22
out
09

Meu pé de laranja lima

meu pe de laranja lima

“Meu pé de laranja lima”, escrito por José Mauro de Vasconcellos, foi publicado em 1968 e obteve uma aceitação tão grande pelo público que o seu sucesso se estendeu para a televisão e o cinema nacional. Como uma história bem escrita e emocionante ultrapassa as barreiras do tempo e do espaço, em 2003, foi publicado na Coréia em uma edição de 224 páginas ricamente ilustradas uma versão de “Meu pé de laranja lima” em forma de quadrinhos.

Na história, a personagem principal, Zezé, um menino de cinco anos, fazia parte de uma família grande e muito pobre. Sua mãe trabalhava em uma fábrica e o seu pai estava desempregado, com muitos filhos para criar, a família passava por diversas privações e dificuldades. Como não podiam ter uma pessoa para trabalhar na casa e cuidar das crianças, os mais velhos acabavam sempre cuidando dos mais novos, e nem Zezé, no auge dos seus cinco anos de idade, escapava das regras da família, e tomava conta do seu irmãozinho mais novo, Luís.

Como a maioria das crianças de cinco anos, Zezé era curioso, adorava aprender e conhecer novas coisas, novas palavras, era, sobretudo, muito interessado pela vida e a maior parte do seu tempo passava nas ruas brincando e fazendo algumas coisas erradas. Como conseqüência, ouvia dos pais e irmãos que era um mau menino, que ele só fazia maldades e diversas vezes recebia castigos dos pais e dos irmãos mais velhos, pelos seus feitos. Zezé não sabia e entendia como era realmente fazer parte de uma família na sua totalidade, que envolvia receber e dar o carinho, ternura, cumplicidade, entendimento e diálogo.

Com poucos recursos e sem o pai conseguir um emprego, houve a necessidade da família trocar de residência e na casa nova, Zezé encontra no quintal um mundo novo, cheio de vida e um pequeno pé de laranja lima. Neste último, ele não vê muitas possibilidades de diversão, nem lhe agrada a idéia de ser dono de uma árvore. A medida que o tempo vai passando, Zezé encontra alento e um amigo na sua pequena árvore. Mas ele percebe que quando desabafava com seu pé de laranja lima, a conversa fluía. O pé de laranja lima era capaz de conversar com Zezé, que prontamente toma sua árvore como melhor amigo, confidente e lhe dava todo o carinho que sempre foi suprimido pela sua família, ganhando da criança um nome, Minguinho.

Uma certa feita, Zezé em mais uma de suas traquinagens, pegou uma carona ao lado de fora de um carro (não apenas um mero carro, mas o carro mais bonito da cidade), que pertencia ao português Manuel Valandarez. O garoto e o português, a princípio, tinham um relacionamento complicado, pois em mais uma das traquinagens de Zezé, Manuel lhe repreendeu com uma surra, o que magoou e irritou profundamente a criança, que jurou vingança. Mas, doce e solícito, Zezé foi se esquecendo da sua promessa de vingança e uma relação muito carinhosa, cheia de entendimento e cumplicidade marcou a vida deles dois. O português tratava Zezé como um filho e jurou adotá-lo, mas um triste acidente leva embora a vida de Manuel e os sonhos de Zezé.

Como uma tragédia geralmente vem acompanhada de outra, Zezé é informado de que Minguinho seria cortado. Com a morte de Manuel, Zezé sucumbe a uma depressão, parando aos poucos de comer, deixando de falar, vivendo prostrado em cima de uma cama. No fundo o que Zezé queria era também morrer. E a família sem ter conhecimento da relação entre o português e o menino, acredita que a causa da tristeza profunda de Zezé foi a notícia de que seu pé de laranja lima seria cortado. Mas, Glória, a irmã favorita de Zezé, aos poucos consegue fazer o menino voltar a sentir vontade de viver.

Confesso que ao ler “Meu pé de laranja lima” me emocionei em diversos momentos e também refleti sobre muitas questões. Considero um livro triste, comovente e muito marcante. Zezé é uma criança extraordinária, fala e age como certamente nenhuma criança de cinco anos falaria ou agiria. Mas o que importa é que através de uma criança de cinco anos, o leitor é tocado por sentimentos muito fortes e se envolve de tal forma que as vezes parece estar dentro da história.

De 29 de setembro de 1980 a 25 de abril de 1981 a rede de televisão Bandeirantes exibiu durante a sua programação a novela “Meu pé de laranja lima”, adaptada por Ivani Ribeiro, com direção de Edison Braga, Antonino Seabra e Waldemar de Moraes. O sucesso do livro de José Mauro de Vasconcelos também se estendeu para o cinema.

Anúncios

18 Responses to “Meu pé de laranja lima”


  1. 1 Katia
    dezembro 31, 2009 às 2:01 pm

    “O Meu Pe de Laranja Lima” foi o primeiro livro que li, aos 8 anos, mais ou menos.
    Marcou minha vida para sempre.
    De uma sensibilidade extraordinaria, de uma beleza comovente.
    Impossivel nao acolher Zeze no fundo do meu coracao. Aqui ele passou a habitar desde entao.
    Lindo.

  2. 4 renata
    janeiro 16, 2010 às 9:13 pm

    um livro q mexe com as emoções e faz refletir sobre as crianças e seu mundo!!!!!!e pra ser + ccomovente a leitura vale lembrar q foi auto biografico!!!!!!!!o meu pé de laranja lima um lindo livro com certeza

  3. 5 juka
    janeiro 28, 2010 às 7:24 pm

    Tive o grande prazer, e honra de ler todos os livros de J. Mauro de Vasconcelos , realmente são extremamente emocionantes, pois todos nós já tivemos nossos momentos de Zezé, lamentável que um autor tão nobre pela sua simplicidade é tão esquecido, a unica obra que ainda dá uma luz é O Meu( NOSSO) Pé de Laranja Lima ,( pois foi para a TV que bem ou mal serve para divulgar as obras literárias, pena que as obras brasileiras sejam pouco usadas pelos ” noveleiros ” )pois só é citada na maioria
    das vezes por causa da novela.

  4. 6 luana
    março 22, 2010 às 10:23 am

    Um livro extraordinario. É impossivel ler e não se emocionar. Eu o li ainda pequena e hoje minha filha fez sua leitura para o trabalho da escola. E juntas nos emocionamos muito com a historia de Zezé, essa criança tão emotiva e tão incompreendida.a figura do pequeno pé de laranja lima traduz a verdadeira amizade e afeto que nunca teve com sua familia. A sequência de tragédias que lhe acometerão a vida lhe impõe uma maturidade precoce que nos faz refletir sobre muitos valores outrora esquecidos, entre eles que a ternura e o afeto assim como os sonhos de uma criança jamais podem ser ignorados. Vale muito ler este romance tão emocionante.
    Valeu Jose Mauro de Vasconcelos. Jamais esquecerei Zezé e o seu querido minguinho.

  5. 8 Moema Pereira Guimarães de Oliveira
    abril 16, 2010 às 5:50 pm

    O meu pé de laranja lima foi o primeiro livro que li.Quando estudei a quinta série vi a professora passar esse livro para a turma de sexta série ler e fazer um trabalho.Fiquei curiosa e quando terminaram pedi o livro emprestado a uma colega.LI e gostei tanto que li por 3 vezes e me emocionava cada vez que lia em todos os capítulos.Hoje sinto muita saudade e vontade de ler novamente.Mas nunca encontrei um exemplar para comprar.Assim com que minhas filhas leiam também e desenvolvam o mesmo gosto pela leitura.

  6. abril 30, 2010 às 11:48 pm

    Ola Melissa !! Eu e meu marido estamos lendo este livro para nossas filhas de 6 e 7 anos e estamoos chorando e rindo juntos. Como estamos quase no final do livro, tive que antecipar o final da história , para que elas não sofressem tanto… mas mesmo assim elas choraram, quando contei que o “portuga” morre e o pé de laranja-lima é cortado. Até eu chorei…

    Queria saber uma coisa: esta história é autobiográfica ? Sei que o autor josé Mauro de Vasconcelos usou suas experiencias de infancia para escrever vários de seus livros. Mas a dúvida é se esta história é apenas um romance ou se realmente os personagens existiram e os fatos aconteceram ??

    A dedicatória e o último capítulo do livro dão a entender que tudo se passou de verdade, mas na biografia do autor não há nenhum detalhe concreto de que o livro em questão foi integralmente autobiográfico, ou apenas parcial…

    • maio 3, 2010 às 9:46 am

      Olá Fernanda! Fico muito feliz em saber que suas filhas estão gostando e se emocinando com o livro “Meu pé de Laranja Lima”. O livro realmente é lindo e geralmente todos caem no choro.
      Olha no livro eu li que era autobiográfica, mas eu infelizmente não vou poder solucionar essa sua dúvida, pois eu também a tenho e me perguntei quando terminei de ler se as pessoas citadas no livro realmente existiram. No entanto, nunca vi nada que confirme a história de José Mauro de Vasconcelos.
      Como você deixou seu e-mail, caso um dia eu descubra eu entro em contato com você.
      Um abrço e obrigada pela visita.

  7. 13 Arilma Oliveira
    junho 20, 2010 às 1:46 pm

    Olá Melissa!
    Me apaixonei completamente por este livro.O que mais me chamou atenção foi que eu tenho uma filha de 4 anos e ela realmente é precoce, palavras dificeis,fazer artes é com ela mesmo,é de uma sensibilidade impressionante, as vezes fala coisas que as pessoas ficam admiradas, parecendo que nós a ensinamos.
    Essa leitura só fez apoiar o que sempre digo que bater por qualquer coisa, não resolve, que mais vale uma boa conversa, pois apesar de pequeninos eles entendem as coisas muitas vezes bem melhor do que nós adultos.
    Resolvi adotar a literatura para ler com os meus alunos do 4° ano (ensino fundamental), pense o sucesso que foi.Eles vibraram, choraram, enfim foi tudo de bom.Consegui o filme Meu Pé de Laranja Lima da coleção Herbert Richeres e tenho certeza que ao retornarmos das férias a sessão de cinema vai ser um sucesso!

  8. setembro 21, 2010 às 9:42 pm

    Oi Melissa,

    “…em 2003, foi publicado na Coréia em uma edição de 224 páginas…”

    Eu procurei bastante, mas nao achei nada. Voce tem mais informações sobre esse versão?

    Grato,
    Jens

  9. 16 Margarida Prado
    fevereiro 28, 2011 às 9:48 pm

    Ao lembrar do livro o Meu pé de laranja lima, sempre lembro do começo do livro, quando ele fala do rei Luiz e de Godoia e no final, quando ele diz que ensinaram as coisas a ele cedo demais… não tenho como segurar as lágrimas… Zezeca, o rei Luiz, Portuga, Godoia e Minguinho sempre irão povoar meu imaginário… E a lição dos doces eu nunca vou esquecer, porque ” a vida sem ternura não vale muito”. Abraço carinho, Margot

  10. 17 beatriz
    novembro 6, 2011 às 1:37 pm

    Sou Beatriz, Argentina, desde que eu li esta maravilhosa obra, nào deixo de recomendá_la para todo mundo. Eu gostaría de ser possível, saber a relaçào entre a estória e a verdadeira vida do Autor………………………… “EXELENTE”

  11. 18 carlinhos123
    setembro 9, 2013 às 8:48 am

    qual é o nome da menina que zezé se apaixona


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Melissa Rocha

Jornalista apaixonada por cachorros e literatura, principalmente o gênero infanto-juvenil. Torcedora (e sofredora) do Palmeiras e Bahia. Fã de Drew Barrymore, Dakota Fanning, Anthony Kiedis e Red Hot Chili Peppers, All Star e Havaianas.

Blog Stats

  • 1,480,971 hits

No Twitter

RSS Ocasional

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
outubro 2009
S T Q Q S S D
« set   nov »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Páginas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 76 outros seguidores

Mais Avaliados


%d blogueiros gostam disto: