06
nov
09

“Lavagem cultural” distribui livros

livros

“Na Bahia tudo termina em festa!”. Muitos se referem a essa frase em tom pejorativo, mas especificamente no caso do post de hoje, é em tom mais do que bem dito e comemorativo!

Matéria publicada no jornal impresso Tribuna da Bahia no dia 06 de novembro de 2009, no caderno Cidade, página 13.

“Lavagem cultural” distribui livros

Para popularizar a leitura, Biblioteca Pública distribui 1,5 livros em clima de festa de largo.

Elielson Barsan

Se o ilustre baiano Rui Barbosa estivesse vivo, provavelmente comemoraria seu aniversário ontem na II Lavagem da Biblioteca Pública do Estado da Bahia (BPEB), em companhia de amigos, poetas, artistas e leitores, e ajudaria a distribuir aos soteropolitanos mais de 1,5 mil livros. A razão? Para celebrar o Dia Nacional da Cultura – instituído em homenagem à data natalícia de Rui Barbosa, patrono da Cultura brasileira -, a Fundação Pedro Calmon (FPC) e a BPEB, promoveram um cortejo para a distribuição de livros, que saiu da Praça Dois de Julho no Campo Grande, até a sede da biblioteca nos Barris.

Manifestação tradicional da cultura baiana, a lavagem que, segundo os organizadores do evento, reuniu dois mil participantes, ganhou definição do diretor-geral da FPC, professor Ubiratan Castro de Araújo. “Esta é a única ‘Lavagem Profano-Literária’ do calendário cultural da cidade”, destaca. Para ele, tudo o que for feito com o objetivo de despertar as pessoas para a leitura é importante. “É através do livro que temos acesso a tudo: arte, literatura, informação. Ler é o ato básico de cidadania e inclusão e a biblioteca é um equipamento cultural”, complementa.

Vindo por essas boas traçadas linhas, a diretora-geral da BPEB, Ivana Lins, enfatizou a proposta do evento. “Queremos reafirmar a importância de uma ação cultural que leva o livro, a literatura e sua morada mais antiga na Bahia para a rua, proporcionando, por onde quer que o cortejo passe, o contato direto das pessoas com este universo”, salienta.

Ela acredita que com a ‘Lavagem Profano-Literária’, as bibliotecas ganham mais popularidade. “A gente percebe que com essa manifestação, a ideia de que a biblioteca é um lugar de isolamento vai sendo desfeita. É um espaço de convivência, de encontros, está dinâmica e viva”, ressalta.

Com o tema “Ler é uma viagem… Embarque nessa!”, o cortejo foi animado por Márcia Short e quem passava pela avenida embarcou na comemoração. Para a cantora, participar de um evento de incentivo à cultura a deixa lisonjeada. Ela, que está lendo “Medo de Viver”, afirma que a leitura é a melhor forma de aprendizado. “Eu defendo o conhecimento, a leitura. Ler alimenta a alma”, define. Viaturas da Transalvador deram apoio ao cortejo e, de acordo com o órgão, o trânsito fluiu normalmente.

 

Uma forma de aprendizado e de prazer

Escrever mais um capítulo da história de vida é a intenção da universitária Bruna Nadir, 20. “Minha relação com a leitura é maravilhosa. Adoro ler e sei o quanto é importante, principalmente para minha formação. Leio também por prazer”. A jovem, que estuda Produção Cultural, revela que lê em média sete livros por ano, reconhece que é pouco. “É uma faixa pequena para mim como universitária. Mesmo assim leio muita literatura na faculdade”. Ela alega a falta de tempo – estágio e estudo -, como um contratempo para eliminar a falta de leitura de mais livros. Na chegada do cortejo à Biblioteca, dezenas de baianas carregando tabuleiros repletos de livros levaram as escadarias e houve apresentações e performances de artistas. Do lado de fora da BPEB, os participantes encontraram barracas montadas para divulgar e informar os diferentes setores e serviços oferecidos pela instutuição.

A Biblioteca tem 198 anos de existência e foi a primeira da América Latina. Novas atividades foram incluídas em sua programação de incentivo à leitura, como projeto “Domingos Culturais”, com ações voltadas para toda a família. Além disso, a BPEB recebeu o Ministério da Cultura, o investimento de R$ 3 milhões para o projeto de modernização que vai contemplar reforma, infraestrutura, acessibilidade, aquisição de publicações, acervos e equipamentos de informática e audiovisual.

 

Anúncios

0 Responses to ““Lavagem cultural” distribui livros”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,486,167 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
novembro 2009
S T Q Q S S D
« out   dez »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados


%d blogueiros gostam disto: