08
mar
10

Literatura juvenil narra aventuras de um semideus com dislexia

04/06/2039 – 23:07 – Atualizado em 05/06/2009 – 00:26

Literatura juvenil narra aventuras de um semideus com dislexia

 

“O ladrão de raios” e “O mar de monstros”, de Rick Riordan, são os primeiros da série “Percy Jackson e os olimpianos”

 

Gisela Anauate

O novo herói dos livros infanto-juvenis segue a tendência fantasiosa que consagrou Harry Potter. Mas o interessante é que a série Percy Jackson e os olimpianos, do americano Rick Riordan, toma como base o que há de mais clássico na literatura: a mitologia grega. Como Harry Potter, Percy é desajustado. Vai mal na escola, tem poucos amigos e é diagnosticado com dislexia e deficit de atenção. Isso até descobrir que tem algo grande por trás de sua existência. No caso de Harry, é a ascendência bruxa. Já Percy descende da tradição greco-latina. É um semideus, filho de Poseidon, deus dos mares, com uma mortal.

No primeiro livro da série lançada no Brasil pela editora Intrínseca, O Ladrão De Raios, Percy tem 12 anos quando descobre ser um “meio-sangue”, após lutar com o Minotauro na unha. Aí ele desvenda seus problemas: o deficit de atenção se deve aos reflexos de campo de batalha, e a dislexia porque seu cérebro está programado para entender… grego antigo. Seus defeitos são, na verdade, excessos de qualidade. A ideia do herói surgiu porque o próprio filho de Rick Riordan foi diagnosticado com problemas de aprendizagem (leia a entrevista abaixo). A saga de Percy não teve apelo apenas para Riordan filho. Tornou-se sucesso mundial. E deve bombar mais com a estreia da adaptação do primeiro livro no cinema, prevista para 2010. Ela terá Pierce Brosnan como Quíron, um centauro que se disfarça de professor de latim. No Brasil, O ladrão de raios e O Mar De Monstros, o segundo livro da série de cinco, costumam aparecer nas listas dos mais vendidos. Em outubro sairá o terceiro, A maldição do Titã.

A aventura de Percy também funciona porque é bem escrita. O narrador em primeira pessoa, o próprio garoto, é cheio de piadinhas irônicas. Não fosse seu sangue divino, ele seria um adolescente típico.

 

 

 

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI76100-15220,00-LITERATURA+JUVENIL+NARRA+AVENTURAS+DE+UM+SEMIDEUS+COM+DISLEXIA.html

Anúncios

0 Responses to “Literatura juvenil narra aventuras de um semideus com dislexia”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,486,167 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
março 2010
S T Q Q S S D
« fev   abr »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados


%d blogueiros gostam disto: