14
dez
09

Desventuras em Série – Inferno no Colégio Interno

No quinto livro da série “Desventuras em Série”, “Inferno no Colégio Interno”, os irmãos Baudelaire são enviados a um colégio interno, a “Escola Preparatória Prufrock” pelo seu último tutor, “Senhor”, dono de uma serraria, onde as crianças encontraram pela última vez o conde Olaf.

Quando chegam ao seu novo “lar”, levados pelo banqueiro Sr. Poe, as crianças são recepcionados da pior forma possível por uma aluna da escola, Carmelita Spats. São ofendidos, chamados de “bisbórrias” e todo o leitor que se apaixona pelos “pobrezinhos” órfãos, se aborrece com a garota irritante que sem quê nem pra quê pega no pé, durante todo o tempo que eles ficam no estabelecimento, dos Baudelarie.

O Sr. Poe aconselha os irmãos a irem até a sala do vice-diretor chamado Nero. No caminho os meninos escutam algo que eles estranham. “Memento Mori” (“Lembre-se de que morrerás”), o lema da escola. Ao conhecerem Nero, os meninos notam que ele se mostra uma pessoa extremamente arrogante, vaidosa e megalomaníaca (qualquer semelhança com o verdadeiro Nero é mera coincidência, risos). O vice-diretor tinha o hábito de tocar violino, mas tocava muito mal, emitindo sons que faria qualquer pessoa estremecer e ter vontade de chorar, mas ele acreditava que era um exímio instrumentista.

Nesse primeiro encontro com o vice-diretor, além das primeiras impressões que ele tiveram de Nero, ele lhes explicou como funcionava a escola e deixou claro a existência de algumas regras. Nero fala com as crianças sobre os dormitórios da escola, que são maravilhosos, mas como os Baudelaire são órfãos, eles não tem como ter autorização dos pais para poder se estabelecerem nos encantadores dormitórios, restando para eles, o Barracão dos Órfãos, um lugar horroroso de se viver. Percebem assim que chegam ao local que ele está infestado de pequenos caranguejos furiosos e que o local estava coberto por um fungo bege no teto e o papel de parede era verde com corações cor-de-rosa.

Como se não bastasse as torturas musicais que obrigava aos alunos passarem, utilizava umas técnicas de educação muito estranhas e altamente questionáveis. Estabelecia algumas punições loucas para as transgressões que os alunos cometessem. Algumas delas nós presenciamos os próprios Baudelaire sofrerem e outras tomamos conhecimento de outra forma. Mas só para termos uma idéia dos exemplos das punições que eles recebiam: caso algum aluno entre no prédio da administração, recebiam como castigo fazer as refeições sem os talheres; se por alguma razão se atrasassem para as aulas, como castigo teriam que comer com uma das mãos amarradas nas costas; se faltassem aos recitais diários de violinos (é ou não de enlouquecer qualquer um?), a punição era ainda mais louca: os alunos teriam que dar ao vive-diretor um saco de balas.

No meio de toda essa nova vida para as crianças, Nero diz a eles que Sunny não tem idade suficiente para se matricular na escola e teria que trabalhar como secretária para o vice-diretor. O trabalho do bebê consistia em grampear papéis na maior parte do tempo, mas ela também era obrigada a atender telefonemas, anotar os recados, escrever cartas e outras atividades que nenhum bebê seria capaz de fazer. Se a escola não tinha turma para bebês e ela não tinha idade suficiente para estudar no local, imagine ser empregada como secretária do maluco do vice-diretor…

Pela primeira vez os órfãos vão ao refeitório. Lá eles são servidos por duas pessoas que estavam usando máscaras de metal e acham isso um tanto estranho. Carmelita Spats aparece novamente e importuna as crianças. Os insultam em público assim que eles se sentam para comer. Mas duas crianças, os irmãos gêmeos Duncan e Isadora Quagmire, partem em defesa dos órfãos. Eles tem uma história parecida, assim como os Baudelaire, os Quagmire perderam os pais e o irmão Quingley (eles eram trigêmeos) em um incêndio e também herdaram uma fortuna dos pais em pedras preciosas, safiras, conhecidas como “Safiras Quagmire”.

Os Baudelaire descobriram não apenas o passado dos Quingley, descobriram um pouco sobre a personalidade e gostos dos novos e grandes amigos. Duncan revelou que sonhava em se tornar um jornalista, devido a isso andava sempre com um caderno, onde anotava tudo que ele considerava importante. Já a sua irmã, Isadora, sonhava tornar-se uma poetisa e ela escrevia com muita facilidade em dístico. Assim como o irmão, Isadora também andava acompanhada com um caderno onde sempre escrevia suas poesias.

Como uma forma de consolar os novos amigos por eles estarem vivendo no Barracão dos Órfãos, os Quagmire revelam que também já moraram no barracão e dão dicas preciosas de como se defender dos caranguejos (bastava fazer bastante barulho que eles não se aproximavam) e como deter o avanço do fungo (colocando sal).

Como Violet e Klaus não tem a mesma idade, serão de turmas diferentes e terão professores distintos. Violet tinha como professor, Remora. Um homem que tinha o estranho hábito de comer bananas a todo momento, como uma compulsão, enquanto contava histórias, das mais diversas. E enquanto ele contava as histórias, os alunos deveriam anotar tudo o que pudessem sobre os personagens e os acontecimentos. Já Klaus tinha como professora, Bass, uma senhora simplesmente obcecada pela sistema métrico decimal e não parava de pedir aos alunos que medissem todos os objetos; a altura, largura, comprimento e diâmetro. E por fim, anotassem todas essas meninas na lousa da sala.

Os meninos, como sempre, não andavam lá muito feliz, mas não sabiam que as piores situações ainda estavam por vir. Eles tomam conhecimento de que a Escola Preparatória Prufrock receberia um novo professor de ginástica, o instrutor Genghis. O novo professor usava tênis de corrida cano longo e um esquisito e enorme turbante na cabeça, que ele justificava usar por motivos religiosos. Por mais que o professor fizesse de tudo para esconder a sua verdadeira identidade, todos aqueles detalhes de tênis de cano longo (para esconder a tatuagem no tornozelo) e o turbante (para esconder o inigualável penteado que ele usava) não foram suficientes para que os meninos identificassem prontamente quem ele era: o Conde Olaf. Porém eles decidem fazer de conta que nada notaram, até porque nenhum adulto acreditaria que o novo professor se tratasse do vilão ganancioso.

Olaf tinha um plano maquiavélico em mente e faria de tudo para pôr em prática e, principalmente, que desse certo. Comunica aos alunos que ele tinha um projeto especial para aquela escola, chamado “Disciplina para Órfãos Rápidos”, que consistia em ter provas de que os órfãos terem pernas mais resistentes. Com isso, ele obrigava aos Baudelaire a correrem em círculos no pátio da escola, durante todos os dias em todas as madrugadas.

Isso faz com que o rendimento escolar dos irmãos caísse, pois eles ficavam cansados e sonolentos durante as aulas, sem conseguir prestar atenção às aulas e Sunny não conseguia se concentrar para fabricar grampos para o seu chefe.

Houve um concerto de Nero e os Baudelaire não puderam ir. Desta forma, receberam a punição que eles já sabiam do que se tratava. Foram entregar os sacos de balas para o vice-diretor e quando chegaram a sua sala, deram indiretas de quem se tratava realmente o novo professor. Porém Olaf chega na sala e os meninos desconversam, pois não queriam que o vilão soubesse que eles já haviam descoberto o seu disfarce. Mas dão pistas de que sabem e soltam piadinhas.

Diante do mau rendimento dos órfãos, Nero os comunica que se eles não recuperarem as notas e tirassem 10 e se Sunny não fabricasse a quantidade que ele desejava de grampos, eles seriam expulsos da escola e teriam como tutor o professor Genghis que se oferecera para assumir a criação das crianças.

A hora do almoço chegara e quando os meninos estavam se preparando para comer, Carmelita Spats aparece ao lado deles e lhes diz que os treinador Genghis mandara ela avisar que ele precisava falar com as crianças ao pôr-do-sol no pátio da escola. Como combinado, as crianças aparecem e o treinador manda que eles pintem um grande círculo no chão e em seguida manda que eles corram durante toda a noite, sem parar, sem descanso. Os meninos obedecem prontamente o que mandara o treinador. Como era de se esperar, após correrem toda a noite, eles estavam exaustos e com as pernas totalmente doloridas. Com isso, o desempenho deles não tinha como melhorar de forma alguma, piorando ainda mais a situação deles, tanto na escola quanto no trabalho. Klaus não conseguia se concentrar para medir os objetos pedidos pela Sra. Bass, Violet não tem forças para anotar os detalhes dos acontecimentos e os personagens das histórias de Sr. Rêmora e Sunny descobre que simplesmente os grampos acabaram.

Mais uma vez Carmelita leva más notícias aos órfãos enquanto eles almoçavam. Avisa que eles deveriam comparecer na sala do vice-diretor Nero e fazer D.O.R (Disciplina para Órfãos Rápidos). Ao chegarem a sala de Nero, ele comunica aos meninos que eles teriam que fazer exames extra-rigorosos e Sunny teria que fabricar grampos caseiros. Além de todas essas péssimas novidades, Nero ainda comunica a eles que por terem faltado a tantos concertos de violino que ele tocara, estavam lhe devendo 29 sacos de balas e dez brincos de pedras preciosas para Carmelita Spats.

Os Baudelaire contam para os novos amigos o que estava havendo e Duncan e Isadora se oferecem para ajudá-los. Então os cinco juntos bolam um plano, que consistia em Isadora se passar por Violet e Duncan por Klaus e no lugar de Sunny eles colocariam um saco de farinha. Tudo isso para eles enganarem o treinador para que pudessem estudar e se preparar para os exames e enquanto fabricariam os grampos para Nero.

Com a sua habilidade de inventora, Violet consegue criar uma forma de produzir rapidamente grampos, tendo como uma grande mão-de-obra os caranguejos. Ela cortava os arames e com um garfo surrupiado do refeitório eles entortava os arames em formato de grampos. Cabia a Sunny manter os caranguejos afastados. Enquanto isso, Klaus deveria estudar a matéria dele, decorando todas as medidas e a de Violet para depois contar a ela todas as histórias de Remora de forma resumida.

Na manhã seguinte Nero apareceu no barracão levando com ele os dois professores de Violet e Klaus, juntamente com uma pilha de papel para que Sunny grampeasse. No momento de aplicação dos testes, os meninos se deram super bem, acertando todas as respostas e Sunny, de forma exemplar, grampeou de forma certinha todas as folhas. Eles estavam um pouco felizes comemorando a vitória até que surgiu no barracão Genghis, carregando um saco de farinha, os óculos de Klaus e a fita de cabelo de Violet, utilizado pelos gêmeos como disfarce. O treinador delata os alunos, dizendo que eles faltaram a aula de ginástica, colocando outros alunos nos seus lugares, mas que ele já havia pego os imitadores e lhes aplicado um castigo, mantendo-os presos no refeitório. Nero ao ver as provas do “crime” resolve expulsar os alunos.

Para surpresa de todos, mais uma pessoa aparece no barracão, o Sr. Poe, que havia chegado para pagar a punição dos 29 sacos de balas para o vice-diretor, haja vista que as crianças não estavam conseguindo cumprir a obrigação de assistir as apresentações de Nero, porque estavam sendo obrigados a correr sem parar a mando do treinador.

Os órfãos informam ao Sr. Poe toda a verdade, que Genghis é na verdade o Conde Olaf mais uma vez disfarçado. O Sr. Poe obriga o treinador a tirar o tênis para provar quem ele realmente era. Todos viram a nefasta tatuagem de olho, mas mais uma vez Olaf consegue espaçar, ele foge correndo.

Quando os meninos achavam que estaria tudo perdido mais uma vez, se surpreenderam por contarem com os Quagmire. Mas eles não podiam fazer muito, infelizmente. Afinal Olaf correra em direção a um carro preto e dentro dele havia os comparsas do vilão e os gêmeos. Porém antes de o carro partir, Duncan e Isadora jogaram seus cadernos para os amigos, mas Olaf foi mais rápido e surrupiou os cadernos antes que os órfãos conseguissem pegar, no entanto, os Baudelaire ouviram os amigos pronunciarem três letras misteriosas: C.S.C.

O que será que essas letras significariam? O que aconteceria com os Quagmire? Só saberemos ao ler o próximo volume, mas vai uma dica: essas três letras tem tudo a ver com a próxima aventura e a próxima parada das mais infelizes crianças do mundo.

Anúncios

2 Responses to “Desventuras em Série – Inferno no Colégio Interno”


  1. 1 Luiz
    abril 9, 2010 às 3:30 pm

    Os pais dos Baudelaire poderiam estar vivos e eles vivendo felizes, sabia Lemony.

  2. maio 12, 2011 às 8:04 am

    eu amei esse livro é tdu de bom


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,461,833 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
dezembro 2009
S T Q Q S S D
« nov   jan »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados


%d blogueiros gostam disto: