14
nov
09

Spike Jonze desperta emoções em ‘Where the wild things are’

16/10/09 – 07h19 – Atualizado em 16/10/09 – 08h23

Spike Jonze desperta emoções em ‘Where the wild things are’

Filme é baseado no livro ‘Onde vivem os monstros’, de Maurice Sendak.
Max Records, de 12 anos, é o protagonista; trilha é de Karen O.

Da EFE

Spike Jonze, um dos cineastas mais inovadores da atualidade de Hollywood, retorna à direção sete anos depois do último trabalho com “Where the wild things are”, uma fantasia sobre a infância que aflora emoções.

0,,26941693,00

Cena de ”Where the wild things are”, filme de Spinke Jonze que estreia nos Estados Unidos (Foto: Divulgação)

O filme, que estreia nesta sexta-feira (16) nos Estados Unidos, é baseado no livro “Onde vivem os monstros”, um clássico da literatura infantil criado por Maurice Sendak em 1963 sobre Max, um menino perspicaz que se sente incompreendido e que, após uma discussão com sua mãe, foge em busca de um lugar mágico criado em sua imaginação.

“Ali é onde vivem os monstros referidos no título, que na realidade são umas criaturas que representam as emoções, selvagens e imprevisíveis, que todos temos em nosso interior”, segundo explicou Jonze em um encontro com a imprensa em Los Angeles, na Califórnia.

As criaturas buscam um líder que os guie e proclamam Max seu rei, que promete criar um ambiente para que todos sejam felizes, embora em breve descubra que seu trabalho não será fácil e que as relações com os demais habitantes tornam-se mais complicadas do que imaginava.

“Maurice (Sendak) me disse que não me preocupasse porque cada um pode opinar sobre a adaptação, me encorajou para que fizesse o filme que eu queria, minha visão sobre a história, e para isso só me pediu que fosse honesto com o livro”, lembrou Jonze, de 40 anos, co-roteirista do filme junto com Dave Eggers.

O universo literário de “Onde vivem os monstros” encerra ao fim de 50 páginas, mas a imaginação que despertam os desenhos de Sendak são as grandes vertentes do livro, que integra a lista dos mais vendidos de todos os tempos.

“Não quis acrescentar nada que não estivesse no livro, mas tentei descobrir quem é Max e quem são as criaturas selvagens, para mim são as emoções e isso cedeu espaço para que começasse a escrever os personagens”, manifestou Jonze, autor de títulos como “Being John Malkovich” (Quero ser John Malkovich, 1999) e “Adaptation” (Adaptação, 2002), seu longa-metragem anterior.

02

Divulgação

Filme estreia nesta sexta-feira nos cinemas dos Estados Unidos (Foto: Divulgação)

Elenco

Na versão original do filme é possível escutar as vozes de James Gandolfini, Catherine O’Hara, Paul Dano e Forest Whitaker, que dublaram as criaturas, feitas artesanalmente -“ficou rude, real”, apontou Jonze – com a incorporação de efeitos digitais para dar expressão aos rostos.

O estúdio Warner Bros que esperava um produto final mais conciso acabou atrasando a estreia do filme em mais de um ano para polir os detalhes da produção, cujo orçamento foi de US$ 80 milhões.

“No princípio, o estúdio se surpreendeu com o material recebido. Eles esperavam algo mais mágico e fantasioso, mas este não é um conto tradicional”, afirmou o cineasta, quem considera ter realizado um filme sobre a infância contada de forma realista.

Segundo Jonze não foi preciso mudar nada – “fiz o que eu queria” – e Warner Bros deu o sinal verde ao trabalho do diretor de célebres vídeos musicais protagonizados por R.E.M. e Chemical Brothers.

Uma das decisões mais complicadas foi a escolha do protagonista, papel dado a Max Records, de 12 anos. “Ele é o grande trunfo do filme”, disse Jonze, quem se mostrou orgulhoso também com a trilha sonora, obra de Karen O, líder da banda Yeah Yeah Yeahs.

“Ela é uma de minhas artistas favoritas”, admitiu o diretor americano. “É como uma menina que luta pela liberdade e expressa seus sentimentos e considero que sua música é o coração do filme”, acrescentou Jonze, um apaixonado da música pop desde criança.

“Queria uma música que lembrasse a de Brian Wilson, John Lennon, Paul McCartney e David Bowie”, comentou o cineasta. “Quando criança conectava intuitivamente com meus amigos e sentia que podia identificar-me 100% com suas canções”, acrescentou.

Catherine Keener, a única atriz protagonista de carne e osso no filme, certificou o duro trabalho que teve que enfrentar Jonze para adaptar a obra literária e defendeu suas decisões.

“Tem muitíssimas ideias e uma criatividade inesgotável, portanto leva tempo articular todo isso”, elogiou a intérprete. “O que faz com que este filme vá muito além do que o estúdio esperava”, concluiu.

http://g1.globo.com/Noticias/PopArte/0,,MUL1343286-7084,00-SPIKE+JONZE+DESPERTA+EMOCOES+EM+WHERE+THE+WILD+THINGS+ARE.html

Anúncios

0 Responses to “Spike Jonze desperta emoções em ‘Where the wild things are’”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,486,617 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
novembro 2009
S T Q Q S S D
« out   dez »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados


%d blogueiros gostam disto: