24
mar
10

O rival da Britannica

Entrevista publicada na revista Veja nas páginas amarelas do dia 16 de dezembro de 2009.

 

O rival da Britannica

 

Entrevista Jimmy Wales, feita por Thomaz Favaro

 

O fundador da Wikipédia diz que o objetivo da maior enciclopédia do mundo é tornar-se uma fonte de informações de qualidade na internet

 

A Wikipédia funciona como um livro aberto, de acesso gratuito e escrito pelos próprios leitores. Qualquer pessoa pode alterar, adicionar ou apagar o conteúdo disponível no site. O crescimento da enciclopédia reflete o poder da criação coletiva na internet. A edição em inglês já contém quase 3,1 milhões de verbetes. Há versões em mais de 260 línguas, o que a torna um dos cinco sites mais visitados da rede. O grosso do trabalho é feito pelos wikipedistas, como são conhecidos os colaboradores voluntários da enciclopédia. O americano Jimmy Wales, 43 anos, foi quem a criou, em 2001. Wales diz que o principal objetivo da Wikipédia é superar a rival Enclyclopaedia Britannica, publicada desde o século XVIII e a mais conceituada obra do gênero. “Em algumas áreas do conhecimento, nós já conseguimos essa façanha”, afirma. Wales falou a VEJA do escritório da Wikimedia Foundation, entidade sem fins lucrativos que mantém a enciclopédia no ar, em São Francisco.

 

  • Você recomendaria a Wikipédia como uma obra de referência a estudantes do mundo todo?

 

Sim, desde que sejam tomadas algumas precauções. Primeiro, a Wikipédia é um excelente ponto de partida. É uma enciclopédia abrangente, escrita numa linguagem simples e de fácil acesso. Mas a Wikipédia não é o melhor ponto final para uma pesquisa. É preciso aprofundar a investigação procurando outras fontes de informação. O leitor pode encontrá-las no rodapé dos verbetes, no qual há boas referências sobre o tema, como livros, jornais, revistas e outros sites na internet.

 

  • Quais medidas já foram adotadas para melhorar a qualidade dos artigos e impedir a ação de vândalos?

 

Muitas ferramentas já foram desenvolvidas com esse objetivo. Qualquer mudança feita nos artigos é arquivada, o que permite aos editores reverter rapidamente uma alteração maldosa ou incorreta. Colaboradores podem se encarregar de artigos com os quais têm mais familiaridade e receber notificações imediatas quando seu conteúdo é realizado em grupo, por meio dos wikiprojetos. São voluntários que se reúnem para verificar se todos os artigos de determinado assunto são escritos corretamente e trazem informações verdadeiras. Em geral, são pessoas que se interessam pelo tema e têm conhecimento de causa. Há grupos sobre pássaros, pontes, aviões, sobre praticamente qualquer assunto que você imaginar. Nosso objetivo é criar uma enciclopédia de alta qualidade, igual à Encyclopaedia Britannica ou melhor que ela. É um processo em andamento, e posso dizer que, em algumas áreas, essa meta já foi alcançada. Tradicionalmente, somos fortes em tecnologia, ciências exatas e cultura popular, sobretudo a cultura nerd, como as séries “Guerra nas Estrelas” e “Jornada nas Estrelas”. Estamos tentando atrair mais autores que escrevam sobre temas pouco explorados na Wikipédia, como as ciências humanas em geral. Poesia, por exemplo, é um de nosso pontos fracos.

 

  • Antes de criar a Wikipédia, você havia lançado a Nupedia, uma enciclopédia escrita unicamente por especialistas, como a Britannica. Porque o projeto não deu certo?

 

A Nupedia era construída de cima para baixo. Para participar, o voluntário precisava mostrar suas credenciais e provar que era apto a discorrer sobre o tema. Cada artigo criado passava por um processo de verificação com sete etapas. Além de ser uma grande barreira à participação, o processo não era tão divertido. Na Wikipédia, a motivação encontra um parceiro ideal – a diversão. Temos um objetivo humanitário, que é a criação de uma enciclopédia gratuita para todos os habitantes do planeta em sua própria língua. É uma meta grandiosa, que anima muita gente. O colaborador sabe que seu trabalho vai beneficiar pessoas no mundo todo. É fácil participar, mesmo que em pequenas doses. Se alguém domina um tema em particular, pode contribuir com informações ou corrigir pequenos erros. Uma vez iniciado o processo, as pessoas acabam conhecendo outros editores, gente que está interessada nos mesmos assuntos. Os Wikipedistas discutem sobre o que deve ou não entrar em determinado verbete. Há interação social por trás de cada artigo da Wikipédia.

 

“Queremos ser uma enciclopédia de qualidade, igual à Britannica ou melhor que ela. Em algumas áreas, essa meta já foi alcançada. Somos fortes em tecnologia, ciências exatas e cultura popular. Já poesia é nosso ponto fraco”

 

  • Segundo um estudo da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, o tempo médio para a correção de um erro na Wikipédia é de doze horas. Como tornar o processo mais ágil?

 

Já está mais rápido. Criamos um software que funciona como um “filtro de ofensas”. É uma ferramenta que permite a identificação automática de edições problemáticas. Isso diminuiu bastante o tempo de resposta no conserto de páginas vandalizadas. O fato de termos colaboradores que praticamente adotam os artigos de seu interesse também ajuda no controle de qualidade.

 

  • O que mais pode ser feito para melhorar a Wikipédia?

 

O passo mais importante que demos nos últimos anos foi o sistema de revisões assinaladas. A idéia é garantir que o público está lendo um verbete que já foi revisado por um membro de confiança da comunidade. Esse sistema foi testado como um projeto piloto na versão alemã da Wikipédia e o resultado foi bastante bom. Estamos próximos de conseguir um acordo com os voluntários da versão da Wikipédia em inglês para implementar um projeto parecido. É o tipo de coisa que estamos sempre fazendo para melhorar o conteúdo da enciclopédia.

 

  • O artigo sobre Jesus Cristo inclui interpretações feitas por cristãos, judeus, muçulmanos, budistas e ateus. É possível conseguir uma visão correta de um tema com base em visões tão díspares?

 

As pessoas podem não concordar sobre tudo, mas ainda assim encontrar formas de contribuir para uma polêmica de maneira que todos saiam satisfeitos com o resultado. A guerra no Iraque é um exemplo. O artigo na Wikipédia não vai dizer se a guerra é uma boa ou má idéia, mas pode deixar claro que é um tema controverso e listar os argumentos tanto de seus críticos quanto de seus partidários. É uma política que chamamos de ponto de vista neutro. Procuramos dar informações para que as pessoas possam formular opiniões por sua própria conta. A maioria dos voluntários entende isso e toma cuidado para não escrever verbetes tendenciosos. Se um tema é tão polêmico que é frequentemente editado, depois de cada alteração a página fica bloqueada temporariamente para que editores mais graduados na comunidade possam chancelar as mudanças. Até agora, essa política de neutralidade vem funcionando muito bem.

 

  • A versão em língua inglesa da Wikipédia tem verbetes sobre todos os personagens do desenho animado Pokémon, mas não sobre todos os presidentes da Argentina. Esse tipo de omissão não afeta a credibilidade da enciclopédia?

 

Essas críticas são válidas, mas não em todos os casos. Numa enciclopédia impressa, com um número limitado de volumes, um verbete extenso sobre um assunto está roubando espaço de outro. Nesse caso, é preciso selecionar bem os temas a ser abordados. Como não é feita de papel, a Wikipédia tem espaço para tudo. As pessoas podem escrever quanto quiserem sobre Pokémon sem que isso impeça que outros escrevam sobre os presidentes da Argentina. Uma vez recebi a reclamação de que o artigo sobre um personagem de cinema era mais extenso que o verbete sobre a China. Acontece que o artigo sobre a China é uma peça central com vários artigos coadjuvantes. No total, é óbvio que a quantidade de informações sobre o país é muito maior.

 

 

  • Há alguns anos, você afirmou que a Wikipédia deveria ter artigos sobre todos os episódios dos Simpsons. Depois mudou de idéia. Porque?

 

Porque descobrimos que o modo Wiki de produzir informação em conjunto tem seus limites. É complicado escrever um bom artigo sem consultar fontes confiáveis, como livros, revistas e jornais. Seria o caso, por exemplo, dos episódios do seriado. Como nosso objetivo é fazer uma enciclopédia de qualidade, é melhor não ter esses verbetes de nível duvidoso.

 

“Numa enciclopédia impressa, um artigo extenso sobre um assunto vai diminuir o conteúdo de outro. A abordagem precisa ser bem selecionada. Como não é feita de papel, a Wikipédia tem espaço para tudo”

 

  • É sabido que diversos políticos americanos já editaram a própria biografia na Wikipédia. Qual é o impacto da enciclopédia na política em geral?

 

Certamente há um impacto, embora seja difícil mensurá-lo. Acredito que a maioria das pessoas faz suas escolhas políticas com base em informações escassas e duvidosas, como as propagandas mais apelativas à emoção do eleitor. Em geral, espero que a enciclopédia ajude as pessoas a tomar decisões a partir de informações concretas, e não a partir da melhor piada no debate na televisão. Isso é importante em todas as esferas de governo, não só nas eleições presidenciais. Esse é o sonho, pelo menos.

 

  • Muitas iniciativas na internet adotam o princípio da Wikipédia de construção colaborativa. Há limites para o modelo Wiki?

 

A capacidade de estimular a criação coletiva é uma das características mais fascinantes da internet. Em vez de apenas inserirem informações aleatórias, as comunidades estão se unindo para construir em conjunto algo de melhor qualidade. Estamos só no começo desse processo. No futuro, muitas inovações vão surgir dessa forma. Os vídeos de hoje se parecem com os textos da década passada. Se você entrar no YouTube, verá que os víedos são, na maioria, produções modestas, feitas por uma única pessoa. Há poucos projetos em larga escala. Curiosamente, a literatura de ficção é um campo de cultura no qual a construção colaborativa ainda é muito tímida. Ao que parece, esse é um processo criativo individual, e não colaborativo.

 

  • Há dois anos, você criou o Wikia, um buscador para concorrer com o Google. A empresa faliu. O Google é imbatível?

 

Eu não temo o Google. Na verdade, sou um admirador do trabalho deles. O mercado de buscas on-line, do qual o Google é líder, não possui aquilo que os economistas chamam de externalidades de rede. Em outras palavras, eu posso passar a usar outro buscador sem me preocupar se os meus amigos farão o mesmo. É diferente da maneira como a Microsoft conseguiu o domínio do mercado. Por muitos anos, o fato de todos os meus colegas estarem usando o Microsoft Windows tornava difícil a migração para softwares de outras empresas por causa da falta de compatibilidade dos sistemas. As redes sociais, como o Facebook, são outro exemplo. Não há sentido em mudar para outro site se nenhum dos meus amigos vai estar lá.  No caso do Google, isso não acontece. Há muito espaço para pesquisas e inovações no desenvolvimento de buscadores que podem minar a liderança da empresa. Obviamente, o Google faz um ótimo trabalho e, por isso, não é fácil desafiá-lo.

 

  • Você é um ávido leitor da escritora russo-americana Ayn Rand, uma ferrenha defensora da liberdade econômica. O que torna sua obra tão atual em tempos de crise?

 

A maior lição a ser aprendida com Rand é que devemos pensar mais. É preciso ser cauteloso para não estabelecer políticas baseadas apenas em emoções de curto prazo. Devemos refletir sobre o tipo de sociedade que queremos e pensar muito sobre a maneira como pretendemos resolver nossos problemas.

 

  • Por que não há anúncios nas páginas da Wikipédia?

 

Pusemos esse assunto em pauta na comunidade de voluntários que faz a enciclopédia, e eles decidiram que não queria publicidade no site. Sempre procurei respeitar essas decisões. Em segundo lugar, acredito que as pessoas mudariam sua visão da Wikipédia caso colocássemos anúncios. Elas gostam do fato de sermos uma instituição sem fins lucrativos. Nosso objetivo não é conseguir o máximo de lucro com a enciclopédia, mas torná-la o mais precisa possível. Pelo menos por enquanto não temos planos de mudar o modelo de negócios da Wikipédia, que ainda é baseado em doações e algumas parcerias com empresas privadas.

Anúncios

0 Responses to “O rival da Britannica”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,480,623 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
março 2010
S T Q Q S S D
« fev   abr »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados


%d blogueiros gostam disto: