação feita com orçamento pequeno de um romance de nicho para adultos jovens), mas, na primavera de 2009 no hemisfério norte, depois de o primeiro filme ter feito sucesso internacional, eles renegociaram seus contratos, para que o estúdio pudesse conservá-los para o quarto filme.

Então o estúdio percebeu que “Amanhecer”, com mais de 900 páginas e narrativas relatadas desde duas perspectivas, era suficientemente denso para ser dividido em duas partes (como a Warner Bros. anunciou que fará com o último “Harry Potter”). Havia só um problema: o elenco não tinha contrato para fazer um quinto filme. Agora seus integrantes são todos grandes astros, tendo Lautner, em particular, elevado seu preço para cerca de 7,5 milhões de dólares por filme. Assim, uma nova negociação começou.

Os gastos adicionais com os protagonistas tornarão o último filme muito mais caro que os primeiros (“Eclipse”, que chega aos cinemas em 30 de junho, está custando cerca de 65 milhões de dólares, valor que certamente será superado pelo quarto e quinto filmes, mesmo que seja possível reduzir os custos, rodando os dois filmes ao mesmo tempo). Por essa razão o estúdio ainda não abandonou a possibilidade de fazer apenas um “Amanhecer”, embora várias fontes dizem que ficarão muito surpresas se não houver um quinto filme da série.




Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,469,974 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
agosto 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados