18
nov
09

Artemis Fowl – A colônia perdida

 

“Artemis Fowl – A Colônia Perdida” é o quinto livro das aventuras entre alguns humanos e algumas criaturas mágicas. Artemis já não é mais um menino, o garoto está com 15 anos. Eu sempre admirei os livros de Eoin Colfer por serem super carregados de aventuras e ação. Mas a primeira leitura desde volume me deixou um pouco incomodada, achei um pouquinho chato, mas a medida que fui avançando na leitura o livro vai ficando melhor e a história mais interessante. Achei um pouco chato porque não encontrei de cara os personagens já conhecidos e com os quais já estava familiarizada. Ao invés disso o livro se inicia falando sobre um ser denominado Demônio Nº 1 que sofre preconceito pelos demais, sendo por diversas vezes destratado, hostilizado e menosprezado por todos os demais demônios que não o encorajavam a se tornar um feiticeiro.

Então o leitor descobre mais características destes novos personagens. Esses seres não possuem poderes mágicos como os demais seres fantásticos, porém alguns demônios tinham o poder da feitiçaria, apesar de não se metamorfosearem e não serem guerreiros, como os demais demônios.

Em seguida é que Artemis aparece na história. Desta vez ele vai tentar ajudar o Povo das Fadas a salvar uma de suas espécies: os Demônios.

Antes ele agia em benefício próprio, pensando acima de tudo no seu umbigo, após algumas aventuras ao lado dos seres encantados, ele passa a agir pensando mais no benefício dos outros, justificando os seus atos como crime em benefício de terceiros.

Artemis recolhe alguns dados do computador de Potrus e acaba descobrindo que uma ilha chamada Hybras, onde residem uns seres completamente novos para ele, os Demônios, está prestes a se perder no tempo e no espaço.

Concomitante a isso, uma garota de 12 anos, Minerva Paradizzo, filha de um francês cirurgião plástico, descobre um novo projeto para que faça com que ela ganha um Prêmio Nobel: Os Demônios. Para o leitor, parece um feedback, é impossível não achá-la parecida com Artemis no primeiro livro. Irritante e com o objetivo de tirar tudo da vida em seu próprio benefício, sem pensar em momento algum no outro. E não apenas o leitor percebe isso, o próprio Artemis, que agora já é um adolescente, sente uma leve atração pela garota.

Artemis então tenta entrar em contato com um demônio, ao mesmo tempo em que Minerva faz o mesmo. Mas eles erram a localização exata por alguns minutos e metros da materialização do demônio. O leitor fica ansioso para saber o que vai acontecer e ao estilo de “Alice no País das Maravilhas” nos sentimos como se tivéssemos tomado chá de cogumelo. Uma loucura e uma viagem muito criativa do autor o lance da viagem no tempo e a âncora que nos sustenta e puxa de volta para o tempo em que vivemos.

Na Cidade do Porto, no Mundo das Fadas, Potrus, que agora está em um novo emprego, relata que um demônio fez contato com um ser humano. Ao investigarem o fato, descobrem e não se surpreendem com isso, que o demônio havia sido Artemis.

A partir daí o livro começa a ficar agitado e ao estilo de Artemis Fowl. Recheado de perseguições, mistérios, ação e mais planos mirabolantes geniais. Entre eles o seqüestro espetacular de um demônio realizado por Minerva, em que Artemis fica bobo olhando tudo acontecer e admirado por ter encontrado uma mente tão genial quanto a dele.

Artemis e Holly, mais uma vez formam a dupla dinâmica e fazem de tudo para resgatar o demônio das mãos da garota. E com isso, quem ganha é o leitor, pois mais uma vez os acontecimentos sequencias de ações são incríveis. As coisas começam a dar errado para Minerva e ela acaba seqüestrada, mas Artemis, encantando pela menina, elabora um plano ao seu estilo genial, para salvar tanto a menina, quanto Nº 1 e Hydras.

 

Anúncios

0 Responses to “Artemis Fowl – A colônia perdida”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,480,623 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
novembro 2009
S T Q Q S S D
« out   dez »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados


%d blogueiros gostam disto: