29
jul
10

“Zodíaco” de Robert Graysmith: investigações policiais carregadas de suspense sobre um serial killer

Foi com essa frase (trecho de uma das muitas cartas enviadas pelo Zodíaco para a redação de um grande jornal nos Estados Unidos, na década de 60) que decidi começar o post de um livro lançado no mercado brasileiro em 2007 apenas porque a produção do filme estava dando passos largos. Me refiro a “Zodíaco“ de Robert Graysmith.

Mais uma vez o mercado deste país decide publicar livros que já existem há tempos em outros países apenas porque uma adaptação foi feita para o cinema. Mas fazer o que não é mesmo? O cinema é mais barato, atinge maior público, é mais rápido e fácil de absorver, tem recursos que muitos consideram mais atrativos que a literatura. Mas como sou otimista e tenho grandes esperanças para muitas coisas, sonho com o dia em que o cinema não seja o único embasamento para que os brasileiros saibam da existência de títulos que são bons e muito populares em países que prezam e respeitam a cultura.

“Zodíaco” é um livro que mexe com os nervos de quem lê. Apesar de vivermos em uma época em que há a banalização da vida (ou seria da morte?), em que ao ligarmos a televisão e sintonizarmos em qualquer telejornal de qualquer canal da TV aberta ou fechada vamos ouvir e ver notícias sobre morte, assassinato, corrupção e outros tantos tipos de violência, em que há filmes e seriados que lidam diretamente com o assunto morte, esse livro despertou minha curiosidade.

A literatura, o cinema, o teatro, a música deveriam nos livrar dessa realidade cruel e pungente. No entanto, uma vez ou outra gosto de ler algo real, cruel, avassalador, que mexa com os meus nervos e provoque sentimentos extremos, seja ele raiva, revolta, nojo e afins. E por conta deste lado curioso e sádico, fui seduzida por “Zodíaco”.

O livro é baseado em fatos reais e o autor viveu de perto a estória. Robert Graysmith era um cartunista em um grande jornal de São Francisco, na Califórnia no final da década de 60. Bem jovem, Graysmith acompanha o alvoroço na redação do San Francisco Chronicle com o recebimento de uma carta codificada juntamente com um pedaço de pano ensangüentado que parece ser parte de uma roupa.

Esse pitoresco fato vai despertar a curiosidade e o lado detetivesco do jovem e com o tempo faz com que isso se torne uma verdadeira obsessão para ele.

Empenhados em decodificar a carta recebida, os jornalistas e agentes do FBI e da CIA se unem. Diversas tentativas foram feitas para entender a mensagem, porém após muito custo e tentativas mal-sucedidas, o código foi decifrado. Começa então uma investigação sobre a autoria da carta, afinal um homem declarava ter assassinado outro e deu pistas sobre o próprio crime que cometera.

E, assim, uma sucessão de crimes hediondos e gratuitos começou a acontecer na Califórnia, aterrorizando a população, intrigando a polícia e inquietando jornalistas. Cartas começaram a chegar à redação do San Francisco Chronicle narrando outros crimes, futuros crimes e dando pistas sobre quem era o Zodíaco, codinome dado pelo assassino para si próprio.

O Zodíaco começou a ficar ainda mais ousado e passou a exigir que o San Francisco Chronicle publicasse trechos de suas cartas nos jornais. O que foi uma grande polêmica entre editor e policiais, pois se não publicassem, novos crimes aconteceriam, e se publicassem se tornariam reféns das exigências do maníaco.

Policiais e agentes por mais que investigassem e tentassem descobrir o verdadeiro assassino, não chegaram a lugar algum. E por mais de vinte anos as investigações prosseguiram, sem sucesso.

O jornalista Paul Avery, amigo de Graysmith dá uma de detetive e tenta também identificar a identidade do serial killer, também sem chegar a lugar algum. E nessa busca louca e desenfreada estava também o próprio jovem cartunista que acabou por negligenciar a própria família em busca da sua obsessão.

O Zodíaco, a ousadia de suas ações, a perfeição com que cometia os crimes sem deixar vestígios claros e a não solução dos casos, impressionaram tanto Graysmith que ele decidiu escrever o livro “Zodíaco” contando detalhes sobre a estória de um dos serial killers mais procurados dos Estados Unidos, até hoje.

O livro traz as cópias das cartas, trechos dos jornais que publicaram as exigências do assassino, comentários dos investigadores, detalhes dos crimes e das vítimas, os suspeitos investigados e também suas próprias impressões e investigações. É um livro muito bem escrito, rico em detalhes e que impressiona. Não sei, mas acredito que se esses crimes fossem cometidos nos dias de hoje, seria mais fácil chegar até ao assassino. Afinal os aparelhos técnicos de investigação evoluíram muito, as técnicas de investigações também, bem como os recursos biológicos para identificação de DNA.

Gostei do filme baseado no livro. Com um elenco interessante (gosto muito de Mark Ruffalo – “Ensaio Sobre a Cegueira” e Jake Gyllenhaal – “O Segredo de Brokeback Mountain”) e boas atuações, o filme não deixa muito a desejar em relação ao livro. No entanto, no filme deram tanta importância a personagem do jornalista Paul Avery (Robert Downey Jr. – “Homem de Ferro”) e no livro ele não tem tanto destaque assim. Mas no filme, essa atenção exagerada é até entendível, afinal Avery é jornalista, amigo de Graysmith e tem papel importante nas investigações.

Infelizmente o segundo livro escrito por Graysmith sobre o tema, “Zodiac Unmasked: The Identity of Americas Most Elusive Serial Killer Revealed” não chegou por aqui e acredito que não chegue mais. Então que fiquemos apenas com o primeiro dos livros e vale ressaltar que para quem gosta de uma boa investigação policial na literatura ou, como eu, sente curiosidade esporadicamente de ler algo mais pesado, “Zodíaco” é uma boa pedida!

Anúncios

4 Responses to ““Zodíaco” de Robert Graysmith: investigações policiais carregadas de suspense sobre um serial killer”


  1. 1 Sandra Oliveira
    julho 29, 2010 às 9:48 am

    Não li o livro, mas na época que assisti o filme, soube que era baseado em uma obra literária. O que me fez acreditar, após terminar o filme, que o livro teria sido uma melhor opção, porque não gostei do filme em si. A história é aterrorizante, e como todo mistério envolvendo esse tipo de assunto, gera uma curiosidade que a gente nem sabe explicar. Embora veja todos os dias na tv, como vc disse, ainda assim, sabemos que um livro baseado em fatos reais causa um grande impacto psicológico. E normalmente, eu espero que o filme vá pelo mesmo caminho. Para mim, no entanto, com Zodíaco, o filme, não foi assim. Achei lento e arrastado, e como vc disse, um enfoque enorme no personagem do Downey Jr, embora eu não tenha lido o livro, saquei que ele ali estava mais para preencher espaço e deixar o filme ainda mais longo. Talvez com uma duração menor, o longa tivesse sido melhor aproveitado, enfim.

    Muito interesante as fotos que vc postou, estão no livro?

    beijos ^-^

  2. julho 29, 2010 às 9:59 am

    Bom, em termos de filme, a especialista é você aqui hehehe eu sou mera consumidora, mas o livro é melhor, até porque é todo focado na visão do autor que teve papel crucial no caso (à maneira dele quando decide investigar), minha crítica ficou mesmo em relação ao destaque dado a Downey Jr. O ritmo lento do filme acho que foi pela questão da época mesmo. As investigações eram lentas, caminhavam a passos curtos, afinal aconteceram há 40 anos atrás. Pouco se chegava a resolução de fato em relação a crimes onde o executor apagava as pistas e os vestígios.
    Sim sim, a história é terrível. No livro há maiores detalhes dos crimes, o que deixa o leitor ainda mais chocado. No filme eles amenizam. Fato curioso é o episódio da mãe com o bebê quando foi abordada pelo Zodíaco. No filme eles abordam o inicidente como apenas mais uma tentativa gratuita de assassinato, quando no livro há maior detalhamento, depoimento da mãe e tal. O livro é mais rico em todos os sentidos. Mas no foco da historia central o filme não deixa a desejar. Mas as observações que você fez é o que de fato poderia tornar o filme mais atrativo para quem não leu o livro.
    As fotos estão no livro sim. As fotos, trechos das cartas, relatórios da polícia, retratos falados do suposto criminoso e mais alguns detalhes enriquecem o livro. E terrível, mas deixa a gente curioso.
    =***

  3. janeiro 10, 2012 às 8:34 am

    Gostei muito do filme, apesar da demora. Fiquei muito curioso achando que no final iria saber quem era o Zodíaco, mas restou apenas algumas observações no final do filme, falando que o maio suspeito teve um ataque ( ou derrame, eu acho), deixando a grande dúvida ” Vá que o zodíaco ainda está vivo” :O

    Estou afim de comprar o livro, para entender mais a história, já que é em fatos reais.

  4. março 15, 2012 às 9:00 pm

    A única coisa chata nisso tudo é que não o encontrei pra download!!! Queria muito ler o livro!!! O filem foi excelente; valeu cada minuto!!! ;D


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,461,833 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
julho 2010
S T Q Q S S D
« jun   ago »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados


%d blogueiros gostam disto: