22
abr
10

A revolução de Alice

Matéria publicada no jornal Tribuna da Bahia, no caderno Dia & Noite, na página 19, no dia 20 de abril de 2010.

 

A revolução de Alice

 

Inovador, atual e ao mesmo tempo um retorno ao passado. Assim é a releitura do clássico de Lewis Carroll, “Alice no País das Maravilhas”, que ganha contornos mais sombrios pelas mãos de Tim Burton, e estréia nos cinemas brasileiros, em versão 3D, no próximo dia 23.

A adaptação do clássico da literatura inglesa conta com Johnny Depp como o Chapeleiro Maluco, Mia Wasikowska, no papel principal, Helena Bonham Carter, a Rainha Vermelha e Anne Hathaway como a Rainha Branca.

A nova versão da menina Alice, agora com 19 anos, relata o retorno dela ao País das Maravilhas para fugir de um casamento arranjado. Sem se lembrar que já esteve no local antes, ela reencontra o Chapeleiro Maluco, a Rainha Branca e a Rainha Vermelha.

Foi a mistura de fantasia da Disney e estilo autoral de Tim Burton que criou esta Alice moderna, e que tem uma proposta menos crítica, do que a da obra original. Questionado sobre a fronteira entre sonho e realidade, muito forte em “Alice no País das Maravilhas”, e marca preferencial de seus filmes, Burton explica. “Porque o mundo está ficando mais estranho, e não mais normal! E as pessoas continuam tentando separar a realidade da fantasia, quando essa divisão está cada vez mais embaralhada por conta da internet e da TV. Para mim, fantasia sempre foi uma forma de explorar a realidade. Por isso gostei muito de “Alice”, uma história em que imagens bizarras criadas pela mente são, no fim das contas, reais e servem para lidar com questões concretas”, conclui o diretor.

Mesmo não sendo fiel ao roteiro original, a película une os dois livros escritos por Carroll, “Aventuras de Alice no País das Maravilhas” (1865) e “Através do Espelho e o que Alice encontrou por lá” (1872). “Existem mais de 20 versões de “Alice” que, ao meu ver, sofrem do mesmo problema, são muito literais. Nunca me conectei com elas. Queria ser fiel ao legado e ao espírito dos personagens, e não à história em si. Segui meus instintos sem medo. Além do que, o material já é esquisito o suficiente! É algo tão subversivo que, se fosse feito hoje em dia, provavelmente seria banido!”, explica Tim Burton.

A tecnologia “a la” Disney, é um quesito a parte, os personagens criados em computação gráfica dão um show e mostram como um entretenimento tem cada vez mais prestígio em Hollywood, destaque para o Coelho Branco e o Gato Risonho que possuem um desempenho tão interessante quanto os personagens reais. Foram os efeitos especiais que possibilitaram também outras características marcantes no filme. A altura dos personagens muda a cada instante e não existe um tamanho padrão em praticamente ninguém. Mas para o diretor, o 3D não salvará o cinema. “É uma ferramenta com o potencial de adicionar uma camada extra de sensações. Existe a música, a cor, o movimento e o 3D! mas não vai salvar o cinema. Pode acreditar que nos próximos meses será lançada uma porção de filmes 3D porcarias porque tem gente achando que basta ser 3D para ser bom. É a nova onda”, desabafa.

 

“Alice no País das Maravilhas” reúne o melhor de Tim Burton e da Disney em um show de efeitos 3D. Os baianos poderão conferir a releitura do clássico de Lewis Carroll, no próximo dia 23, nos cinemas.

Anúncios

0 Responses to “A revolução de Alice”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,470,669 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
abril 2010
S T Q Q S S D
« mar   maio »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados


%d blogueiros gostam disto: